Finalmente a Argentina voltou a vencer. Os 3 a 0 contra a Colômbia vieram graças a uma atuação decisiva de Lionel Messi. Ele marcou um e deu passe para outros dois. Aliás, o jogo da seleção argentina, como um todo, não melhorou tanto assim. O que melhorou foi a atuação maiúscula do craque do time. Carregou o time rumo à vitória, para dar um pouco de fôlego a uma seleção abalada emocionalmente.

LEIA TAMBÉM: Itália e Alemanha empataram, mas podem comemorar os bons sinais de renovação

O confronto em San Juan, cidade que fica a 1100 quilômetros a oeste de Buenos Aires, teve ares de tensão. Muito pressionado pelos maus resultados e pelo futebol ruim apresentado, o técnico da Argentina, Edgardo Bauza, fez mudanças na equipe. Na lateral direita, sacou Pablo Zabaleta e colocou Gabriel Mercado. No meio-campo, tirou Enzo Pérez e colocou Éver Banega. No ataque, Gonzalo Higuaín foi para o banco para a entrada de Lucas Pratto.

Não demorou muito para que a Argentina conseguisse o gol. Logo a 10 minutos de jogo, em uma cobrança de falta muito bem feita, Messi colocou a bola no ângulo e marcou 1 a 0. A Argentina tirava um pouco do peso das costas.

Bem melhor no jogo a seleção da casa era quem ficava com a bola e tentava mais ações ofensivas. A Colômbia de José Pekerman mal chegava ao campo de ataque. Messi, jogando solto, embora mais pela direita, se destacava. E foi justamente pelo lado direito que Messi fez um cruzamento perfeito para Lucas Pratto, nas costas da zaga colombiana. O atacante do Atlético Mineiro tocou de cabeça para marcar 2 a 0.

Lucas Pratto marcou o segundo gol da Argentina (AP Photo/Natacha Pisarenko)
Lucas Pratto marcou o segundo gol da Argentina (AP Photo/Natacha Pisarenko)

No segundo tempo, para tentar uma reação, o técnico argentino que comanda a Colômbia, José Pekerman, escolheu levar a campo o meia Macnelly Torres no lugar de Wilmar Barrios. Nos primeiros minutos, teve efeito. O time colombiano voltou mais no campo de ataque. Os argentinos, mais precavidos, deram campo para tentar ganhar espaço no ataque, em velocidade.

Os colombianos ficaram muito mais tempo no campo de ataque. Mas também deram espaço para Messi em um bom ataque que o camisa 10 deixou a bola para Ángel Di María, mas o camisa 11 chutou forte e a bola foi para fora. Mas essa combinação voltaria a acontecer e seria fatal.

Já no final do jogo, Messi deu um lindo passe de calcanhar para Enzo Perez, que acabou desarmado pelo zagueiro Murillo. Só que o defensor colombiano bobeou e Messi o surpreendeu. Veio voando para tomar a bola dele na ponta direita e partir em direção à linha de fundo. Esperou o momento certo para tocar para trás onde estava Di María, que chutou forte, sem goleiro. A bola ainda triscou no travessão e entrou: Argentina 3 a 0.

Quem decidiu o jogo, Messi?  (AP Photo/Victor R. Caivano)
Quem decidiu o jogo, Messi? (AP Photo/Victor R. Caivano)

Uma vitória importante para a Argentina, que volta a ganhar três pontos. Com Messi, a Argentina teve 80% de aproveitamento dos pontos (ganhou 12 de 15 pontos disputados, só perdeu os pontos para o Brasil). Sem Messi, a Argentina tem 33% de aproveitamento (só conquistou sete de 21 pontos disputados). A dependência de Messi é maior do nunca.

O fato de ser Messi é um alento, porque é o maior jogador do mundo atual. O problema é que se o adversário complicar e der pouco espaço para ele em uma marcação bem feita, como o Brasil conseguiu fazer, tudo pode ficar mais difícil.

Com a vitória contra a Colômbia, a Argentina chega a 19 pontos, em quinto lugar. A Colômbia cai para sexto lugar, com 18 pontos. O Brasil segue em primeiro, mesmo antes de jogar, com 24 pontos. O Uruguai, que perdeu do Chile, é o segundo com 23. O Equador, que venceu a Venezuela, tem 20 pontos e é terceiro colocado. O Chile completa o G-4 também com 20. Na próxima rodada, a Argentina enfrenta o Chile em casa. Já a Colômbia recebe a Bolívia.