O Arsenal, com justiça, reclamou da alocação de ingressos da final da Liga Europa e seu local. O clube de Londres publicou comunicado nesta quinta-feira (16) se queixando da escolha de Baku como sede da decisão do torneio. A capital do Azerbaijão fica mais a leste de Londres do que a capital do Iraque. Literalmente, pra lá de Bagdá.

O clube começa a nota reclamando do baixo número de ingressos reservados para torcedores do Arsenal – apenas seis mil, mesma quantidade recebida pelo Chelsea, o outro finalista: “Estamos amargamente decepcionados com o fato de que, devido a limitações de transporte, a Uefa só possa disponibilizar um máximo de seis mil ingressos para o Arsenal em um estádio com capacidade para mais de 60 mil espectadores”.

Os Gunners destacam que têm 45 mil torcedores proprietários de ingressos para a temporada, que, em teoria, garantem alguma possibilidade de conseguir entradas para jogos como a final da Liga Europa. Lamentam que tantos não poderão estar no estádio, mas dizem também que sequer sabem se conseguirão levar seis mil torcedores até a capital do Azerbaijão, considerando “o quão extremos são os desafios de viagem”.

“Temos 45 mil detentores de ingresso de temporada, e simplesmente não é certo que tantos torcedores percam (o jogo) porque a Uefa escolheu uma sede para a final com uma oferta de transporte tão limitada. A realidade é que quem quer que tivesse chegado à final não conseguiria atender às demandas de seus torcedores”, diz trecho do comunicado.

O Arsenal cobra uma posição da Uefa, explicando os critérios de escolha das sedes de suas competições e detalhando como as exigências dos torcedores são levadas em conta nesse processo – provavelmente já imaginando que não tem resposta para essa segunda pergunta, convenhamos.

“Pedimos à Uefa que garanta que a logística e as exigências dos torcedores sejam parte integral de qualquer decisão futura para locais de finais, visto que o que aconteceu nesta temporada é inaceitável e não pode se repetir”, encerra o clube.

Vale lembrar que este não é o único problema que o Arsenal enfrenta por causa do local da final. O clube ainda não sabe se levará Henrikh Mkhitaryan com o grupo para a decisão. Os Gunners buscaram garantias de segurança para o armênio com a Uefa, devido às tensões políticas correntes entre o Azerbaijão e a Armênia.

O Estádio Olímpico de Baku tem capacidade operacional para 64 mil pessoas, mas apenas 37.500 ingressos foram disponibilizados para torcedores de todo o mundo. Arsenal e Chelsea, cada, receberam seis mil lugares, e o restante deverá ser preenchido com parceiros e patrocinadores da competição. A explicação dada pela Uefa para a alocação baixa aos finalistas foi a impossibilidade logística do aeroporto da cidade receber tantos torcedores de fora. Talvez o aeroporto tenha sido contraído por um raio encolhedor desde a escolha da sede em 2017, nunca se sabe.

Embora a culpa da federação seja clara em toda essa bagunça, a dos clubes não pode ser esquecida. O momento de protestar contra o Estádio Olímpico de Baku como palco da decisão foi lá atrás, em 2017, e não na véspera do confronto, logo após chegar à decisão.