América do Sul

Gigante (d)esperto

Fazia algum tempo que a hinchada Carbonera não tinha um motivo para celebrar além do já conhecido amor incondicional pelo Peñarol. Desde a final da Libertadores de 2011, quando os Manyas foram derrotados pelo Santos, o clube de Montevidéu não chegava sequer a um bom momento dentro de campo, quanto mais a um título. No fim de semana a história mudou. Ou melhor… Voltou a ser como era: com conquistas.

A vitória por 2 a 0 sobre o Juventud de Las Piedras no estádio Centenário garantiu ao Peñarol a taça do Apertura 2012 com uma rodada de antecedência. O torneio não vale como um título nacional, mas garante aos aurinegros o direito de lutar pela decisão da temporada. O clube enfrentará o ganhador do Clausura em uma semifinal e então disputará a taça com o melhor pontuador do ano.

Foi uma vitória – guardadas as devidas proporções – redentora. Afinal de contas, após a decisão continental de 2011, o desmanche do time e a saída do técnico e ídolo Diego Aguirre levaram os Manyas a uma série de resultados abaixo das expectativas. Depois de ficar na terceira posição do Apertura 2011, já com o técnico Gregório Perez, o Peñarol foi vítima de duas derrotas na Libertadores: 1 a 0 para o Godoy Cruz na Argentina e o doloroso 4 a 0 para o Atlético Nacional no Uruguai. A eliminação do torneio continental, que naquele momento era quase confirmada, foi o gatilho para a saída de Pérez e a chegada de Jorge “Polilla” da Silva.

Após a queda na Libertadores, o treinador obteve alguns avanços, mas só conseguiu deixar o clube na quarta posição no Clausura 2012. Foi a constatação de um fato nada agradável para os fãs e entusiastas da equipe Carbonera: o Peñarol não estava à altura do Nacional e do Defensor Sporting. A campanha insossa e a conquista do 44º título do maior rival – o segundo consecutivo – fez com que a diretoria abrisse os olhos e reforçasse o time.

Para o segundo semestre de 2012 Polilla foi mantido no cargo e, desta vez, recebeu jogadores. Não foram tantos assim, é verdade, mas a chegada do zagueiro Macaluso, do meiocampista Grossmüller e, principalmente, do atacante Juan Manuel Olivera representaram metade do caminho para que o Peñarol deixasse de ser mais um e se tornasse O time do Uruguai. A outra metade deve ser creditada ao treinador. Com o elenco nas mãos e conhecimento suficiente das peças à disposição, Polilla passou a dar chances a nomes que antes não tinham muito espaço, como o goleiro Lerda,  que ganhou a confiança do treinador para ocupar a meta de um time em que nem o experiente Carini deu conta do recado, o defensor Raguso, que veio da base, o volante Novick e os meias Zambrana e Nicolini, todos marginalizados no elenco.

Dentro de campo as quase imutáveis duas linhas de quatro que acompanharam os Carboneros por todo 2011 e parte deste ano deram lugar a um sistema mais inteligente: um misto de 4-3-3 e 4-4-2. No gol, Lerda e Bologna se alternaram com a camisa titular devido à lesão do segundo. Na defesa, Álvez, Raguso, Alejandro González, Dario González e Macaluso se revezaram para compor a linha de quatro. No meio, Novick foi o homem da marcação implacável, com Zambrana, Grossmüller, Aureliano Torres e Nicolini se alternando nas duas vagas restantes.

Na frente, “Lolo” Estoyanoff cumpriu papel exemplar compondo três atacantes ou a linha de meias com maestria, enquanto o experiente e habilidoso Marcelo Zalayeta se sacrificou na função de segundo atacante para permitir o brilho de Juan Manuel Oliveira. O centroavante de 1,91 m, tal qual na Libertadores de 2011, foi novamente essencial, desta vez para a conquista do Peñarol. Oliveira anotou 12 gols em 14 partidas até aqui e foi considerado o nome do campeonato.

A expectativa para o segundo semestre é de que os Carboneros mantenham o bom momento e o bom time. Sem grandes ameaças da janela de transferências e com a equipe ajeitada dentro de campo, o Peñarol tem grandes chances de repetir a dose no Apertura 2013 e fazer uma campanha ao menos digna de sua história na Libertadores. Os preceitos para isso não são difíceis, mas uma vez mais se provam essenciais: jogadores experientes, apostas com potencial e trabalho de longo prazo com um treinador. Simples não?

