Lionel Messi e Gonzalo Higuaín podem ser rivais em La Liga, mas formam uma dupla afinadíssima na seleção argentina. O blaugrana e o merengue protagonizaram a revanche contra a Venezuela, única seleção a bater a Albiceleste nas eliminatórias. Sobrando em campo, os argentinos anotaram 3 a 0 no Monumental de Núñez, com um gol e duas assistências do camisa 10, ambas para o camisa 9 arrematar.

O triunfo isola ainda mais a Argentina na liderança do qualificatório. O time chega aos 23 pontos, quatro a mais que a , mas com uma partida a mais que os cafeteros. Além disso, os argentinos chegam à 13ª partida de invencibilidade, com dez vitórias e três empates. Já a Venezuela aparece em quinto na tabela, com 12 pontos.

Por conta das lesões de Sergio Agüero e Ángel Di María, Alejandro Sabella escalou a Argentina com algumas novidades no setor ofensivo. Montillo e Ezequiel Lavezzi atuaram abertos pelas pontas no esquema 4-2-3-1, enquanto Gonzalo Higuaín vinha como referência no ataque. Já Lionel Messi vinha centralizado na armação.

Quando a bola começou a rolar, a Albiceleste não demorou a impor sua superioridade técnica. A equipe abria bem seu jogo no campo ofensivo, trabalhando a posse de bola, enquanto os venezuelanos se fechavam na entrada da área. Lionel Messi era quem mais aparecia, obrigando o goleiro Daniel Hernández a fazer boas defesas nos primeiros minutos.

O gol que abriu o veio aos 28, com Higuaín. Em boa trama ofensiva, Montillo passou para Messi e o camisa 10 precisou de um toque para deixar na cara do gol o centroavante, que não perdoou. Mantendo a pressão, o segundo gol saiu aos 44, graças a pênalti controverso, no qual o interpretou toque de mão de Gabriel Cichero. Messi, que não havia parado no lance, foi para a cobrança e não desperdiçou.

Na volta do intervalo, a Venezuela passou a sair um pouco mais para o jogo, ameaçando a meta de Sergio Romero. A primeira finalização da Vino Tinto na partida veio aos 12 minutos, com Cichero arrematando a centímetros do travessão. Contudo, a genialidade de Messi pesaria a favor da Argentina logo no minuto seguinte. O camisa 10 arrancou da intermediária e deu outro passe açucarado para Higuaín marcar. Foi o nono gol do camisa 9 nas eliminatórias, artilheiro da competição.

Depois do tento, os argentinos tiraram o pé do acelerador, dando mais espaço para os venezuelanos. Rômulo Otero teve duas boas chances de descontar, mas desperdiçou ambas. Já na Albiceleste, Sabella deu descanso a alguns de seus principais jogadores, mandando a campo Éver Banega, Rodrigo Palacio e Maxi Rodríguez. Messi ainda poderia ter feito mais um, mas pegou mal na bola e o placar permaneceu inalterado.

Atualizado à 1h15

No complemento da rodada, o Chile perdeu a chance de entrar na zona de classificação à Copa do Mundo ao cair diante do Peru por 1 a 0. A Roja dominou a posse de bola e teve as melhores chances de gol durante a partida no Estádio Nacional de Lima. Contudo, os visitantes partiram desesperadamente para o ataque no fim e deram a brecha para que Jefferson Farfán marcasse o gol da vitória aos 42 minutos do segundo tempo, aproveitando rebote de Claudio Bravo.

Com o tropeço, os chilenos caem para a sexta colocação na tabela, com os mesmos 12 pontos da Venezuela, mas em desvantagem no saldo de gols. Já o Peru se aproxima da briga pelas duas últimas vagas, aparecendo na sétima posição, com 11 pontos.