Londres vai parar na manhã deste sábado. Tottenham e Arsenal fazem, em White Hart Lane, um clássico decisivo para os rumos da Premier League. Um verdadeiro jogo de seis pontos a dez rodadas do final. Uma vitória dos Spurs deixa os rivais comendo poeira, enquanto os Gunners podem igualar a pontuação dos vizinhos – e o empate ainda coloca ambos abraçados a ver o Leicester na liderança do campeonato. O placar do Dérbi do Norte de Londres tende a ter grande peso na motivação das equipes para a reta final da campanha. Dependendo do resultado, poderá ser colocado até mesmo como o mais importante da história dos gigantes londrinos no Campeonato Inglês.

O clássico possui pouco mais de um século. Arsenal e Tottenham não eram rivais até o início da década de 1910, quando os Gunners se mudaram para Highbury, a pouco mais de seis quilômetros de distância de White Hart Lane. Ainda assim, o primeiro confronto desde a aproximação aconteceu de maneira solidária. Os vizinhos disputaram um amistoso em agosto de 1914, para juntar fundos ao exército britânico na Primeira Guerra Mundial. E o que se viu foi um passeio do Arsenal, que enfiou 5 a 1 dentro do estádio adversário. A Segunda Guerra Mundial, aliás, voltaria a marcar outro momento de aproximação entre os clubes. Highbury serviu de base do império para monitorar ataques aéreos e chegou a ser bombardeado. Neste período, os Gunners mandaram os seus jogos em White Hart Lane.

De qualquer maneira, a rixa entre as equipes já havia aumentado, e muito, logo após a Primeira Guerra Mundial. Na temporada 1914/15, a última temporada antes do início do conflito, Manchester United e Liverpool participaram de episódio de manipulação de resultados, o que bagunçou o retorno do Campeonato Inglês para 1919/20. Prejudicado pela combinação, o Chelsea permaneceria na elite, causando o aumento no número de participantes. Restava, então, escolher mais um time para compor a primeira divisão, se expandindo de 20 para 22 integrantes. O Tottenham se achava no direito de ficar, por ter sido o lanterna em 1914/15. Contudo, o Arsenal teve mais força nos bastidores e acabou escolhido em votação, apesar de ter ficado apenas em quinto na segundona em 1914/15. O caso gerou enormes controvérsias, com acusações dos Spurs de que o presidente dos rivais teria agido desonestamente para convencer os outros clubes.

O Tottenham conquistou o título da segunda divisão logo na primeira temporada. E os primeiros reencontros dos rivais na elite acabaram marcados pelo clima ríspido. O clássico de setembro de 1922, em White Hart Lane, teve três jogadores dos Spurs retirados de campo por lesão, em violência dos Gunners que irritou os 40 mil presentes nas arquibancadas. Já dentro de campo, o gol que descontou a vitória do Arsenal por 2 a 1 suscitou uma briga generalizada entre os jogadores, com trocas de socos, árbitro pisoteado e intervenção da polícia. Cinco dias depois, as equipes voltaram a se encontrar em Highbury, diante de 55 mil enfurecidos torcedores, que atiraram objetos em campo. Mas, apesar do clima hostil, o jogo terminou sem maiores incidentes.

1991

Apesar de toda a animosidade, que se abrandou com o passar dos anos, poucas vezes Arsenal e Tottenham disputaram um jogo decisivo pelo Campeonato Inglês, com ambos sonhando pela taça. Somente em duas oportunidades episódios parecidos aconteceram. Em 1933/34, os dois times figuravam no topo, mas a vitória dos Spurs por 3 a 1 só tirou os Gunners temporariamente da ponta, sem evitar que levantassem a taça. Já em 1951/52, o clássico de peso aconteceu em fevereiro, mas a vitória do Arsenal por 2 a 1 adiantou pouco, já que ambos os londrinos terminaram a campanha atrás do Manchester United.

Para o Arsenal, há doces lembranças de dois títulos conquistados em White Hart Lane. Em 1970/71, o Tottenham teve a chance de evitar o triunfo dos vizinhos na última rodada e entregar o troféu ao Leeds, mas Ray Kennedy garantiu a glória com o gol na vitória por 1 a 0. Já em 2003/04, a certeza do título dos Invincibles de Arsène Wenger aconteceu a quatro rodadas do fim, com o empate por 2 a 2 na casa dos Spurs – e Sol Campbell, chamado de “Judas” pela antiga torcida, desfrutando a celebração. Ao Tottenham, resta ir à forra com o simbólico clássico de abril de 1991, em Wembley, pela semifinal da Copa da Inglaterra. Paul Gascoigne e Gary Lineker anotaram os gols nos 3 a 1 dos Spurs, até hoje lembrado pela torcida no “St. Hotspur Day”. O Dérbi do Norte de Londres, aliás, já decidiu três semifinais de Copa da Inglaterra e três de Copa da Liga, com vantagem para o Arsenal, com quatro classificações.

Neste sábado, porém, o caminho está aberto para a história ser escrita. Mesmo sem tantos nomes tarimbados no elenco, o Tottenham aparece com ligeiro favoritismo, tanto por jogar em casa quanto pela melhor forma nas últimas semanas. O Arsenal, de qualquer forma, possui um passado favorável quanto a frustrar os planos dos rivais e se impor nos momentos decisivos. Cenas para o próximo capítulo, que se promete grandioso como poucas vezes.