Seis dias depois do anúncio oficial, Eden Hazard foi apresentado nesta quinta-feira (13) como novo jogador do Real Madrid. O belga, de 28 anos, é a maior contratação de um pacote pesado do clube que vive reestruturação, e prova disso foi a multidão que compareceu ao Santiago Bernabéu para saudar seu novo xodó. Cerca de 50 mil pessoas estiveram no estádio para a apresentação do craque, maior número para um evento do tipo desde a chegada de Cristiano Ronaldo a Madri, quando 70 mil espectadores receberam o português, e Kaká, que levou também 50 mil, ambos em 2009.

Hazard não carrega o mesmo peso midiático que o hoje jogador da Juventus. Ainda assim, como escreve a imprensa local, o belga traz o mesmo sentido de esperança que Ronaldo àquela época. Depois de uma temporada decepcionante, Florentino Pérez tem investido pesado, com mais de € 300 milhões gastos nesta janela, que está longe de fechar – chegaram Éder Militão, Luka Jovic, Rodrygo, Ferland Mendy e, agora, Hazard. O ex-jogador do Chelsea é o símbolo maior do que ambiciona o Real Madrid para 2019/20.

Hazard passou por todo o ritual que envolve ser apresentado à torcida madridista: exame no Hospital Universitario La Moraleja, acompanhamento da família na cerimônia de apresentação – incluindo a presença dos irmãos e jogadores Kylian e Thorgan –, ouvidos atentos às palavras de Pérez, recepção calorosa das dezenas de milhares de torcedores nas arquibancadas do Bernabéu, embaixadinha com a bola e, é claro, o grito de “Hala Madrid!”, um pacote verdadeiramente completo.

A vontade de Hazard de defender o maior campeão da Champions League é conhecida há muito tempo. O belga revelou que a transferência que hoje se conclui começou a ser concebida pouco após a Copa do Mundo de 2018, em que foi um dos destaques da Bélgica terceira colocada.

“É verdade que tudo começou no ano passado, depois do Mundial, mas segui mais um ano no Chelsea. Acredito que tudo correu muito bem, fiz um grande ano, ganhamos a Liga Europa. Acredito que era o momento perfeito para assinar pelo Real Madrid”, disse na entrevista coletiva.

Ansioso pelo início da temporada, Hazard disse que Zidane é um ídolo seu desde criança e que o fato de o francês ser treinador do clube é um dos fatores, mas não apenas isso. O recado para o novo chefe, aliás, já foi dado: explicou que gosta de jogar pela esquerda ou como 10 – em questão de posicionamento, porque o número da camisa já tem dono.

“Tive a sorte de falar com o Modric, por meio do Kovacic. De brincadeira, pedi para usar a 10, e ele me disse que não, que tenho que usar outro número. O número não é o importante, o mais importante é jogar com essa camisa.”

Com gana de deixar também seu nome na história do Real Madrid, Hazard chega, de fato, em um momento ideal. Está no patamar mais alto de sua carreira, posição que alcançou com a consistência no Chelsea e a confirmação na Copa do Mundo na Rússia. Agora, tem, possivelmente, a chance de dar mais um salto acima, liderando tecnicamente um ambicioso e galáctico projeto que dá seus primeiros passos.