Após renúncia de Bartomeu, Barça faz seu melhor jogo na temporada para bater Juve em Turim

Fora de casa, os blaugranas fizeram uma boa apresentação e venceram bem a campeã italiana

A renúncia de Josep Maria Bartomeu foi a principal notícia da semana no Barcelona, mas o time também tinha um jogo para fazer. E não era qualquer jogo: contra a Juventus, em Turim, pela Champions League. O que se viu em campo foi algo bem diferente do que vinha sendo o comum nesta temporada. Foi a melhor atuação do clube até aqui, com ótimo jogo de Lionel Messi e vitória com certa dose de tranquilidade, 2 a 0, contra um time que é de ponta.

LEIA MAIS: Um dia depois de dizer que não renunciaria à presidência do Barcelona, Bartomeu renunciou à presidência do Barcelona

A Juventus não teve Cristiano Ronaldo, que ainda testou positivo para COVID-19. Paulo Dybala esteve em campo, com Dejan Kulusevski e Federico Chiesa, além de Álvaro Morata no ataque. Ainda com problemas na defesa, o técnico Andrea Pirlo escalou Danilo para atuar como um terceiro zagueiro, fechando como lateral esquerdo em alguns momentos. Juan Cuadrado tinha mais liberdade pela direita, mas defendia como lateral. No miolo de defesa, Merih Demiral foi o titular.

No Barcelona, Ronald Araújo formou a zaga com Clément Lenglet e Miralem Pjanic foi titular no meio-campo, em seu primeiro jogo contra a ex-equipe, com Sergio Busquets começando no banco. Ousmane Dembélé foi titular pela direita do ataque, Pedri pela esquerda e Lionel Messi pelo meio, com Antoine Griezmann à frente deles, mas se movimentando. A formação ofensiva funcionou e teve uma ótima atuação no primeiro tempo.

O começo do jogo foi movimentado e teve o Barcelona criando chances. Primeiro, em um chute forte de Miralem Pjanic, que obrigou o goleiro Wojciech Szczesny a fazer uma boa defesa. Pouco depois, a bola sobrou no meio da área e Pjanic rolou para Antoine Griezmann. O camisa 7 encheu o pé e a bola explodiu na trave. Tudo isso antes dos cinco minutos.

O time catalão era melhor em campo e conseguiu abrir o placar em um lance bem construído e com alguma dose de sorte. Messi inverteu uma bola de primeira para Ousmane Dembélé no lado direito do ataque. Ele dominou, carregou com o pé esquerdo, ameaçou o chute e cortou para o pé direito. Só então chutou, a bola desviou na defesa e entrou: 1 a 0.

Logo depois, a Juventus teve uma chance. Álvaro Morata recebeu em posição duvidosa, avançou, tentou o toque por cima do goleiro, a bola tocou no seu braço, voltou para ele e o espanhol mandou para a rede. O lance foi anulado por impedimento marcado pelo árbitro, que foi para revisão – e confirmada, já que houve duas irregularidades.

A situação se repetiria aos 29 minutos. Juan Cuadrado cruzou da direita e Morata estava novamente impedido antes de finalizar para o gol e balançar as redes. O tento foi anulado e o jogo seguiu. Foi a vez então do Barcelona, que partiu em um ataque rápido com Messi pelo meio, que rolou para Dembélé. O francês hesitou, demorou a chutar, a bola foi bloqueada pelo goleiro, sobrou para ele de novo, que rolou para Griezmann logo atrás. O compatriota também hesitou, demorou a chutar, e acabou bloqueado.

O segundo tempo manteve um panorama parecido com o primeiro. O Barcelona parecia mais no controle do jogo e tinha mais posse de bola. Aos 10 minutos, porém, a Juventus chegou em um cruzamento para a área que Cuadrado chutou de voleio e a bola sobrou para Morata, na segunda trave, completar para o gol. Ele olhou para o assistente e, como não levantou a bandeira, o espanhol buscou a bola no fundo do gol e vibrou. A checagem do VAR, porém, anulou o gol por impedimento. Terceiro gol anulado do jogador. Um hat-trick de impedimentos, que bem poderia dar a ele o prêmio de Filippo Inzaghi da partida.

Os minutos passavam e a Juventus não conseguia se impor, nem exercer uma pressão para causar problemas para o Barcelona. Os blaugranas, por sua vez, reduziram a marcha e também chegavam pouco. Oo técnico do Barça, Ronald Koeman, colocou Ansu Fati em campo no lugar de Dembélé. A Juve demorou a mexer. Andrea Pirlo só começou a fazer mudanças aos 30 minutos da etapa final, com Weston McKennie no lugar de Dejan Kulusevski, Arthur no lugar de Rodrigo Betancur e Federico Bernardeschi no lugar de Adrien Rabiot – esta última substituição já aos 38 minutos.

Com 40 minutos do segundo tempo, veio um golpe duro contra a Juventus. Merih Demiral tomou o segundo cartão amarelo e acabou expulso. Com um a menos, as coisas se complicaram. A pá de cal veio já aos 44 minutos do segundo tempo. Lançamento para Ansu Fati nas costas da defesa e Bernardeschi chegou atropelando o jovem atacante. O árbitro Danny Desmond Makkelie apontou a marca da cal: pênalti.

Quem assumiu a responsabilidade da cobrança foi ele, Lionel Messi. O capitão cobrou com tranquilidade e categoria, na gaveta, sem nenhuma chance ao goleiro da Juve: 2 a 0 e vitória assegurada na Itália. O Barcelona saiu de campo com a vitória e a liderança do Grupo G, já com um passo importante para a classificação.

A saída do presidente, que criou um ambiente tão ruim no Barcelona, parece ter ajudado o time em campo. Talvez tenha mudado a história do clube, com os rumos que o time pode tomar a partir daqui. Mas isso ainda é cedo para saber. O que sabemos é que no primeiro jogo sem Bartomeu no comando, o Barcelona foi muito bem, obrigado.

Classificação fornecida por SofaScore LiveScore