Arrigo Sacchi é um mestre a qualquer treinador que deseja praticar um futebol ofensivo. O fortíssimo Milan da virada dos anos 1980 não envelhece, por toda a sua modernidade dentro de campo e pela fluidez que exibia nas partidas. E, aos 73 anos, Sacchi vê orgulhoso uma geração de ótimos discípulos despontar. O veterano rasgou elogios ao trabalho realizado por Pep Guardiola, Jürgen Klopp e Mauricio Pochettino na Premier League. Para ele, o trabalho encabeçado pelo trio representa também uma inovação ao futebol.

“Garanto que estaria em apuros se precisasse escolher um, entre Guardiola, Klopp e Pochettino. Você mencionou meus treinadores favoritos. Todos os três possuem um mesmo sistema filosófico, embora eles sejam muito diferentes. A Inglaterra tem um campeonato maluco, brilhante. A Premier League está atravessando sua Era de Ouro”, declarou Sacchi, em entrevista ao Daily Mail.

Especificamente sobre Klopp e Guardiola, Sacchi nota semelhanças com seu próprio passado: “O futebol praticado por eles é similar ao meu. Eu realmente aprecio seus valores, sua cultura e sua mentalidade. Meu time do Milan era inovador. Os times de Guardiola e Klopp continuam a inovar. Eles pensam como eu. Nós temos o dever de fazer o público desfrutar do futebol, se empolgar com isso”.

O italiano também refletiu a disputa ferrenha na Premier League, avaliando que o número de datas no calendário inglês poderia ser menor: “Fazer um bom futebol é mais difícil que falar sobre isso. Gosto do desejo que eles, Klopp e Guardiola, têm de dominar as partidas. O futebol precisa ser dominação e beleza, música e cultura. Gosto de assisti-los. O problema na Premier League é que eles jogam demais e há muita competição. Talvez seja por isso que a seleção nunca conquiste grandes resultados”.

Até mesmo nas citações, Sacchi traça um paralelo com Klopp: “Klopp falou antes da final da Champions: ‘Se perdermos, precisa ser a melhor derrota possível, temos que dar tudo’. Em meu livro, há muitas frases similares que eu amava dizer antes de ir para o campo. Sempre gostei de instigar meus jogadores com o desejo de ir além de seus próprios limites. Em minhas anotações, escrevi: ‘A vitória é importante quando é amplificada e ajudada pela beleza do jogo'”.

Por fim, o italiano ainda fez questão de exaltar um antecessor na casamata da Premier League. Para ele, Arsène Wenger possui uma importância histórica que não se apaga na competição, pelas ideias que inseriu a partir dos anos 1990: “Deixe-me dizer uma palavra sobre Arsène Wenger: ele revolucionou o futebol inglês. Ele é realmente ótimo”.