Apesar do placar apertado, City dominou o Sheffield United em vitória fora de casa

Algumas vezes vemos um time dominar o adversário e, mesmo assim, perder o jogo. É comum nesse tipo de caso dizer que o placar não refletiu o que foi o jogo. Há casos que isso é mais sutil, como foi neste sábado, no Bramall Lane. Em casa, o Sheffield United lutou muito, mas foi dominado pelo Manchester City praticamente o tempo todo. Mesmo assim, o placar ficou em 1 a 0, que não dá a dimensão da superioridade dos visitantes na partida. e isso nem significa que o Manchester City fez uma grande parte, mas foi superior ao adversário.

LEIA TAMBÉM: Ato a ato, a avassaladora consagração: como Maradona atingiu o ápice de sua genialidade na Copa de 1986

Desde o começo da partida, os Citizens impuseram o seu ritmo e deram o rumo para a partida. Em um 4-3-3 bastante comum nos times de Pep Guardiola, com Ferrán Torres como um falso nove, como tem acontecido nas últimas partidas, o time teve controle da posse de bola e oferecia também poucas chances ao adversário. Tanto que o primeiro tempo terminou com o time com 69% de posse de bola e só um chute a gol do Sheffield United, e mesmo assim, o chute foi travado. Do outro lado, foram 10 chutes a gol, com cinco deles no alvo.

Um entrou. Foi aos 28 minutos, em um chute de longe do lateral direito Kyle Walker. Ele bateu cruzado, venceu o goleiro Aaron Rasmdale, e mal comemorou o gol que colocou o 1 a 0 no placar. Curiosamente, o jogador foi formado justamente pelos Blades, pelo qual estreou em 2008, antes de se transferir para o Tottenham em 2009 por €5,9 milhões (em valores corrigidos pela inflação, €6,8 milhões).

Pelo domínio do jogo, a impressão era que sairiam mais gols na partida. Só no primeiro tempo, foram ao menos duas chances para o time azul claro de Manchester marcar mais um. O goleiro Ramsdale teve que fazer sete defesas para impedir que o placar fosse ainda mais amplo. Foi o principal jogador do time ao longo de todo o jogo.

O segundo tempo teve o Sheffield United um pouco melhor em campo, especialmente com a entrada de John Lundstram. Atuando pelo lado esquerdo, ele levou algum perigo. Tanto que aos 35 minutos, e finalizou muito perto do gol e quase empatou o jogo.

A derrota dos Blades deixa a situação do time muito ruim, só com um ponto até aqui em sete jogos, em 19º lugar. Já são 11 jogos sem vitória, contando desde o final da temporada passada, a pior sequência da carreira do técnico Chris Wilder. O Manchester City, por sua vez, sobe para o sétimo lugar, com 11 pontos em seis jogos. A parte de cima da tabela está muito embolada, com Everton, Liverpool e Wolverhampton com 13 pontos (este último com sete jogos, os demais com seis). O Aston Villa, com cinco jogos, tem 12 pontos.