A história do Partizan Belgrado passa pelos pés de Sasa Ilic. O meio-campista nascido em Pozarevac, interior da Sérvia, chegou ao clube quando tinha oito anos de idade, em 1986. Passou por todos os níveis das categorias de base, enquanto a Iugoslávia se desintegrava e sofria com as guerras. Subiu para os profissionais aos 18 anos e, desde então, se tornou um símbolo de sucesso aos alvinegros. Entre sua primeira e sua segunda passagem pelo time, o veterano se transformou no jogador que mais vestiu a camisa da agremiação. E, aos 41 anos, 28 deles dedicados ao Partizan, optou por anunciar seu adeus dos gramados. Neste domingo, Ilic disputou o seu último jogo em casa antes de pendurar as chuteiras. Recebeu uma enorme homenagem da torcida, digna de sua grandeza.

A própria estreia de Ilic como profissional já foi simbólica. O meia saiu do banco com a camisa 1 e participou da vitória por 10 a 0 sobre o Bora Cacar, a maior do Partizan na história da liga. Aos 20 anos, assumiu a braçadeira de capitão. E teve um período muito feliz com o clube até 2005, conquistando seis títulos do campeonato nacional, o último deles invicto. Depois disso, passaria por Galatasaray, Red Bull Salzburg e Larissa. Também defendeu a seleção de Sérvia e Montenegro na Copa do Mundo de 2006. Por fim, retornou a Belgrado em 2010. Aos 32 anos, o meio-campista parecia entrar na reta final da carreira, mas ainda acumulou uma década gloriosa com o Partizan. O veterano se manteve como titular e enfileirou mais cinco títulos na liga.

Aos 41 anos, enfim, Ilic viu seu tempo no futebol se esgotar. Esta foi a primeira temporada desde 2010 em que o meia não permaneceu como titular absoluto no Partizan. Ainda assim, ampliou suas marcas fantásticas. Com 861 jogos, é o recordista em atuações pelo clube. São 423 aparições apenas pelo campeonato nacional. Além disso, seus 243 gols o colocam como o sexto maior artilheiro alvinegro, além de ser o maior em partidas válidas pela liga. Representatividade que rendeu uma grande noite neste domingo.

Para encher as arquibancadas, o Partizan colocou os ingressos a apenas $0,22 dinars, preço simbólico em referência à camisa de Ilic. A chuva atrapalhou a presença da massa alvinegra, mas não a beleza da ocasião. Juntamente com a família, o capitão viu os companheiros usarem seu rosto até em máscaras. Já nas tribunas, as referências estavam em bandeiras, cânticos e camisas. Após a vitória por 2 a 0 sobre o Proleter Novi Sad, o meia deu uma volta olímpica ao lado do filho. Viu a curva do Estádio Partizan pegar fogo, com os sinalizadores acesos pelos ultras da Grobari, em uma calorosa maneira de dizer adeus.

Depois da emocionada despedida da torcida, Sasa Ilic ainda tem mais um compromisso pelo Partizan. O clube enfrentará o rival Estrela Vermelha na quinta-feira, em Nis, valendo o título da Copa da Sérvia. Foi em um clássico na final de 2001, aliás, que o camisa 22 anotou o seu gol mais célebre. Dentro do Marakana, o rapaz de 22 anos definiu a taça na mesma competição. Se a conquista se repetir, pode render seu 18° troféu com a camisa alvinegra e oferecer o grand finale a uma trajetória tão imponente.