Graças ao seu apoio, as colunas das cinco grandes ligas da Europa estão de volta, e quarta é dia do Tout le Foot, com informações e análises sobre o futebol francês. Faça parte do nosso financiamento coletivo no Apoia.se e nos ajude a bater mais metas.

Entre movimentos internos, apostas em jovens e retorno de medalhão ao futebol europeu, a Ligue 1 teve uma janela de transferências de inverno europeu interessante para ajudar a moldar os próximos três meses finais de temporada. Enquanto Monaco e Lyon, com projetos diferentes, gastaram os maiores valores (€ 60 milhões e € 38 milhões, respectivamente), o PSG não teve movimentações, assim como o Marseille, em dificuldades financeiras; por sua vez, a grande maioria dos clubes garimpou atletas sem contrato ou por empréstimo, sem implicar custos às operações.

Na primeira coluna desde o fechamento do mercado de transferências, o Tout le Foot traz a vocês, leitores, um balanço das transferências da Ligue 1 neste mês de janeiro. As contratações não foram muito numerosas, mas selecionamos dez das mais relevantes para se ter uma ideia de clubes que se movimentaram bem no começo de ano.

Nicolás Gaitán – Lille

Nico Gaitán, do Lille (Divulgação)

O Lille não tinha planos de fazer contratações nesta janela, mas, pela oportunidade, acabou trazendo Nico Gaitán. Nos Dogues, o argentino, hoje com 31 anos, ganha uma chance de retornar ao futebol europeu e tentar recuperar o destaque de seus melhores tempos de Benfica.

No Atlético de Madrid, passou pouco mais de um ano e meio, entre 2016 e 2018, antes de se transferir para a China. No Dalian Yifang, atuou com José Fonte, zagueiro português hoje no Lille, e por aí começou o contato para que o meia fosse para a França.

Gaitán jogou sua última temporada pelo Chicago Fire, da MLS, e não atua desde 6 de outubro, visto que sua ex-equipe não se classificou aos playoffs do campeonato norte-americano de futebol. No time de Christophe Galtier, o jogador, canhoto, é uma opção para todas as posições atrás do atacante. Traz ainda importante experiência, com participação em competições europeias no currículo.

Este período no Lille será uma espécie de teste. Seu vínculo vai só até o final da temporada, mas com a opção de prorrogação por até mais duas temporadas, dependendo do que ele mostrar nesses pouco mais de três meses. Precisando recuperar a melhor forma depois do período de inatividade, precisará causar impacto imediato.

Bruno Guimarães – Lyon

Juninho Pernambucano e Bruno Guimarães (Divulgação)

Com € 38 milhões investidos (segundo números do Transfermarkt), o Lyon foi a segunda equipe francesa que mais gastou em contratações nesta janela, e só Bruno Guimarães custou basicamente a metade disso, € 20 milhões (além de 20% de uma futura venda). O valor, no entanto, é uma barganha.

Atualmente disputando o Pré-Olímpico com a seleção brasileira sub-23, Bruno Guimarães esteve no radar de Benfica, Arsenal e Atlético de Madrid, mas o Lyon contou com grande influência de seu diretor de futebol, Juninho Pernambucano, para vencer a concorrência e levar um dos mais empolgantes talentos do futebol brasileiro.

Juninho se comprometeu a transformar Bruno Guimarães no “melhor volante do mundo”. Este, é claro, é um objetivo a longo prazo. Para esta reta final de temporada, o brasileiro pode ser essencial nos planos de Rudi Garcia de ter um meio de campo mais técnico, capaz de controlar o jogo por meio da posse de bola e dos passes precisos – atributos dominados pelo ex-jogador do Athletico Paranaense.

Bruno Guimarães assinou com o Lyon até 2024 e se juntará ao grupo lyonnais logo após a disputa do Pré-Olímpico, que acabará na próxima semana.

Tino Kadewere – Lyon

Tino Kadewere, do Lyon (Divulgação)

Do Zimbábue à Ligue 1, passando pela Suécia e brilhando na segunda divisão no meio do caminho. Tino Kadewere tem um trajeto único, e a transferência ao Lyon é a recompensa por uma primeira metade de temporada brilhante pelo Le Havre, na Ligue 2.

