Após 25 anos, o Colônia recobra sua grandeza com o retorno às copas europeias

Alvirrubros recuperaram o posto na zona de classificação na última rodada e se garantiram na fase de grupos da Liga Europa

Por sua tradição e por sua torcida, o Colônia possui uma camisa pesada. Tem dois títulos alemães em seu currículo, para referendar sua importância no cenário nacional, mas a grandeza se traduz muito além da sala de troféus. No entanto, ela vinha surrada nos últimos tempos. Desde a virada do século, os alvirrubros se transformaram em um “clube ioiô”. Acumularam cinco rebaixamento e cinco acessos nas últimas 20 temporadas. Até que, finalmente, resgatassem um pouco dessa sua grandeza na atual campanha da Bundesliga. Depois de muito lutarem, os bodes se garantiram na Liga Europa 2017/18. Retornam ao cenário continental após 25 anos. Ressaltam um pouco desta história rica, que andava um bocado esquecida.

Por aquilo que fez no início da temporada, o Colônia poderia almejar até mesmo a Liga dos Campeões. Entretanto, o ritmo do time não se manteve com o passar das rodadas. A Liga Europa apareceu como objetivo palpável a partir de então, apesar do rendimento ter caído na reta final do primeiro turno. Ainda assim, em um campeonato tão equilibrado, mesmo as oscilações não tirariam a possibilidade de sonhar. E o impulso das últimas semanas acabou sendo vital aos alvirrubros. Primeiro, por bater o Werder Bremen em confronto direto, na antepenúltima rodada. Já neste sábado, o triunfo por 2 a 0 sobre o Mainz 05 valeu a vaga, combinada com a derrota do Freiburg diante do Bayern de Munique.

O sucesso do Colônia coloca em evidência o trabalho de Peter Stöger, responsável não apenas pelo último acesso do clube, mas também pela atual estabilidade na primeira divisão – caso o clube permaneça na elite durante a próxima temporada, acumulará a maior série de participações no primeiro nível desde os anos 1990. O treinador conseguiu montar um ótimo elenco, bastante homogêneo e cheio de jovens destaques – como Timo Horn, Jonas Hector e Dominique Heintz. De qualquer forma, a fase esplendorosa de Anthony Modeste também valeu demais aos alvirrubros. Com 25 gols ao longo da campanha, o atacante francês esteve em campo nas 34 rodadas. Segurar o seu protagonista será um dos grandes desafios aos bodes, levando em conta que ele já vem sendo cortejado pela fortuna dos clubes chineses nas últimas semanas.

Olhar para frente será a prioridade do Colônia neste momento. E, com a quinta colocação, a presença garantida na fase de grupos da Liga Europa já permite um planejamento mais centrado. Resta saber se os germânicos honrarão o seu próprio passado na competição. O clube possui 19 aparições na antiga Copa da Uefa, finalistas em 1985/86, quando acabaram derrotados pelo Real Madrid, e semifinalistas em outras cinco oportunidades. Também foram semifinalistas da Copa dos Campeões em 1979, superados pelo Nottingham Forest, e na Recopa de 1969. Já a participação europeia mais recente, em 1992/93, terminou precocemente. Caíram logo na primeira fase da Copa da Uefa, diante do Celtic, mesmo contando com feras do calibre de Bodo Illgner e Pierre Littbarski.

Além do Colônia, o Hertha Berlim também se garantiu na próxima edição da Liga Europa. A chance de dar a volta por cima depois do desempenho decepcionante nesta temporada, quando caiu nas preliminares. O clube da capital poderá entrar diretamente na fase de grupos, se o Borussia Dortmund for o campeão da Copa da Alemanha – o que garantirá também o Freiburg, sétimo colocado da Bundesliga, no torneio continental. Já em caso de título do Eintracht Frankfurt na Pokal, as Águias se alçam à fase de grupos, enquanto os berlinenses irão às preliminares.