Argentina

Argentina deve aumentar liga para 30 clubes e seguir calendário europeu em 2016

A Argentina deve sacramentar nesta terça-feira uma mudança importante na sua liga. Por pressão do governo e por desespero da AFA, o comitê executivo da entidade deve aprovar a mudança do Campeonato Argentino com o inchaço para 30 clubes. A liga será disputada de fevereiro a dezembro e, assim, a entidade receberá mais dinheiro do governo para o Fútbol Para Todos. Algo fundamental, porque a entidade está correndo sérios riscos de ter pela primeira vez prejuízo em sua operação financeira.

FESTA: Se o Racing acabar campeão, o show de sua torcida contra o River terá um peso enorme
BRIGA POLÍTICA: Governo argentino aumenta dinheiro de TV para impedir que opositor assuma a AFA
URUGUAI: Zagueiro, poeta e militante: ‘Paulo André uruguaio’ quer mudar o futebol no país de Mujica

A aprovação desse formato inchado do Campeonato Argentino permitirá um aumento nas receitas de TV. Isso porque o governo perdoará um adiantamento de 220 milhões de pesos argentinos relativos à temporada 2014. Na prática, significa que pagará novamente esses 220 milhões em 2015, aumentando o total de direitos de TV para 1,195 bilhão de pesos, a ser dividido entre os clubes. A AFA, sozinha, receberá 80 milhões de pesos, que irão cobrir os cheques que a entidade deu aos clubes como adiantamento.

Com a aprovação do novo formato com 30 clubes, o campeonato irá começar em fevereiro e terminará em dezembro, com dois rebaixados e dois promovidos. O formato, porém, só será assim em 2015. Em 2016,haverá o torneio transição, que irá durar de fevereiro a junho. A partir de agosto de 2016, a Argentina passará a seguir o calendário europeu, com a temporada de agosto até junho de 2017. Para voltar a ter um número razoável de times na primeira divisão, e não essa aberração de 30 clubes, quatro times serão rebaixados e só dois serão promovidos.

Ainda há dúvidas sobre como serão pagos os direitos de TV dos 10 clubes promovidos para o torneio de 2015. Está descartada a possibilidade de receberem os 3,5 milhões como na B Nacional (a segunda divisão argentina), então o dinheiro deve ser usado dos direitos de transmissão internacional, recebidos da Troneos y Competencias, que vende, por exemplo, para o Brasil, onde o Fox Sports transmite a liga e a ESPN Brasil mostra a Copa Argentina. Esse dinheiro seria de cerca de 50 milhões de pesos por ano, somando todos os países que compram o campeonato no exterior.

A Argentina parece viver às custas da incompetência dos seus dirigentes. Como era na época de Julio Grondona, seguem com o chapéu nas mãos pedindo mais dinheiro para não quebrarem, mesmo com o dinheiro só aumentando. A diferença é que Grondona pedia à Torneos y Competencias, empresa privada que tinha os direitos de transmissão no país. Agora, a AFA e os clubes fazem o mesmo com o governo argentino, que é quem financia o Fútbol Para Todos. O dinheiro muda de origem, mas a incompetência de quem administra o futebol é a mesma. Infelizmente, não é muito diferente do que vemos no Brasil, onde o dinheiro de TV continua aumentando, mas a incompetência dos dirigentes continua levando os clubes para o buraco – e agora pedindo também perdão das dívidas fiscais ao governo.

Mostrar mais

Felipe Lobo

Formado em Comunicação e Multimeios na PUC-SP e Jornalismo pela USP, encontrou no jornalismo a melhor forma de unir duas paixões: futebol e escrever. Acha que é um grande técnico no Football Manager e se apaixonou por futebol italiano (Forza Inter!) desde as transmissões da Band. Saiu da posição de leitor para trabalhar na Trivela em 2009.

Conteúdos relacionados

Botão Voltar ao topo