Depois de oito meses sem jogar, Hatem Ben Arfa tem um novo clube. O francês, de 32 anos, irá defender o Real Valladolid até o final da atual temporada, em uma transferência das mais alternativas desta janela. Cobiçado por clubes mais interessantes, o jogador afirmou que Ronaldo, proprietário da equipe espanhola, o convenceu a escolher o 16º colocado de La Liga.

Ben Arfa afirmou que já era um desejo seu jogar no Campeonato Espanhol e que este foi um dos fatores para sua escolha. As conversas com o Valladolid, no entanto, foram primordiais, especialmente com o apelo de um ícone do futebol mundial como Ronaldo.

“Senti que o clube realmente me queria. Eles mostraram muito interesse e têm um projeto de querer fazer o clube crescer, então foi uma escolha fácil. (…) O Ronaldo me convenceu a vir para cá. Funciono muito na base do instinto, e senti que era um bom lugar para mim.”

Sem atuar desde o fim de seu vínculo com o Rennes para a temporada 2018/19, Ben Arfa garante que se manteve em forma nos meses em que esteve parado e que está bem, “de corpo e mente”, para o novo desafio.

Tão inusitada quanto a transferência será o número que o meio-campista utilizará no Valladolid: a camisa 3. Perguntando sobre a escolha alternativa, respondeu apenas que “fica bonito na camisa”.

Ben Arfa com a camisa do Valladolid (Divulgação)

Revelado pelo Lyon, onde conquistou quatro títulos da Ligue 1, Ben Arfa foi vendido ao Olympique de Marseille em 2008 logo após ser eleito o melhor jogador jovem da competição. Seu talento era grande, mas também sua inconstância e seu ego. Badalado desde criança, sempre esteve cercado de problemas.

Foram dois anos em Marselha antes de começar sua primeira aventura no exterior. Em 2010, foi para o Newcastle e, mais uma vez, foi marcado pela irregularidade, mostrando apenas lampejos de sua capacidade técnica, como no épico gol com arrancada do meio de campo, contra o Bolton, em 2012.

Depois de quatro anos e meio, passando os últimos meses emprestado ao Hull, foi liberado de seu contrato e acertou a volta à França em 2015. No Nice, reergueu sua carreira. Depois de passar os primeiros meses no clube apenas treinando, terminou a temporada como um dos melhores jogadores da Ligue 1 2015/16, com seus 17 gols e seis assistências influenciando diretamente na quarta colocação e consequente qualificação à Liga Europa.

Chegou a ser repetidamente pedido na seleção francesa que disputaria a Eurocopa em casa, mas os problemas do passado pesaram mais na escolha de Didier Deschamps, sempre em busca de formar um grupo equilibrado.

Aquele grande ano pelo Nice lhe rendeu um contrato de dois anos com o PSG, a maior oportunidade de sua carreira. Mas tão grande quanto a chance foi a queda. Depois de uma primeira temporada com oportunidades, Ben Arfa, por volta de abril de 2017, foi colocado na geladeira por se desentender com a direção.

Segundo o jornal L’Équipe, tudo teria começado quando, no centro de treinamento do PSG, o jogador conversou com o Emir do Catar, Tamim al-Thani, e reclamou da dificuldade que tinha em conversar com o presidente do clube, Nasser Al-Khelaïfi. O PSG então lhe comunicou que não queria mais mantê-lo, mas o jogador não quis ser negociado. Passou, então, toda a temporada 2017/18 afastado.

Já com 32 anos, Ben Arfa está bastante calejado, e o mundo do futebol lhe conhece bem. Seu talento, ainda assim, lhe rende boas oportunidades. Em 2018/19, embora sem exatamente o mesmo brilho que teve pelo Nice anteriormente, foi bem no Rennes. Marcou nove gols e deu seis assistências na temporada, chegou às oitavas de final da Liga Europa, caindo para o finalista Arsenal, e ainda pôde se vingar do Paris Saint-Germain, de quem hoje cobra na Justiça € 8 milhões: em cima dos parisienses, o Rennes levou a Copa da França nos pênaltis, com Ben Arfa em campo.

A campanha passada foi o bastante para gerar o interesse de vários pretendentes. O Nantes, da Ligue 1, quis muito levá-lo, e Galatasaray e Genoa foram outras opções, com os turcos oferecendo até mesmo um lucrativo acordo de 18 meses. Algo entre as palavras de Ben Arfa na coletiva desta terça, a conversa com Ronaldo e outros elementos que não saberemos levou o jogador ao Valladolid. O francês já mostrou que tem capacidade de trazer impacto imediato a uma equipe, e, neste caso, esse é o prazo que ele terá mesmo.