O Rennes se firmou como um dos poucos clubes da Ligue 1 a bater de frente com o Paris Saint-Germain nos últimos meses. Os rubro-negros podem não exibir a regularidade necessária para almejar o título da competição. No entanto, venceram dois embates ao longo dos últimos dois anos e também conquistaram a Copa da França nos pênaltis contra os parisienses. Neste domingo, o triunfo por 2 a 1 no Roazhon Park renovou esta fama da equipe e também ampliou a animação com o bom início de campanha, após a vitória sobre o Montpellier na estreia. E a promessa de um grande futuro ao Rennes já tem nome e sobrenome: Eduardo Camavinga, meio-campista de 16 anos, que terminou eleito o melhor em campo diante do PSG.

O bom desempenho na temporada passada deixou o Rennes em evidência e o elenco perdeu jogadores importantes. Ismaïla Sarr, Ramy Bensebaini, Tomas Koubek e Benjamin André foram as principais vendas do mercado de transferências. A diretoria até investiu um dinheiro razoável na reposição, mas ainda assim algumas posições ficaram desguarnecidas. A lacuna reforçou a confiança sobre Camavinga, que acumulou minutos desde o final da temporada passada. Titular absoluto no time de Julien Stéphen neste início de campanha, o volante de 16 anos corresponde com atuações de destaque.

Camavinga nasceu em novembro de 2002, em Angola. Também com origem congolesa, o meio-campista migrou à França quando tinha um ano de idade e atuou inicialmente pelo Drapeau-Fougères, antes de se juntar à base do Rennes aos 10 anos. Visto como uma grande promessa dos rubro-negros, queimou etapas rapidamente e saltou à equipe principal graças à ajuda de Stéphen, com quem trabalhara no time B. Após estrear em abril, o angolano logo se firmou na rotação da equipe. A pouca idade não foi problema. Disputou sete partidas na Ligue 1 2018/19, já se sobressaindo contra Monaco e Lille.

Titular na estreia da Ligue 1 contra o Montpellier, Camavinga ganhou um novo contrato no meio da semana passada e ampliou seu vínculo com o Rennes até 2022. Não demorou para que o adolescente correspondesse, ao apresentar seu melhor contra o PSG. O volante possui um bom porte físico e poder de marcação, embora tenha contribuído bastante à transição ofensiva durante a vitória no Roazhon Park. Distribuiu passes com autoridade na faixa central e partiu para cima da marcação com suas arrancadas. Em uma de suas jogadas, o lançamento preciso encontrou Romain del Castillo dentro da área e permitiu que o atacante anotasse o gol da vitória por 2 a 1. Reconhecido pela ótima exibição, o novato ganhou o prêmio de melhor em campo.

Além do que se viu, os números reforçam a excelência de Camavinga diante do PSG. O volante foi o jogador do Rennes que mais tocou a bola, acionado 60 vezes ao longo da noite. Acertou 40 dos 41 passes que tentou, além de ganhar 17 disputas contra os adversários. Também se tornou o mais jovem atleta a registrar uma assistência na Ligue 1 desde que a estatística passou a ser computada, a partir de 2006.

“Não é uma surpresa. Descobrimos na temporada passada durante os treinamentos como Eduardo é bom. Ele é um jogador muito jovem, mas já bastante maduro. Tem muito talento. É muito bom tecnicamente e fisicamente, além de escutar o que falamos a ele”, comentou Clément Grenier, rodado meio-campista do Rennes, após a vitória sobre o PSG. O técnico Julien Stéphen complementou a visão: “Ele é muito bem construído intelectualmente, sabe como se questionar e faz a si as perguntas certas. Eu vou ter que administrar isso durante a temporada, é óbvio. Conversaremos com ele, assim como fazemos com os outros, para permitir que se desenvolva serenamente e em um contexto favorável”.

A amostra ainda é pequena e o aumento das expectativas também geram pressão. Mesmo assim, Camavinga não poderia viver um começo de carreira mais promissor. O novato impressiona pela segurança que exibe, seja para dar o combate nos adversários ou para distribuir os seus passes. Por enquanto, vai primando pela eficiência. A quem ainda vai fazer 17 anos, já dá motivos para ser acompanhado de perto. A idade, perceptível no rosto púbere, pouco se nota em seu futebol calmo e amadurecido.

O Rennes deve tratar Camavinga com esmero. O clube possui um dos melhores trabalhos de formação da França e a lista de revelações das últimas temporadas inclui Ousmane Dembélé como melhor exemplo. Há um bom equilíbrio dos rubro-negros entre desenvolver seus jovens jogadores e não retardar o momento em que pedem passagem. Conseguem fazer isso até mesmo com um adolescente de 16 anos, que brilha no jogo mais difícil possível da liga. A princípio, há uma joia para ser lapidada no Roazhon Park.