Ander Herrera se tornou jogador do PSG nesta janela de transferências, algo que já estava previsto há algum tempo. O jogador basco ficou sem contrato com o Manchester United ao final da temporada 2018/19 e acertou com os parisienses. Ele comentou sobre a imagem do clube e também algo curioso: que gosta das reações negativas que o PSG tem no seu país em relação a torcedores dos outros times, em entrevista à revista France Football.

Razões para ir ao PSG

“Primeiro, pelo projeto. É um clube elegante e glamuroso que eu gosto muito. Depois, porque eu quero continuar jogando por um grande clube. E, finalmente, eu não me via jogando em outro clube inglês. Quando você jogou pelo Manchester United, é difícil ir para outro clube”, afirmou Herrera.

“O PSG é um projeto que constantemente está progredindo. O modo como o Paris me abordou foi impecável. Eu me senti querido. Thomas [Tuchel, técnico do PSG] me ligou diversas vezes para conversar. É alguém que ajuda os jogadores a melhorar. Aos 29 anos, eu sempre quero progredir”, disse o jogador.

Ao ser perguntado sobre a imagem que o clube possui no exterior, o jogador basco foi muito elogioso e revelou a curiosidade. “Um gigante! Um clube respeitado, com classe. Um clube que tem três ou quatro dos melhores jogadores do mundo. Eu também sei que é um dos clubes mais odiados da França e eu gosto disso”, contou.

Clube do coração na Espanha

“Eu tive a felicidade de jogar pelo Athletic Bilbao, outro clube muito querido para mim, e pelo Manchester United, o maior do Reino Unido, onde eu me senti amado. Hoje, eu estou orgulhoso de estar no PSG, o maior clube da França. Eu sempre dei tudo pelos clubes que joguei, mas não posso mentir. O time do meu coração, para sempre, é o Real Zaragoza, que eu torci como criança e onde eu comecei a minha carreira”, revelou o jogador.

Elogios a Marcelo Bielsa

“Eu poderia falar sobre Bielsa por duas ou três horas, mas vamos tentar resumir (risos). Ele é o técnico mais original que eu tive na minha carreira. Eu não disse o melhor ou o pior, mas o mais particular. Ele é doente por futebol”, declarou o jogador, uma das opções de meio-campo do PSG.

“Em casa, tudo é diferente no modo de entender futebol: treinamento, o modo como ele entende e lê o jogo. Eu lembro das sessões de análise de jogos… Depois dos jogos! Nós tínhamos uma reunião completa apenas algumas horas antes. Era irritante para alguns, mas eu amava. Ele é um gênio! É um enorme prazer ter o conhecido. Bielsa me fez amar o futebol mais do que eu já amava”, relatou Herrera.

Camisa PSG (Paris Saint Germain) 1998 - Modelo I
Camisa retrô do PSG com modelo usado em 1998. Para quem curte camisas clássicas, esta aqui é um achado
A Trivela pode ganhar comissão sobre a venda.

Confira nosso último vídeo no YouTube e se inscreva no canal para fortalecer o jornalismo esportivo independente em mais um meio.