E depois de passarmos pelo fundo e pelo meio da tabela, chegamos ao grupo de elite do Campeonato Francês. Aos times que vão disputar o título e as vagas na Liga dos Campeões. Pelo investimento e manutenção do time, o Paris Saint-Germain parece pronto para o tricampeonato, mas quem será que vai desafiá-lo?

MAIS COLUNAS: Apresentação da turma do meio da tabela

Lyon

Na temporada passada: 5º na Ligue 1
Técnico: Hubert Fournier
Competição europeia: terceira fase preliminar da Liga Europa
Principais contratações: Christophe Jallet (D, PSG), Lindsay Rose (D, Valenciennes), Mohamed Yattara (A, Angers), Alassane Pléa (A, Auxerre)
Destaque: Alexandre Lacazette
Fique de olho: Nabil Fekir
Expectativa para a temporada: vaga em competições europeias

O Lyon tem se mostrado discreto na janela de transferências, mas isso não significa dizer que as ambições do clube se reduziram. Pelo contrário: os lioneses sonham em voltar ao pódio da Ligue 1 e voltar a disputar a Liga dos Campeões. O OL mantém firme sua política de aliviar ao máximo sua folha salarial, mas sem que isso afete tanto a qualidade do elenco. Se por um lado as saídas de Gomis e Briand sugerem perda de força, por outro o Lyon continua sua aposta em jovens revelados por suas categorias de base. Algo bastante comum nas últimas temporadas e que tem dado certo, apesar das constantes oscilações de rendimento da equipe durante o ano.

Não dá para dizer que falta experiência a Gonalons, Lacazette, Umtiti e Grenier, por exemplo. Mesmo jovens, eles já sentiram a pressão por bons resultados e pela exigência em atuar sempre em alto nível. Com um elenco com poucas mudanças, a principal novidade do OL está no banco de reservas. Com a saída de Remi Garde, Hubert Fournier está de volta ao clube no qual jogou entre 1998 e 2000. O treinador chega para manter o trabalho de formação dos jovens e dar espaço gradativo a eles. Revelações como o meia Nabil Fekir, de 22 anos, que já demonstrou sua qualidade durante as poucas chances que teve na última temporada e nos amistosos preparativos para 2014/15. De origem franco-argelina, o canhoto tem boa presença tanto na definição como na armação de jogadas ofensivas. O OL deve ser um bom concorrente na briga para ir à LC.

Saint-Étienne
Brandão (C), Erding (E) e Clerc, do Saint Étienne (Foto: AP)
Brandão (C), Erding (E) e Clerc, do Saint Étienne (Foto: AP)

Na temporada passada: 4º na Ligue 1
Técnico: Christophe Galtier
Competição europeia: playoffs da Liga Europa
Principais contratações: Kevin Monnet-Paquet (A, Lorient), Ricky van Wolfswinkel (A, Norwich/ING), Nicolas Isimat-Mirin (D, Monaco)
Destaque: Ricky van Wolfswinkel
Fique de olho: Ismaël Diomandé
Expectativa para a temporada: vaga na Liga Europa

Com duas temporadas muito boas, o Saint-Étienne deseja estabilizar sua presença no bloco de cima da Ligue 1. A classificação para uma competição continental se tornou uma obsessão pelos lados do Geoffroy-Guichard. Mesmo se não passar do Karabükspor nos playoffs da Liga Europa, o time busca consolidar a evolução apresentada na era Galtier – que pegou os Verdes em um 17º lugar em 2009/10 e o levou à quarta colocação na última temporada. Com um elenco praticamente inalterado, o ASSE precisa resolver apenas uma questão: como ficará a lateral esquerda depois da saída de Benoît Trémoulinas, de volta ao Dynamo Kiev após o período de empréstimo aos Verdes.

No ataque, a aposta fica por conta da chegada de Ricky van Wolfswinkel, contratado para suprir a ausência de Brandão. Resta saber qual será a face que o holandês mostrará ao vestir a camisa verde: aquela do goleador dos tempos do Utrecht (com 45 gols marcados entre 2011 e 2013) e da boa passagem pelo Sporting ou se será o fantasma que passou sem deixar saudades pelo Norwich (apenas um gol marcado em 25 partidas), rebaixado à segunda divisão inglesa. O jogador, de 25 anos, tem uma chance de relançar sua carreira e provar que pode, sim, ser o artilheiro que tanta falta faz para o ASSE.

