América do Sul

Se você quer imitar Daniel San, não faça isso num jogo de futebol

O futebol peruano é mesmo fascinante. Imagine só que o goleiro de um dos times quase deixou um rival paraplégico com uma voadora e cometeu pênalti, não foi expulso, eventualmente pegou o chute e só foi mandado embora do jogo por causa de um empurrão. Pois é, o que parece mais uma crônica de Luís Fernando Veríssimo, com os dramas e as ironias cotidianas, virou realidade em San Martín de Porres, uma província localizada em Lima, no Peru.

Durante uma partida no sábado, o Pacífico recebeu o Unión Comercio do goleiro Juan Flores, um verdadeiro fanfarrão do esporte. Pois Flores resolveu chamar a atenção e causou o maior rebuliço na meta do Unión, visitante no estádio Iván Elías Moreno. Não com uma defesa plástica, um frango inacreditável ou com um gol de cabeça nos minutos finais. Não, não, o rapaz resolveu cavar uma vaguinha no time da penitenciária local com algo muito próximo de uma tentativa de homicídio.

Flores cometeu pênalti em Andrés Mendoza, camisa 10 do Pacífico. E com uma voadora mortal, técnica desenvolvida por Daniel San na franquia “Karate Kid”. Porém, Mestre Miyagi não ficaria tão orgulhoso com o objetivo do arqueiro, que por coincidência também usava uma bandana. Juan acertou em cheio a cabeça de Mendoza, que foi ao solo sem entender muito bem o que aconteceu.

A justiça parecia não existir quando o arqueiro não levou o cartão vermelho, medida mais do que necessária no lance. Pior ainda foi quando ele agarrou o pênalti cobrado e certamente indignou a comissão técnica do Pacífico, que com o perdão do trocadilho, não fugiu à virtude de seu nome. O placar estava empatado em 1 a 1 quando no segundo tempo, nova confusão. Reclamando de uma falta, os atletas do time da casa discutiam com o juiz quando viram a aproximação de um dos jogadores oponentes. Adivinha só quem era?

Ele de novo: Juan Flores, o baderneiro de bandana. Desta vez, trocou empurrões com um dos jogadores do outro time e levou o cartão vermelho, que veio atrasadíssimo. Engraçado o árbitro ter tirado o rapaz de campo apenas por um empurrão, e não pela atrocidade no primeiro tempo. O resultado final foi 1 a 1, para a alegria do Unión, que mesmo com as desventuras na casa alheia, saíram com um pontinho na bagagem.

Confira abaixo os “melhores momentos” da partida pelo Campeonato peruano, coisa de louco:

Mostrar mais

Felipe Portes

Felipe Portes é editor-chefe da Revista Relvado, zagueiro ocasional, ex-jornalista, cruyffista irremediável e desenhista em Instagram.com/draw.portes

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo