América do SulArgentinaLibertadoresSul-Americana

[Vídeo] River x Atlético Nacional já decidiram semi de Libertadores, e com Higuita brilhando muito

A Copa Sul-Americana terá uma final de camisas pesadas. Por mais que os eliminados Boca Juniors e São Paulo tenham mais conquistas continentais, não dá para negar a importância de River Plate e Atlético Nacional. Duas equipes que viveram grandes momentos a partir da segunda metade dos anos 1980 e, embora tenham enfrentado dificuldades recentes, se recuperaram para buscar de novo a supremacia nas Américas – nem que seja em um torneio secundário. Duas histórias que engrandecem a decisão.

RIVER X BOCA: Olha como estádio fica empolgante quando tem torcida de verdade nas arquibancadas

E o passado de River e Nacional tem muito a dizer. Afinal, foram quatro confrontos pelos torneios continentais entre 1995 e 2000. Dois pela Libertadores e dois pela extinta Supercopa. O mais marcante, justamente o primeiro, quando colombianos e argentinos se enfrentaram por uma vaga na final da Libertadores. Os Millonarios contavam com um timaço, que ficou com a taça no ano seguinte. Porém, daquela vez, os Verdolagas é que se deram melhor, chegando a sua segunda decisão no torneio em um intervalo de seis anos.

O protagonista daqueles duelos foi ninguém menos que René Higuita, ídolo incontestável do Atlético Nacional. Na partida de ida, em Medellín, o goleiro brilhou ao anotar um golaço de falta para vencer o Germán Burgos e garantir o triunfo por 1 a 0 sobre o esquadrão de Ramón Diáz. Já no Monumental de Núñez, muita pressão do River Plate, que deu o troco com o placar de 1 a 0, gol de Gabriel Amato. Decisão nos pênaltis, em que Higuita cobrou o seu penal com cavadinha e defendeu o chute de Matías Almeyda, o Atlético Nacional se classificou com o triunfo por 8 a 7. Porém, o Grêmio se deu melhor na final, batendo os Verdolagas e conquistando o seu segundo título da Libertadores.

Além de Higuita, entre os nomes de peso do Atlético Nacional estavam Victor Aristizábal, Juan Pablo Ángel e Maurício Serna. Do outro lado, o River Plate tinha também Ariel Ortega, Leonardo Astrada, Celso Ayala e Enzo Francescoli – que ficou de fora daqueles dois jogos. E quem abriu a série de penais para os Millonarios foi justamente Marcelo Gallardo, que agora comanda a equipe na revanche contra os colombianos. Terá mais sorte desta vez?

Abaixo, dois vídeos: o golaço de Higuita e o jogo decisivo no Monumental.

Mostrar mais

Leandro Stein

É completamente viciado em futebol, e não só no que acontece no limite das quatro linhas. Sua paixão é justamente sobre como um mero jogo tem tanta capacidade de transformar a sociedade. Formado pela USP, também foi editor do Olheiros e redator da revista Invicto, além de colaborar com diversas revistas. Escreve na Trivela desde abril de 2010 e faz parte da redação fixa desde setembro de 2011.

Conteúdos relacionados

Botão Voltar ao topo