O encerramento precoce do Campeonato Chileno, por conta dos protestos que ocorrem no país, não causou tantas polêmicas na definição do título. Restavam ainda seis rodadas para o fim da competição, mas a vantagem da Universidad Católica era tão grande que a coroação da equipe se tornou incontestável. O que não caiu bem foi a decisão da ANFP, a liga de futebol local, em evitar o acesso e o descenso rumo à próxima temporada. Uma semana depois, porém, os dirigentes mudaram de ideia. Diante da pressão do Santiago Wanderers, o líder da segundona, a ANFP voltou atrás. A próxima edição do campeonato terá dois times a mais, confirmando assim a subida dos alviverdes novamente para a elite.

O Campeonato Chileno interrompeu suas jornadas a partir do fim de outubro. As manifestações no país deixaram um clima desfavorável ao futebol e diferentes tentativas de retomar o torneio acabaram frustradas. Num primeiro momento, os próprios jogadores se opunham, tanto por apoio aos manifestantes quanto por questões de segurança. Quando eles aceitaram voltar, os estádios se tornaram alvo dos protestos. Já no final de novembro, torcedores do Colo-Colo interromperam durante o segundo tempo o jogo entre Unión La Calera e Deportes Iquique, o que levou os atletas de volta aos vestiários. Ficava claro como não permitiriam o retorno.

Assim, em 28 de novembro, os presidentes dos clubes optaram por encerrar a liga em 2019. Foram 42 votos favoráveis em 48 possíveis, confirmando a interrupção imediata das divisões profissionais. Com 13 pontos de vantagem, a Universidad Católica comemorou seu bicampeonato nacional. Colo-Colo e Palestino conquistaram a classificação à Copa Libertadores, logo abaixo da tabela. Além disso, a Universidad de Chile também se beneficiava, ao evitar o risco de rebaixamento. A controvérsia maior veio das divisões inferiores.

Faltando mais três rodadas, o Santiago Wanderers liderava a segundona com três pontos de vantagem. O acesso negado levou o tradicional clube a ameaçar uma ação nos tribunais por aquilo que via como seu direito. Além disso, centenas de torcedores saíram às ruas de Valparaíso para protestar. Já nesta sexta, o conselho de presidentes da ANFP autorizou dois acessos. A primeira divisão passará de 16 a 18 competidores em 2020, enquanto a segundona terá 15 equipes. Dono de três títulos na primeira divisão, o Wanderers caiu em 2017, mesmo ano em que levou a Copa Chile. Soma 60 aparições na elite.

Um dos entraves ao acesso estava no valor pago pela televisão aos dois novos integrantes da primeira divisão. A ANFP fazia uma proposta menor pelos direitos de transmissão do Santiago Wanderers, que não estava disposto a aceitar. Ao final, o consenso só veio com a participação dos três grandes do país. Colo-Colo, Universidad de Chile e Universidad Católica se prontificaram a disputar amistosos contra os alviverdes para aumentar as arrecadações e cobrir a diferença econômica. Já o segundo time a ascender pagará o pato e receberá menos. Por sua vez, o Canal del Fútbol (o “Premiere” deles) ainda precisará ressarcir seus clientes pelos jogos cancelados.

Curioso também que, segundo a tabela congelada, a Universidad de Chile terminou na zona de rebaixamento. La U ocupava a antepenúltima colocação, com a mesma pontuação do Deportes Iquique. No entanto, o conselho de presidentes validou nesta sexta o empate do Iquique por 0 a 0 contra a Unión La Calera, no tal jogo interrompido por torcedores do Colo-Colo. Assim, com um ponto a mais e um jogo a mais, os Dragões Azuis deixaram La U no Z-2. Nada que tenha efeito prático além da anedota aos rivais.

Os problemas mesmo continuam nas arestas a aparar. A quarta vaga à Libertadores não foi definida. Ela seria destinada ao campeão da Copa Chile, mas o torneio foi interrompido nas semifinais. Como é organizado pela federação, não pela ANFP, o impasse permanece e a decisão é prometida para a próxima semana. Cogita-se até mesmo um pedido à Conmebol para que o prazo à confirmação do representante seja postergado.

Também não se sabe quem será o outro time a subir da segundona. O regulamento previa playoffs, que serão remarcados para janeiro, em Santiago. Do terceiro ao décimo colocado, os times disputarão um mata-mata. O campeão ganhará o direito de desafiar o Deportes La Serena, vice-campeão da segunda divisão, pelo acesso restante.

Já na terceirona, a bronca prevalece. Deveriam subir dois times, mas apenas o San Marcos de Arica teve a promoção confirmada e não há qualquer previsão de playoffs. O Colchagua, que ocupava o segundo lugar e aparecia um ponto atrás dos líderes, protestou contra a decisão. Os vice-líderes ainda encarariam o San Marcos de Arica na reta final da competição e afirmam que foram prejudicados, sem a chance de poder disputar o topo da tabela em sua casa. Deverá ser mais uma questão a se arrastar para as próximas semanas.