Erling Haaland se anunciou ao mundo na última temporada. Foi destaque do Red Bull Salzburg na fase de grupos da Champions League, contratado pelo Borussia Dortmund e explodiu também na Bundesliga. Foram 44 gols em 40 partidas, mas tudo que o norueguês consegue pensar, refletindo sobre os últimos 12 meses que mudaram sua vida, é nos 10 ou 15 a mais que ele deveria ter marcado.

Haaland disse que o ano foi uma “pequena aventura”, da qual tentou aproveitar cada momento, depois que ela terminou. Passou por tudo que aconteceu com seu pai e foi quando caiu a ficha do que havia feito. “Quando faço algo que me dá um medo bom, quero fazer novamente. Tenho fome por mais”, disse, à emissora norueguesa TV2.

“Eu olhei todos os gols que fiz na temporada passada, mas também as chances que eu deveria ter convertido. É um pouco maravilhoso pensar que eu poderia ter feito mais, é um pensamento bonito”, acrescentou. Ao ser questionado sobre o que pensa sobre o que conquistou na última temporada, respondeu: “Eu imediatamente penso que poderia ter feito mais gols”.

“Pense o quão melhor poderia ter sido”, acrescentou. “Imagine se eu tivesse feito 10 ou 15 mais gols, algo que eu poderia ter feito. É só analisar minhas chances”. O que Haaland parece que faz com frequência. Segundo a reportagem, ele se lembra dos menores detalhes de todos os gols que marca, e Martin Odegaard afirma que ele consegue recriar até os lances dos treinamentos.

E até algumas chances perdidas. A que ele mais se arrepende de não ter marcado foi no jogo de volta contra o Paris Saint-Germain, quando o Borussia Dortmund foi eliminado nas oitavas de final da Champions League. “Eu deveria ter marcado em um passe de Achraf Hakimi. Ainda penso nisso lá no fundo, ainda é estranho, mas eu cheguei aos dois dígitos (10 gols) na minha primeira temporada na Champions League, então temos que dizer que fui aprovdo”, afirmou.

Haaland fez os dois gols da vitória do Dortmund por 2 a 1 no jogo de ida e comemorou meditando, como costuma fazer. Os jogadores do PSG não curtiram muito e, ao eliminarem os alemães, repetiram a celebração, tirando um certo sarro de Haaland, que segue levando na esportiva. “Eu entendi perfeitamente que eles quiseram contar ao mundo que a meditação é na verdade algo bom. Eu gostei bastante disso. Eu prefiro agradecer Mbappé e Neymar”, disse.

Haaland foi questionado sobre onde há espaço para melhorar na próxima temporada, e ganha uma bolacha o leitor que adivinhar a resposta. “Tenho que aproveitar ainda mais as chances. E depois quero criar relações ainda melhores com meus companheiros. Foi exatamente o que aconteceu no Salzburg e está acontecendo no Dortmund agora. Eu noto que a química está começando a melhorar. Estou ansioso para jogar com Jaden (Sancho), Julian (Brandt), Thorgan (Hazard), Marco (Reus) e os rapazes”, completou.

Após usar a 17 em seus primeiros meses na Alemanha, Haaland passará para a tradicional camisa 9. “Eu me vejo como um atacante que é número 9 ou 10. O 17 também é um número bonito, um dos meus favoritos, mas gosto mais do 9”, explicou.

O atacante de 20 anos está com a seleção norueguesa para as duas primeiras rodadas da nova temporada da Liga das Nações, contra Áustria, na sexta-feira, e Irlanda do Norte, na segunda. Ele tem apenas dois jogos pelo time nacional, em setembro do ano passado, e nenhum gol até agora.

.