A Holanda foi a grande sensação da Copa do Mundo de 1974. O time treinado por Rinus Michels carregou todo o sucesso que Ajax e Feyenoord haviam conseguido na Copa dos Campeões, com quatro títulos e cinco finais entre 1968 e 1973. O Futebol Total pegou muitos de surpresa, inclusive o Brasil, eliminado no quadrangular semifinal atrás do time de Cruyff. Mas, na decisão, a tática inovadora não foi o bastante para derrotar o jogo mais duro da Alemanha Ocidental, a anfitriã daquele Mundial. 

A Alemanha já era campeã do mundo e vinha de uma sequência de boas campanhas, entre os quatro primeiros de 1958 e 1970, além do vice-campeonato de 1966. Seu time tinha nomes históricos como Sepp Maier, Franz Beckenbauer, Paul Breitner, Uli Hoeness e Gerd Müller. No entanto, antes mesmo de tocar na bola, aos 2 minutos, Johan Neesken converteu pênalti sofrido por Cruyff e abriu o placar. 

Antes do intervalo, Breitner empatou, também da marca do cal, e Müller concretizou a virada, marcando seu 14º gol em Copas do Mundo e quebrando o recorde de então, que era de Just Fontaine. A marca seria superada apenas por Ronaldo, em 2006, e depois por Miroslav Klose, em 2014. A Holanda tentou o empate no segundo tempo, mas teve que se contentar com o vice-campeonato. Apenas o primeiro dos três que amarga até hoje. 

1974: Holanda 1 x 2 Alemanha

Final
Estádio Olímpico, em Munique (Alemanha)

Gols: Johan Neeskens (HOL); Paul Breitner e Gerd Müller (ALE)

1998: Brasil 1 x 1 Holanda

Semifinal
Estádio Vélodrome, em Marselha (França)

Gols: Ronaldo (BRA); Patrick Kluivert (HOL)

2010: Alemanha 0 x 1 Espanha

Semifinal
Estádio Moses Mabhida, em Durban (África do Sul)

Gol: Carles Puyol (ESP)