O futebol europeu foi palco de mais um caso de racismo. Durante a vitória por 2 a 0 do Chelsea sobre o Tottenham, no novo estádio dos Spurs, Antonio Rüdiger relatou ter ouvido insultos preconceituosos contra ele. A partida chegou a ser paralisada por Anthony Taylor, enquanto anúncios eram realizados nos alto-falantes. O clube do norte de Londres afirmou que está investigando o incidente, enquanto Jan Vertonghen, um dos jogadores mais experientes do elenco, pediu desculpas em nome do Tottenham.

Além das ofensas contra Rüdiger, um torcedor do Chelsea foi preso por ter sido racista contra Son Heung-min. Os dois estiveram envolvidos em um lance que terminou com o sul-coreano expulso.

“Não deveria existir de nenhuma maneira. Não consigo entender como as pessoas ainda fazem isso. Eu não tenho palavras. Se qualquer jogador deles ou nosso foi afetado, peço desculpas em nome dos Spurs, mas é uma minoria de idiotas. Não nos identificamos com essas pessoas. Eu não ouvi nada, mas, se essas coisas ainda estão acontecendo, é uma desgraça e devemos agir contra. Não tenho ideia como as pessoas ainda pensam assim. Às vezes você pensa que as pessoas são mais espertas do que isso. Estou muito convencido que é apenas uma minoria, mas é muito errado”, disse.

Houve três anúncios durante a partida o que, segundo o Guardian, está de acordo com o protocolo anti-racismo da Premier League, embora o da Uefa determine que os jogadores se retirem aos vestiários para o segundo alerta e, no terceiro, o jogo pode ser suspenso.

“Não sei como consertar esses idiotas, mas é uma oportunidade para as pessoas certas agirem contra isso. Não apenas aqui, não apenas neste país, mas na Bélgica, na Holanda, em outros países onde eu vejo futebol. É um problema em qualquer lugar e outra oportunidade de fazer uma forte declaração”, afirmou.

“Meu sentimento geral é que a Inglaterra age forte e talvez tenha que agir mais forte. Acho que fora do Reino Unido, e estou falando da Uefa e de outras federações europeias, eles podem fazer melhor. Do jeito que eu vejo, está em todo lugar, não é que não haja em outros países em que eu joguei. Sempre vejo a Inglaterra como um país que esta à frente como uma sociedade multi-cultural. Por isso que amo Londres, por isso amo o Reino Unido, e o fato de que, neste país que penso estar à frente dos outros, machuca. Não é apenas um problema dos estádios, ou em Londres ou no Reino Unido, está em qualquer lugar do mundo e é errado”, completou.

Em um comunicado, o Tottenham informou que passou horas revisando as imagens das câmeras e recorreu a profissionais de leitura labial para estudar as gravações. Também entrou em contato com o Chelsea para pegar mais informações com os jogadores.

“O clube se orgulha de seu histórico de combate ao racismo em todas as nossas comunidades e estamos determinados a garantir que conduziremos uma investigação metódica. Qualquer torcedor que for culpado será banido para sempre. Neste momento, temos que pontuar que nossas descobertas são inconclusivas e pedimos que os comentários sejam evitados até os fatos forem estabelecidos”, encerrou.