Mais uruguaias

Com o título resolvido, a última rodada do Apertura servirá apenas para as equipes somarem pontos pensando na tabela cumulada e no rebaixamento. Lá em cima o Defensor Sporting e o Nacional têm 29 pontos contra 33 do Peñarol. Na parte inferior o Danubio fez apenas oito pontos em 14 rodadas e, apesar de não correr risco nesta temporada, já precisa ficar de olho para encerrar a sequência ruim no campeonato 2013-14.

Venezuelanas

– Habemus campeão no Uruguai e também na Venezuela. Ratificando a boa fase, o Deportivo Anzoátegui venceu o Real Esppor por 1 a 0 e faturou o Apertura com uma rodada de antecedência. O Caracas venceu o Monagas por 2 a 1 e confirmou o vice-campeonato com 35 pontos contra 31 do Deportivo Lara. Um texto sobre o novo campeão venezuelano, que estará na Libertadores 2013 e também na 2014, pode ser encontrado aqui.

– O Deportivo Lara, que é o atual campeão da temporada, enfim parece ter acertado seus débitos com jogadores e comissão técnica. Após o clube quase fechar as portas, os salários de setembro e outubro foram quitados nesta quinta-feira e a expectativa é de que tudo esteja em dia até semana que vem.

Chilenas

– No Chile a Unión Española de José Sierra saiu na frente na decisão do Clausura. Os hispânicos tomaram um gol no início do jogo, mas viraram para 3 a 1 contra o Huachipato e podem perder por 1 a 0 neste domingo fora de casa que ainda serão campeões.

– A semana também foi marcada pela apresentação oficial de Jorge Sampaoli como novo comandante da seleção chilena. Na coletiva de imprensa o argentino abriu as portas para a volta de jogadores como Johnny Herrera, Valdívia e David Pizarro, que não vinham sendo convocados por Cláudio Borghi. Sampaoli também confirmou que sua equipe jogará nos moldes de La U, procurando o gol e pressionando o adversário.

– Ainda não há conversas avançadas para um substituto na Universidad de Chile, mas a mídia do país cogita uma oferta para Ricardo Gareca, campeão com o Vélez.

Peruanas

Campeonato próximo do fim também no Peru. Atuando fora de casa, o Sporting Cristal fez 1 a 0 no Real Garcilaso e joga pelo empate em Lima. Se houver vitória do Garcilaso por qualquer placar, os dois times se enfrentarão uma terceira vez, na casa do Cristal, que foi o melhor na fase de todos contra todos.

Bolivianas

Na Bolívia o The Strongest venceu o Blooming por 4 a 2 e está muito perto do tricampeonato. Faltando duas rodadas, o Tigre tem 43 pontos em 20 jogos contra 37 do San José, que ficou no 3 a 3 com o Jorge Wilstermann.

Colombianas

– Na Colômbia o Millonarios se recuperou da eliminação na Sul-Americana e só depende dele mesmo para chegar à final do Finalización. A equipe azul venceu o Tolima por 2 a 1 e precisa de uma vitória contra o Junior para seguir adiante. O desafiante pela vaga é o Pasto, que tem a mesma pontuação e que joga contra o já eliminado Tolima.

– Na Liguilla B o clássico entre Independiente e Atlético de Medellín terminou empatado por 1 a 1, enquanto o Itagüí bateu La Equidad por 2 a 1. Desta maneira os quatro clubes têm chances de classificação: o Independiente tem oito pontos, Itagüí e Nacional têm sete e La Equidad tem seis. Na última rodada o Nacional pega La Equidad e o Itagüí enfrenta o Independiente.

Paraguaias

– No Clausura paraguaio Libertad e Nacional pularam à frente do Guarani, mas a disputa pelo título segue acirrada. O Libertad venceu o Independiente por 5 a 0 e chegou a 41 pontos, mesma pontuação do Nacional, que fez 1 a 0 no Rubio Ñu. O Guaraní, por sua vez, ficou no 1 a 1 com o Sol de América e tem agora 40 pontos.

– Faltam duas rodadas para o fim do campeonato.

Equatorianas

– Com o título equatoriano já decidido, a última rodada do Segunda Etapa serviu apenas para a definição do segundo rebaixado e do terceiro classificado para a Libertadores.

– O El Nacional venceu o Técnico Universitario por 3 a 1 e rebaixou o adversário. Lá em cima, a LDU ganhou do Manta por 1 a 0 e garantiu lugar na Libertadores. Resta saber quem entra direto na fase de grupos e quem vai para a primeira etapa do torneio continental. Para isso a LDU enfrentará o Emelec em dois jogos. O vencedor vai para as chaves.

Mais deste colunista no blog www.dynamodudziak.blogspot.com e no @gabrieldudziak

Mostrar mais

Conteúdos relacionados

Botão Voltar ao topo