Bordeaux

Na temporada passada: 7º na Ligue 1
Técnico: Willy Sagnol
Competição europeia: nenhuma
Principais contratações: Sala (A, Niort), Sacko (A, Le Havre), Plasil (V, Catania/ITA), Khazri (M, Bastia)
Destaque: Nicolas Maurice-Belay
Fique de olho: Emiliano Sala
Expectativa para a temporada: vaga na Liga Europa

Os girondinos se acostumaram a passar quase batido pela janela de transferências e fazer pouco barulho nas últimas temporadas quanto a novidades. Para 2014/15, a revolução tomou conta do Bordeaux. O clube chamou a atenção ao tentar convencer Zinedine Zidane a assumir o comando do time, mas o ídolo não voltou. Isso não impediu os Marine et Blanc de sossegar: a direção foi atrás de outro campeão mundial de 1998 e foi bem sucedida. Willy Sagnol, em sua primeira experiência como técnico de um time profissional, o ex-lateral chega credenciado por seu bom trabalho na seleção francesa sub-21 e, exatamente por isso, tem a missão de lapidar os jovens talentos do clube.

Este trabalho de renovação deu grandes passos com as saídas de jogadores experientes como Matthieu Chalmé, David Bellion, Jérémie Bréchet, Henrique e Landry Nguémo. Sagnol já deixou claro que não vai subir qualquer um para o time principal só para preencher buracos; ele só vai aproveitar aqueles que considerar completamente prontos para segurar a bronca. Os girondinos passam por um processo de renovação e tentam sair da mesmice – afinal, duas temporadas com discretos sétimos lugares não empolgaram muito seus torcedores. É a chance para a molecada impressionar e de gente pouco badalada dar a volta por cima. Esse é o caso de Emiliano Sala, atacante argentino que chegou ao time em 2011 e foi pouco aproveitado. Emprestado ao Niort, ele marcou 21 gols em 41 jogos na Ligue 2 e agora tenta provar ser artilheiro também na elite.

Lille

Na temporada passada: 3º na Ligue 1
Técnico: René Girard
Competição europeia: terceira fase preliminar da Liga dos Campeões
Principais contratações: Sébastien Corchia (D, Sochaux), Marcos Lopes (M, Manchester City/ING)
Destaque: Salomon Kalou
Fique de olho: Ryan Mendes
Expectativa para a temporada: vaga em competições europeias

Vencer uma acirrada concorrência pela terceira vaga francesa na Liga dos Campeões foi como um título para o Lille. Afinal, ser o primeiro do bloco dos times normais (PSG e Monaco disputaram em outro nível) não é pouca coisa. O LOSC prima pela estabilidade e, para conservar seu status, tratou logo de renovar os contratos de seus principais jogadores e evitar o assédio natural em torno de suas estrelas. A temporada, porém, começa de forma cruel com as fases preliminares da Liga dos Campeões. Os playoffs reservaram um difícil emparceiramento com o Porto, e as grandes chances de uma eliminação prematura ligaram o sinal de alerta. Se o abatimento tomar conta da equipe, as chances de sucesso ao final da Ligue 1 diminuem de forma considerável.

Para repetir o nível de 2013/14, o LOSC confia na solidez de seu sistema defensivo, que sofreu apenas 26 gols na última Ligue 1. Se lá atrás as coisas parecem bem, o ataque precisa de ajustes. Ryan Mendes, finalmente livre de uma contusão no tornozelo, tem a oportunidade de convencer o treinador René Girard que pode ser a solução para a falta de agressividade do ataque dos Dogues. O time necessita demais de encontrar outras soluções além da dependência excessiva em torno de Salomon Kalou. Com uma agenda apertada logo no começo de temporada, o Lille ainda deve tomar cuidado com a preparação física de seus jogadores e evitar o risco de lesões graves.

Olympique de Marselha

Na temporada passada: na Ligue 1
Técnico: Marcelo Bielsa
Competição europeia: nenhuma
Principais contratações: Alessandrini (M, Rennes), Batshuayi (A, Standard/BEL), Amalfitano (M, West Bromwich Albion/ING), Sougou (A, Évian), Alef (M, Ponte Preta/BRA), Kadir (M, Rennes)
Destaque: André-Pierre Gignac
Fique de olho: Michy Batshuayi
Expectativa para a temporada: vaga na Liga Europa

Após uma temporada completamente perdida, o Olympique de Marselha tenta se reinventar para voltar a brigar pelo pódio na Ligue 1. Perdido dentro e fora de campo, o OM decidiu mudar de vez para entrar nos eixos. Muito desta esperança de dias mais tranquilos está na chegada de Marcelo Bielsa. O treinador argentino tem carta branca para devolver aos marselheses a nobreza desaparecida. Exigente e meticuloso, ele já sentiu que terá dificuldades para cumprir os objetivos traçados. Bielsa já teve que engolir uma redução nos investimentos em reforços, que deveriam ser de € 35 milhões. Além disso, o técnico já teve seu primeiro entrevero com o elenco ao se desentender com o meia Morgan Amalfitano durante um treinamento.