Em 22 jogos na competição, o atacante marcou 18 gols e deu quatro assistências. Com a equipe na sexta colocação, ainda com chances de promoção à Ligue 1 da próxima temporada, Kadewere é muito importante para a campanha do Havre e, por isso, parte de sua negociação com o Lyon envolveu a definição de sua permanência por empréstimo até o fim do campeonato.

O zimbabuano teria sido um importante reforço ao Lyon já agora em janeiro, já que o clube contava apenas com Moussa Dembélé na abertura da janela. No entanto, Karl Toko-Ekambi também chegou para dar volume ao ataque. Por mais que não seja uma contratação imediata, o brilho de Kadewere na segundona francesa justifica sua presença na lista – e dá aos lyonnais um bom motivo para expectativas para a próxima campanha.

Aurélien Tchouaméni – Monaco

Aurélien Tchouaméni, do Monaco (Divulgação)

A janela do Monaco, como ficará evidenciado também nos outros nomes abaixo, foi focada principalmente em jovens promissores, tendo em vista retorno técnico a médio e longo prazo e, é claro, ganhos financeiros no futuro. Neste perfil, Aurélien Tchouaméni se encaixa perfeitamente.

Tchouaméni tem 20 anos recém-completos e esteve presentes em todas as equipes de base da seleção francesa nos últimos anos. Chegou ao Bordeaux com apenas 12 anos e fez sua estreia profissional em 2018, logo se tornando nome constante no time titular bordelais.

Em sua formação, se destacou como meio-campista de destruição, mas também importante na criação ofensiva. Porém, no Bordeaux de Paulo Sousa, vinha atuando mais como um jogador defensivo.

Para contar com o jogador, o Monaco pagou € 18 milhões ao Bordeaux, e a impressão é de que o time do sudoeste francês deixou seu talento sair muito facilmente, assim como aconteceu mais recentemente com Jules Koundé e Zaydou Youssouf, jovens talentosos que foram para Sevilla e Saint-Étienne, respectivamente. A expectativa do Monaco, é claro, é multiplicar este dinheiro investido em alguns anos – e pode muito bem conseguir isso.

Strahinja Pavlovic – Monaco

Strahinja Pavlovic, do Monaco (Divulgação)

Com apenas 18 anos, Strahinja Pavlovic já soma quatro jogos pela seleção sérvia sub-21. É titular do tradicional Partizan, fazendo dupla com o veterano Bojan Ostojic, e é visto como um dos grandes nomes para o futuro do futebol nacional.

Rapidamente, demonstrou bom crescimento na temporada. Mesmo sendo um zagueiro durão, tem boa qualidade de passe e capacidade para iniciar os ataques do Partizan como o homem a fazer a transição da posse da defesa para o meio, podendo também conduzir a bola mais à frente para ele mesmo tentar servir os atacantes com passes longos.

Pavlovic, no entanto, assim como Kadewere para o Lyon, terminará sua temporada no clube em que começou a campanha. Contratado por € 10 milhões, foi emprestado de volta aos sérvios até o fim da temporada.

Youssouf Fofana – Monaco

Youssouf Fofana, do Monaco (Divulgação)

Por € 15 milhões, o Monaco foi até outro clube francês buscar reforço para seu meio de campo. A quantia gasta por Youssouf Fofana, do Strasbourg, chama atenção, mas seu futebol em campo também. Com apenas 20 anos, é um jogador de bastante movimentação, forte e energético. Um roubador de bolas que também chega ao ataque levando perigo.

Fofana já estreou pelo Monaco, na terça-feira (4), e pôde mostrar isso e muito mais. Melhor em campo na vitória por 1 a 0 sobre o Angers, arriscou chute de longa distância, chegou à área para cabecear e, principalmente, fez um lançamento magistral, da linha do meio do campo, para Jovetic marcar de cabeça o único gol do jogo.

O jogador provou ser capaz de ser, para além de seu potencial e do investimento inteligente, um atleta pronto para trazer impacto imediato à equipe. Uma influência que mostrou na temporada e meia que fez pelo Strasbourg.

Moussa Wagué – Nice

Moussa Wagué, emprestado pelo Barça ao Nice (Divulgação)

Moussa Wagué tem apenas 21 anos, mas fez sua estreia pela seleção senegalesa principal ainda em março de 2017, basicamente três anos atrás. Dono de muito potencial, o lateral direito foi contratado pelo Barcelona em 2018 por € 5 milhões, deixando o Eupen, da Bélgica. Menos de um ano depois, fez sua estreia pelos culés e estava no radar de Valverde para ganhar oportunidades ao longo do tempo, tendo inclusive atuado contra a Internazionale, pela Champions League.

