O Arsenal foi bem superior ao Chelsea para vencer com tranquilidade os rivais londrinos por 2 a 0 no estádio Emirates. A partida foi menos equilibrada do que se esperava, com os Gunners sempre melhores em campo, marcando dois gols no primeiro tempo, mas sendo muito competentes na defesa e, assim, não correndo riscos.

LEIA TAMBÉM: Fàbregas se vai mais como uma lenda da Premier League do que dos clubes que defendeu

O técnico Unai Emery escalou o time com os atacantes Pierre Emerick-Aubameyang e Alexandre Lacazette. O meio-campo estava bem preenchido e Aaron Ramsey era quem tinha mais liberdade para chegar ao ataque. Mesut Özil ficou no banco e não entrou durante o jogo. Do outro lado, mais uma vez o técnico Maurizio Sarri escolheu jogar sem um centroavante e, assim, escalou o ataque com velocidade: Willian, Hazard e Pedro. Isso pesou contra o time, que viu a atuação defensiva do Arsenal isolar Hazard, que pouco pegou na bola, especialmente no primeiro tempo.

O jogo começou agitado, com o Arsenal melhor em campo. E aos 14 minutos, em um escanteio, Lacazette recebeu dentro da área, girou e finalizou com uma precisão impressionante: no ângulo, sem qualquer chance de defesa: 1 a 0. Melhor em campo, o Arsenal seguiu buscando o gol. Aos 38 minutos, o segundo gol. Cobrança de falta de Torreira para o lado esquerdo, toque de cabeça de Kolasinac, Sokratis tentou um chute desajeitado e Koscielny, livre, tocou. Ele tentou de cabeça, mas foi de ombro mesmo. Um toque que matou o goleiro Kepa: 2 a 0.

Com o placar a seu favor, o Arsenal pareceu controlar ainda melhor o jogo. Não deu muitas chances para o Chelsea, com seus zagueiros tendo uma ótima atuação, mas principalmente com o seu meio-campo bloqueando as jogadas do time azul. Nenhum dos jogadores do setor parece capaz de armar jogadas. E com Hazard mais à frente, ele demorava para pegar a bola. Sarri não parece ter achado uma saída, tanto que o melhor que o Chelsea conseguia ofensivamente vinha de lançamentos longos de David Luiz.

Marcos Alonso acertou a trave em um cruzamento em escanteio, chegando perto de diminuir o placar. Foi a melhor chance do Chelsea no primeiro tempo. No segundo, o time voltou igual, o que já pareceu um erro de avaliação de Sarri, que continuava com o mesmo problema para chegar ao ataque. O time até chegou mais vezes ao ataque, mas só conseguiu um chute a gol no alvo no final do jogo.

A entrada de Olivier Giroud aos 23 minutos do segundo tempo tinha tudo para melhorar o time, mas o efeito prático acabou sendo pequeno. Álvaro Morata sequer foi relacionado e tudo indica que está de saída para o Atlético de Madrid. A necessidade de um centroavante parece grande e, por isso, Gonzalo Higuaín é um grande candidato a chegar.

Sarri precisa encontrar soluções para o time, porque o que o Arsenal fez será estudado para que outros repitam. A saída de bola sufocada e o time sem conseguir se articular não é uma novidade e como Cesc Fàbregas foi liberado, o time precisa de outras soluções no meio-campo. Mateo Kovacic não foi bem e Ross Barkley ainda precisa mostrar mais. A boa notícia é apenas Callum Hudson-Odoi, que entrou bem no jogo e foi uma ótima alternativa de jogo.

No Arsenal, o jogo de Lacazette merece destaque – e sua estranha substituição no segundo tempo também, o que é incrível como acontece sempre. A defesa foi o ponto forte do time, com uma atuação impecável. Koscielny e Sokratis foram muito bem, assim como o lateral direito Hector Bellerín.

Com a vitória, o Arsenal retoma o quinto lugar, que tinha sido temporariamente ocupado pelo Manchester United. Os dois times têm 44 pontos, mas o saldo do Arsenal é maior – 16 a 13. O Manchester United, aliás, é o próximo adversário do Arsenal, mas na Copa da Inglaterra, na sexta (25). Na próxima rodada da Premier League, o Arsenal enfrenta o Cardiff, na terça-feira (29). Já o Chelsea volta a campo contra o Tottenham, na quinta (24), pelo jogo de volta da semifinal da Copa da Liga. Depois, no domingo (27), joga com o Sheffield United pela Copa da Inglaterra.