Tão aguardada quanto a eleição do melhor jogador do mundo pela Fifa é a lista da votação. As escolhas ao The Best, afinal, ajudam a entender um bocado como o pleito se orientou – e, mais do que isso, exibem algumas bizarrices. Em 2019, por exemplo, é possível perceber como Virgil van Dijk era um nome muito mais forte entre os eleitores da imprensa. Entretanto, Lionel Messi venceu o zagueiro nas demais categorias e levou a melhor.

A votação da Fifa ao The Best de melhor jogador se divide em quatro partes: um quarto dos votos é determinado pelos capitães das seleções nacionais; outro quarto vem dos técnicos das seleções; cada federação também tem direito a um voto de jornalista, totalizando mais um quarto; e os últimos 25% vêm da eleição aberta no site da Fifa. Isso tudo é transformado em uma pontuação final, divulgada pela entidade nesta segunda.

Lionel Messi teve 46 pontos, contra 38 de Van Dijk e 36 de Cristiano Ronaldo. O argentino foi mencionado 328 vezes por técnicos, capitães e representantes da imprensa. Destas, 136 na primeira colocação. Foi o favorito de 48 capitães, de 45 técnicos e de 43 membros da imprensa. Além disso, por mais que a Fifa não tenha divulgado o percentual do público, o camisa 10 teve uma votação superior para se distanciar de Van Dijk.

Van Dijk foi citado menos vezes pelo “júri especializado”, 304 no total. Foi o favorito a 41 dos técnicos e também 41 dos capitães. Enquanto isso, dominou entre os membros da imprensa: encabeçou a lista de 72 jornalistas e acabou citado por 118 deles ao todo, contra 108 menções de jornalistas a Lionel Messi. Se fosse respeitado o molde antigo da Bola de Ouro, o holandês teria levado a honraria. Todavia, outros fatores contam à Fifa, mais influenciados pela popularidade do atleta.

Basta vez o que aconteceu com Cristiano Ronaldo, que terminou a pontuação final colado a Van Dijk. Entre técnicos, capitães e imprensa, contudo, o artilheiro esteve mais distante do zagueiro. Ele foi citado como o primeiro colocado a 43 capitães e a 38 treinadores, contra apenas 27 dos membros da imprensa. Ao todo, foram 284 menções ao lusitano, que também se impulsionou com a ajuda do público.

O peso de outros destaques do Liverpool, possivelmente, também custou uma situação melhor a Van Dijk. É comum que, em equipes sem um destaque absoluto, os votos se dividam. Talvez o melhor exemplo seja a Espanha de 2010, quando Andrés Iniesta e Xavi praticamente se equivaleram, abrindo alas a Messi. O mesmo aconteceu com Mohamed Salah e Sadio Mané nesta oportunidade. Eles ficaram, respectivamente, na quarta e na quinta colocação do The Best. O egípcio recebeu 26 pontos e o senegalês, 23.

Nas citações de capitães, técnicos e membros da imprensa, os atacantes ficaram emparelhados. Salah recebeu 146 votos no total, mencionado 33 vezes em primeiro. Mané, por sua vez, teve 143 citações e foi o preferido de 31 dos votantes. Além disso, em 31 votos, ao menos um deles terminou à frente de Van Dijk no pódio, enquanto são 19 em que Salah e Mané são indicados juntos sem a companhia do defensor. Sinal que o reconhecimento ao Liverpool veio, mas com um reconhecimento maior aos homens de frente nestes casos.

De resto, os demais jogadores ficaram distantes de competir com o quinteto principal. Kylian Mbappé parou nos 100 votos, 15 como primeiro colocado. Eden Hazard teve 78, líder em nove listas. Frenkie de Jong foi o preferido em oito, de 56 no total. E o mais curioso é que, enquanto De Ligt contou com 38 indicações, contra 29 de Harry Kane, o inglês foi o melhor do mundo a seis votantes, contra três do holandês.

No mais, há curiosidades pontuais das votações. Neste ano, os três finalistas participaram do pleito. Messi escolheu, na ordem, o trio formado por Mané, Cristiano Ronaldo e De Jong. Van Dijk indicou o próprio Messi, seguido pelos companheiros Salah e Mané. Já Cristiano Ronaldo mostrou que confia na nova geração, optando por De Ligt, De Jong e Mbappé.

A Daniel Alves, a amizade transparece. O capitão do Brasil votou em Messi, Mané e Van Dijk. As escolhas foram parecidas com as de Tite, que inverteu a ordem, com Van Dijk em primeiro, Messi em segundo e Mané em terceiro. Já o jornalista Martín Fernández, do Globo Esporte, que representou a imprensa nacional, apontou Messi, Van Dijk e Salah.

A quem tiver curiosidade e quiser fuçar a lista da Fifa, a relação completa dos votos pode ser conferida através deste link. Abaixo, a pontuação final divulgada pelo site da Fifa, já convertendo os percentuais das diferentes categorias:

1° – Lionel Messi (46 pontos)
2° – Virgil van Dijk (38 pontos)
3° – Cristiano Ronaldo (36 pontos)
4° – Mohamed Salah (26 pontos)
5° – Sadio Mané (23 pontos)
6° – Kylian Mbappé (17 pontos)
7° – Frenkie de Jong (16 pontos)
8° – Eden Hazard (16 pontos)
9° – Matthijs de Ligt (9 pontos)
10° – Harry Kane (5 pontos)