O semestre do Peñarol guardou uma sentida frustração na Copa Libertadores. Os aurinegros compunham um grupo equilibrado, mas a atuação apática contra o Flamengo no jogo decisivo custou a eliminação. Se não teve forças para avançar no terreno continental, porém, o Manya manteve sua supremacia no Campeonato Uruguaio. Após celebrar o título nacional em 2018, o time faturou o Apertura 2019 neste sábado. Vale ressaltar que o feito ainda não vale como uma taça aos carboneros no histórico da liga. Ao menos, eles já se garantiram na fase decisiva da competição nacional, a ser disputada no final do ano.

O começo de 2019 foi menos pródigo que o encerramento de 2018 ao Peñarol. A equipe perdeu fôlego e alguns jogadores importantes em relação ao último título no Campeonato Uruguaio. Ainda assim, em uma campanha na qual os principais concorrentes não engrenaram, os aurinegros nadaram de braçada no Apertura. O time treinado por Diego López conquistou nove vitórias nas 13 primeiras rodadas, três a mais que qualquer outro concorrente. O equilíbrio puxou o Nacional para baixo e o péssimo início de caminhada travou os tricolores. Da mesma maneira, o Defensor atravessa uma crise e aparece na parte inferior da tabela. O único a representar alguma ameaça foi o surpreendente Fênix, o que não durou diante da seca recente dos nanicos.

Neste sábado, o Peñarol confirmou a conquista durante o confronto direto com o próprio Fênix. Na visita ao acanhado Parque Capurro, os aurinegros venceram por 2 a 1. Lucas Viatri e Ignacio Lores marcaram os gols da tarde. Com 30 pontos, oito a mais que qualquer concorrente, o clube festejou com duas rodadas de antecedência. Chama atenção a disputa parelha logo abaixo. Do segundo ao oitavo colocado, todos os times possuem entre 22 e 20 pontos. É o que permite ao Nacional ainda terminar com o vice, mesmo depois de trocar de técnico e demorar seis rodadas para conquistar seu primeiro triunfo.

O Peñarol segue reconhecendo o trabalho de Diego López. O treinador chegou ao Campeón del Siglo em meados de 2018 e emendou uma boa sequência. Mesmo sem empolgar neste início de 2019, após a derrota na Supercopa Uruguaia e a eliminação na Libertadores, o comandante garante sua continuidade com os aurinegros. Responde os questionamentos recentes com a recuperação no momento decisivo. Já em campo, a grande força é o sistema defensivo liderado pelo goleiro Kevin Dawson, novamente o melhor do time na competição. O Manya sofreu apenas oito gols em 13 partidas.

Mais à frente, além de muitos medalhões à disposição, a atenção recai sobre os garotos que despontam no Peñarol. Brian Rodríguez é o principal nome nesta fornada carbonera, apesar da preponderância de decanos como Viatri, Cebolla Rodríguez, Fabián Estoyanoff e Walter Gargano. O atacante de 19 anos foi bancado por Diego López e, prêmio à boa forma, disputará o Mundial Sub-20 com a seleção uruguaia. Já Gabriel “Toro” Fernández não repetiu o ritmo do Clausura. Negociado com o Celta, o artilheiro viu as questões extracampo impactarem em seu desempenho. Ele se envolveu em um acidente de automóvel que deixou uma passageira em coma e, durante as últimas semanas, vem cumprindo prisão domiciliar todas as noites.

O objetivo do Peñarol será completar o título do Campeonato Uruguaio sem precisar disputar as finais. Para tanto, terá que manter a toada no Clausura, algo possível diante de sua fortaleza defensiva. Além do mais, haverá uma chance de se redimir nas competições continentais, seguindo em frente na Copa Sul-Americana. Diante da grandeza carbonera, é o que se aguarda. O sabor agridoce da conquista deste final de semana tirou o peso da festa.