O Hertha Berlim já tinha sido o clube que mais gastou na última janela de transferências. Após a chegada do empresário Lars Windhorst como investidor principal, os berlinenses ganharam uma massiva injeção de dinheiro e iniciaram um projeto para ascender na Bundesliga. E não é a atual crise, sem muitas perspectivas de reabilitação no futebol, que freou o magnata. Nesta quinta-feira, veículos como o Bild e o Sport Bild relatam que Windhorst deverá investir mais €150 milhões nos cofres da Velha Senhora, ampliando sua participação nas ações para 60%.

É importante dizer que Windhorst já tinha 49,9% das ações do Hertha Berlim, como orienta a legislação do “50+1” na Bundesliga. Aumentar a participação nas finanças, entretanto, não significa que o empresário quebrará as regras. Por mais que atinja os 60% das ações, ele não terá o poder decisório dentro do Hertha, com os 50+1 na direção preservados aos associados. Windhorst tem direito a quatro das nove cadeiras dentro do conselho da Velha Senhora – uma delas ocupadas pelo ex-goleiro Jens Lehmann. Os outros cinco membros podem muito bem barrar as decisões do acionista majoritário. Todavia, o novo investimento permite que ele possua uma participação maior nos lucros, correspondente ao seu percentual.

Conforme o noticiário desta quinta, a injeção financeira foi aprovada pela diretoria do Hertha, mas ainda precisa do carimbo dos organismos internos da associação. Windhorst havia desembolsado €125 milhões quando adquiriu 37,5% das ações do clube no início da temporada e, durante o último mês de novembro, gastou mais €99 milhões para completar os 49,9% atuais. O empresário já manifestou seu interesse em colocar, num futuro próximo, os berlinenses na bolsa de valores. É a jogada que vislumbra para recuperar o seu dinheiro e aumentar a sua fortuna. Já para romper o 50+1, o magnata precisaria se manter em sua posição por 20 anos.

Nesta quinta-feira, o diretor Michael Preetz comentou o assunto em coletiva de imprensa. “Posso confirmar que estamos conversando, mas nada está definido. É aconselhável falar sobre isso quando pudermos anunciar oficialmente. Faremos isso”, falou, segundo aspas reproduzidas na Kicker. O investimento já era previsto desde antes da crise atual e o valor não está fixado. De qualquer maneira, o caminho está aberto para que o Hertha apresente um poder de mercado maior na próxima janela de transferências.

Dentro de campo, o Hertha Berlim dá bons sinais desde a retomada da Bundesliga. O clube não havia começado bem a temporada e o problema se ampliou quando Jürgen Klinsmann, inicialmente eleito para compor o conselho, assumiu o comando técnico e debandou de maneira repentina. A pausa foi importante para a Velha Senhora entrar nos trilhos e o treinador Bruno Labbadia apresenta agora uma equipe bem mais consistente, que tira proveito dos reforços trazidos em janeiro – entre eles, o brasileiro Matheus Cunha, destaque no ataque.

Atualmente, o Hertha ocupa a nona colocação da Bundesliga, com 38 pontos. É possível que conquiste a vaga até mesmo na Liga Europa, a quatro pontos da zona de classificação. Nestas últimas quatro rodadas do campeonato, desde o retorno, os berlinenses somaram 10 pontos em 12 possíveis – menos apenas que o Bayern de Munique. Neste sábado, os alviazuis terão um teste importante, ao visitar o Borussia Dortmund. Um triunfo pode reforçar mais a percepção de Windhorst, aproveitando um momento de instabilidade no mundo todo para acelerar o crescimento da Velha Senhora.