Com a presença de Sergi Roberto e Semedo no Barça, o empréstimo ao Nice é uma boa oportunidade a Wagué. Os clubes estabeleceram ainda uma opção de compra de € 10 milhões ao fim da temporada, mas o Barça já tem também uma cláusula de recompra por apenas € 15 milhões até junho de 2021.

Ao Nice, a adição é das melhores possíveis para substituir Youcef Atal, lesionado e provavelmente fora de todo o restante de temporada. Antes de se machucar, Atal era um dos melhores laterais direitos da Ligue 1. Com essa concorrência e a possibilidade de retornar para o Barça em menos de dois anos, Wagué tem motivação mais do que suficiente para se doar completamente ao clube francês.

Yassine Benrahou – Nîmes

Yassine Benrahou, emprestado ao Nîmes pelo Bordeaux (Divulgação)

Sem espaço no Bordeaux, mas ainda com grande potencial, Yassine Benrahou, meia armador de 21 anos, foi emprestado ao Nîmes até o fim da temporada e já chegou tomando seu espaço. Foi titular em quatro das cinco partidas do clube na Ligue 1, marcou um gol logo em sua estreia, na vitória por 2 a 0 sobre o Reims, e deixou também um tento nesta quinta, no triunfo por 2 a 0 sobre o Dijon.

Carente na posição e na zona de rebaixamento da Ligue 1, o Nîmes já começa a colher os frutos com seu novo meio-campista. Veloz e habilidoso, o francês de ascendência marroquina ainda tem uma potente e precisa cobrança de falta em sua canhotinha.

Steven Nzonzi – Rennes

Steven Nzonzi, emprestado pela Roma ao Rennes (Divulgação)

Nzonzi foi revelado pelo Amiens, passou seis anos na Inglaterra, em Blackburn e Stoke, e levou a experiência conseguida nos ingleses para o Sevilla, onde teve bom desempenho ao longo de três temporadas. Entretanto, contratado pela Roma em 2018, após vencer a Copa do Mundo com a França, Nzonzi não conseguiu reproduzir seus melhores momentos também na Itália.

Emprestado no início da atual temporada ao Galatasaray, Nzonzi teve problemas disciplinares em um treino e foi dispensado pelo clube turco no meio da temporada, em dezembro. A Roma não teve interesse em achar um espaço para o francês em seu plantel, e o Rennes aproveitou a oportunidade para repatriar o jogador.

O relacionamento iniciado aqui é, inicialmente, uma boa para ambas as partes – e pode se concretizar em um bonito casamento. O Rennes é atualmente o terceiro colocado da Ligue 1, uma das raras equipes do país a ter alguma estabilidade na competição e ganha em Nzonzi um reforço de nome para sua briga pela Champions League. O jogador, por sua vez, ganha a exposição que perdeu no último ano e meio – certamente querendo retornar aos Bleus.

Segundo o Rennes, o empréstimo conta com uma opção de compra, que seria exercida dependendo da posição do clube na tabela ao fim da temporada. Uma classificação à Champions League certamente seria determinante para sua permanência.

Lovre Kalinic – Toulouse

Lovre Kalinic, emprestado ao Toulouse pelo Aston Villa (Divulgação)

Se todo grande time começa por um grande goleiro, o Toulouse espera que, com um bom nome para a posição, possa conseguir alguma estabilidade para abrir caminho para um bom futebol mais pra frente – mas será difícil.

Na fase terrível que vive o clube, lanterna da Ligue 1 com sobra, Lovre Kalinic chega como um balde para apagar um incêndio florestal. Ainda assim, o goleiro ganha no Toulouse uma boa oportunidade de mostrar que tem condições de chegar bem ao fim da temporada, pronto para defender a Croácia na Eurocopa.

Kalinic pertence ao Aston Villa, ao qual chegou em 2018, mas perdeu espaço no clube inglês nesta temporada, vendo a chegada de Tom Heaton e, depois, Pepe Reina para a posição, com Dean Smith claramente demonstrando não confiar no goleiro. O empréstimo ao Toulouse pode ser sua volta por cima na temporada – pelo menos individualmente.