Um erro de tradução deteriorou a relação entre o Celtic e a Sky Sports, o que é particularmente preocupante para a emissora que adquiriu os direitos de transmissão exclusivos do Campeonato Escocês a partir da próxima temporada, a ponto de o clube barrar repórteres da Sky em suas entrevistas coletivas enquanto o assunto é investigado pela Ofcom, órgão regulador de comunicações no Reino Unido.

Semana passada, a Sky Sports veiculou uma entrevista com o atacante do Rangers, Alfredo Morelos, em espanhol. A legenda apontava que ele havia acusado a torcida do Celtic de racismo durante o Old Firm de 29 de dezembro, em Parkhead. No entanto, o espanhol não havia dito nada disso, mas reclamou de racismo no geral e disse que o gesto que ele próprio havia feito em direção à torcida adversária não havia sido racista.

O escocês Daily Record comparou a entrevista com as legendas e notou que houve uma série de inconsistências entre ambas.  A Sky Sports tirou do ar a primeira versão e publicou uma segunda, corrigida e com a transcrição completa da conversa, junto com um pedido de desculpas:

“Identificamos imprecisões na tradução da entrevista da Sky Sports com Alfredo Morelos. Pedimos desculpas para Celtic e Rangers, assim como para Alfredo Morelos, pelos problemas causados por esses erros. Após uma série de passos tomados pela Sky para verificar a entrevista, está claro que em nenhum ponto Morelos alegou qualquer ofensa racista dirigida a ele pelos torcedores do Celtic. Pedimos desculpas aos torcedores do Celtic por esse sério erro e estamos revisando nossos procedimentos para entrevistas traduzidas para garantir que este erro não ocorra no futuro”.

Para complicar um pouco a situação, a polícia escocesa confirmou que denunciou um garoto de 12 anos por ofensas racistas contra Morelos naquele jogo entre Celtic e Rangers, que emitiu um longo comunicado condenando especialmente a maneira como a imprensa escocesa cobriu o caso. “O que nenhum de nós devemos fazer é descartar ou minimizar comportamento abusivo, como muitos veículos de imprensa, jornalistas e comentaristas fizeram neste caso”, disse o clube.

O Celtic emitiu um comunicado repudiando a versão veiculada pela Sky Sports e dizendo que abomina qualquer tipo de racismo. “Nossa posição constante é que, onde houver racismo, ele precisa ser atacado de frente. O Celtic sempre investigará qualquer relato de comportamento racismo e tomar a medida apropriada. É um padrão que todos os clubes deveriam seguir. O Celtic não precisa de encorajamento para perseguir o racismo, particularmente porque jogadores e técnicos do clube sofreram abuso persistente ao longo dos anos. O Celtic se orgulha da reputação maravilhosa e merecida de seus torcedores em muitos países e na Escócia. O clube deve a eles agir de maneira responsável, digna e profissional e tratar o racismo com a seriedade que ele merece”, disse o clube.

Em outro comunicado, o Celtic informa que fez uma denúncia à Ofcom pedindo o esclarecimento de três perguntas: quem foi responsável pela tradução? Quais passos foram tomados pela Sky para assegurar a precisão da tradução? E qual foi o papel da Sky em passar a história, baseada em uma tradução imprecisa, para outros veículos de imprensa? “Problemas de racismo e sectarismo são importantes demais para serem manipulados dessa maneira por qualquer emissora ou terceiros. O uso de traduções erradas para passar significado falso é uma forma perigosa de ‘fake news’, que precisa ser condenada”, argumentou.

Enquanto o assunto não é resolvido, o Celtic se recusa a cooperar com a Sky, que não teve acesso às entrevistas coletivas antes da partida desta quarta-feira, contra o Hearts, em casa, nem na véspera do jogo do último domingo, pela Copa da Escócia, diante do Clyde. O próximo compromisso do clube será contra o Aberdeen, no domingo, com transmissão ao vivo da emissora. Em contato com o Guardian, a Ofcom afirmou que ainda está avaliando se investigará o caso e, segundo o jornal, a análise costuma demorar duas semanas, e o inquérito, até 50 dias úteis.