LeBron James é um dos melhores jogadores de basquete do mundo e ajudou o Los Angeles Lakers a ganhar uma série de partidas na atual temporada da NBA. E, em novembro, teve também uma contribuição indireta em uma importante vitória do Liverpool, clube do qual é acionista. O seu papel como potencial embaixador da Nike foi essencial para que o atual campeão do mundo vencesse uma batalha jurídica contra a New Balance e ficasse livre para assinar com a Nike, a partir da temporada 2020/21. O acordo se tornou oficial nesta terça-feira.

A parceria anterior começou em 2012, quando o Liverpool trocou a Adidas pela Warrior, subsidiária da New Balance, marca baseada em Boston, conterrânea do Fenway Sports Group, dono dos Reds, e relevante em outros esportes, mas, naquela época, sem presença no futebol. Três anos depois, a empresa-mãe decidiu entrar no esporte mais popular do mundo e assumiu as camisas do clube, com um contrato até o fim da atual temporada e uma cláusula que a permitia igualar a proposta de outras concorrentes.

Essa foi a base para o processo legal movido pela New Balance. Em números brutos, o contrato da empresa de Boston rendia por volta de £ 40 milhões por ano ao Liverpool, enquanto o da Nike tem um valor base de apenas £ 30 milhões anuais, segundo o Liverpool Echo. No entanto, o clube, que também terá 20% do lucro das vendas de material esportivo, argumentou que a Nike ofereceu condições de distribuição e divulgação da marca que seriam inigualáveis.

Segundo o The Atheltic, o Liverpool não acreditou quando a New Balance prometeu que colocaria a sua camisa em 6.000 lojas ao redor do mundo, como a Nike havia prometido, porque ao longo da parceria nunca havia conseguido passar da marca de 3.000. No fim, essa não foi a questão de terminante no veredicto do juiz que decidiu o caso a favor dos Reds, mas a capacidade superior da Nike de produzir embaixadores relevantes:

“Eu concluo que a proposta de marketing da New Balance é menos favorável ao Liverpool do que a da Nike porque o Liverpool não pode exigir da New Balance, nos termos da proposta, o uso de atletas super-estrelas do calibre de LeBron James, Serena Williams e Drake (rapper)”.

O Liverpool aposta alto no potencial da Nike de expandir sua marca globalmente porque o valor anual base do contrato, cuja duração não foi especificada (parceria de vários anos), seria inferior ao de outros grandes clubes europeus que fecharam com a empresa, como o Paris Saint-Germain (por volta de £ 70 milhões) ou do acordo do Manchester United com a Adidas, o maior da Inglaterra (£ 75 milhões) e também à proposta de renovação da própria New Balance.

A projeção, considerando a comissão variável de vendas, é que o total fique entre £ 60 milhões e £ 70 milhões por temporada, de acordo com o The Athletic. É um dos passos que o clube pretende dar para aproveitar o seu grande momento dentro de campo, como campeão europeu, mundial e líder isolado da Premier League, e se reforçar também fora dele. Seu faturamento na temporada 2017/18, antes do ano passado em que explodiu esportivamente, era o sétimo da Europa, em € 513 milhões, e o terceiro da Inglaterra, atrás de Manchester City (€ 568,4 milhões) e Manchester United (€ 666 milhões), segundo estudo da Deloitte.

A partir da temporada 2020/21, o Liverpool também estará de casa nova, com um novo centro de treinamento em Kirkby que substituirá o lendário quartel-general de Melwood.