O Watford encerrou neste domingo uma jornada de cinco temporadas consecutivas na Premier League. Os Hornets fizeram campanhas acima das expectativas e chegaram a disputar uma final de Copa da Inglaterra no período, mas não puderam evitar o descenso na atual campanha. E um dos símbolos do clube neste intervalo também se despede. Aos 39 anos, Gomes confirmou que não seguirá em Vicarage Road ao término de seu contrato, colocando um ponto final na passagem bastante marcante à sua carreira.

“Doeu, está doendo e doerá por mais um tempo. Não por mim, talvez eu seja o menos afetado. Eu sabia que um dia chegaria ao fim minha passagem pelo clube, mas sinto pelos torcedores, por meus companheiros e pelos meus amigos, sinto pelas pessoas no centro de treinamentos, no estádio e por todos os envolvidos com o Watford: vocês mereciam o melhor de nós”, escreveu o goleiro, em suas redes sociais. O goleiro, inclusive, saiu do campo às lágrimas após a derrota para o Arsenal neste domingo.

“Mas é hora de começar a se recompor e ir de novo, para voltar ao lugar que o clube pertence, e estou certo que vocês conseguirão isso. Eu sempre apoiarei vocês, não importa onde eu estiver ou o que estarei fazendo. Por ora, gostaria de agradecer muito por tudo o que vocês fizeram por mim, vocês sempre terão um lugar especial em meu coração. Watford, espero que eu tenha a oportunidade de dizer adeus”, completou. Gomes não confirmou sua aposentadoria, embora tenha declarado anteriormente “99% de certeza” de que esta seria sua última temporada.

Contratado sem custos, Gomes se juntou ao Watford em 2014/15 e contribuiu ao acesso da equipe logo em sua primeira temporada. Depois disso, foram mais três anos como titular, até que começasse a perder espaço após uma lesão no início de 2018. Deixar a posição não fez com que o brasileiro criasse caso ou forçasse sua saída. Pelo contrário, ele se manteve como uma liderança do elenco, após já ter usado a braçadeira de capitão em seus tempos como dono da meta. Permaneceu como uma influência positiva para que os Hornets se sustentassem na elite.

Gomes totalizou 160 jogos com a camisa do Watford. Nas últimas duas temporadas, suas aparições estiveram limitadas às copas nacionais – e mesmo assim ele seria instrumental na caminhada rumo à decisão da Copa da Inglaterra em 2018/19, apesar da derrota acachapante diante do Manchester City em Wembley. Seu melhor ano seria o de 2015/16, o da volta à primeira divisão, quando terminou eleito o melhor jogador da temporada no Watford. Confirmou seu status de ídolo e ajudou na boa campanha dos Hornets rumo ao 13° lugar na Premier League. Colecionava pênaltis defendidos e excelentes atuações contra os grandes.

Diante do período sem atuar com frequência nos últimos dois anos e meio, é difícil apontar as condições de Gomes se ainda tentar seguir sua carreira. Mas não se nega que o mineiro construiu uma das trajetórias mais respeitadas entre os goleiros brasileiros que jogaram no futebol europeu. Protagonizou ótimos momentos no PSV e aumentou sua reputação no Tottenham, ainda que sem emplacar totalmente. Já o Watford representou um renascimento ao arqueiro, após ficar um ano sem jogar e ter uma passagem modesta pelo Hoffenheim. O veterano consolidou seu nome na Inglaterra e virou um dos jogadores mais queridos de sua torcida. A emoção no adeus tem todos os motivos.