>>>> Apresentação da parte debaixo da tabela da Ligue 1

Com um início conturbado, o treinador ainda perdeu um dos principais jogadores do OM nos últimos tempos. Está certo que Mathieu Valbuena não rendia o mesmo no clube do que na seleção francesa, mas a transferência do meia para o Dynamo Moscou deixa um vazio na equipe. O jeito será torcer para o inconstante Dimitri Payet enfim encontrar a regularidade e atuações de bom nível. O OM também aposta alto em Michy Batshuayi. O jovem atacante, de 20 anos, foi vice-artilheiro do Campeonato Belga (21 gols em 36 partidas) e custou € 7 milhões. Ele chega para dividir a responsabilidade com André-Pierre Gignac.

Monaco
Falcao Garcia, do Monaco (Foto: AP)
Falcao Garcia, do Monaco (Foto: AP)

Na temporada passada: 2º na Ligue 1
Técnico: Leonardo Jardim
Competição europeia: fase de grupos da Liga dos Campeões
Principais contratações: Bernardo Silva (M, Benfica/POR), Aymen Abdennour (D, Toulouse), Tiémoué Bakayoko (M, Rennes).
Destaque: Radamel Falcao Garcia
Fique de olho: Aymen Abdennour
Expectativa para a temporada: vaga na Liga dos Campeões

Se você esperava a repetição dos investimentos pesados do Monaco no mercado de transferências, esqueça. A esbórnia financeira pelos lados do principado não se repetiu e o time ainda perdeu o meia James Rodríguez, negociado com o Real Madrid por ‘módicos’ € 80 milhões. Isso sem contar os constantes rumores sobre a saída de Radamel Falcao Garcia. O projeto do ASM de concorrer com o Paris Saint-Germain parece estagnado para 2014/15. O milionário Dmitry Rybolovlev ainda tenta se recuperar do prejuízo (em todos os sentidos) do seu divórcio, que lhe custou a perda de parte importante de seu patrimônio – e, consequentemente, mexeu com as finanças do ASM.

A grande contratação do time do principado se chama Aymen Abdennour, defensor do Toulouse e que custou € 13 milhões. E ele é uma das poucas novidades do elenco, que perdeu nomes como Rivière, Abidal e Obbadi. A direção do Monaco voltou suas atenções na busca de um treinador para o lugar de Claudio Ranieri. Veio o português Leonardo Jardim. Apesar da pouca idade (40 anos), não se iludam com a ideia de se tratar de alguém inexperiente. Jardim gosta de montar times cujo estilo de jogo prima pelos passes curtos e pela posse de bola. Além disso, é descrito como um “professor de futebol”. Resta saber se seus ensinamentos serão bem assimilados pelos alunos, que precisam de esforços extras para não repetir de ano e depender quase exclusivamente da inspiração de seu único CDF.

Paris Saint-Germain

Na temporada passada: campeão da Ligue 1
Técnico: Laurent Blanc
Competição europeia: fase de grupos da Liga dos Campeões
Principais contratações: David Luiz (Z, Chelsea/ING), Serge Aurier (D, Toulouse)
Destaque: Zlatan Ibrahimovic
Fique de olho: Javier Pastore
Expectativa para a temporada: título francês e da Liga dos Campeões

Trata-se apenas de uma questão de tempo. As apostas na Ligue 1 não são mais para saber quem será o campeão, mas sim em qual rodada o Paris Saint-Germain levará a taça. Se na temporada passada o Monaco deu trabalho, para 2014/15 espera-se que o PSG nade de braçada. Com o principal rival contido nos investimentos em reforços, o clube da capital parte mais uma vez para chegar até sua menina dos olhos: a Liga dos Campeões. Como será quase impossível tirar sua coroa na Ligue 1, o time parte para uma nova tentativa de expandir seu domínio territorial.

Com as limitações impostas pelo fair play financeiro, o PSG pouco investiu na janela de transferências. A única contratação de impacto foi a de David Luiz, para reeditar a dupla de zaga da seleção brasileira com Thiago Silva (e, espera-se, sem o destempero emocional visto na Copa do Mundo). Apenas um retoque em um elenco estelar e que passou incólume às especulações do mercado. A temporada dos parisienses se resume à LC: uma queda prematura (leia-se nem passar das oitavas) será considerada uma hecatombe pelos lados do Parc des Princes. Uma eliminação como a ocorrida em 2013/14, quando caiu para o Chelsea após vencer o jogo de ida por 3 a 1, também será tratada como um desastre completo. Mais uma vez, Ibrahimovic e seus companheiros partem rumo à conquista da Europa.

Você também pode se interessar por:

>>>> Olympique continua no Vélodrome, mas vai pagar caro por isso

>>>> O legado da Copa para a seleção francesa