Argentina

A festa do título do Boca Juniors rendeu uma coleção de cenas definitivamente épicas

O Boca Juniors precisou iniciar as comemorações de seu 32° título argentino longe da torcida. Quando a conquista se consumou na última terça, a equipe ainda estava no hotel se preparando para o confronto com o Olimpo, fora de casa, no dia seguinte. Os xeneizes jogaram, voltaram para Buenos Aires e, enfim neste domingo, celebraram mais uma estrela em seu escudo. Difícil encontrar uma festa mais bem elaborada. Rendeu belíssimas cenas em azul y oro.

VEJA TAMBÉM: Boca Juniors se coroa no Argentino como um campeão incontestável

O show começou desde o recebimento. Enquanto a Bombonera cantava a plenos pulmões, o capitão Fernando Gago recebeu de um drone a 66ª estrela, que representará no distintivo o total de títulos do clube. Obviamente, quando a bola começou a rolar, as arquibancadas balançaram no ritmo de sua torcida. A vitória por 2 a 1 sobre a Unión Santa Fé, com dois gols do artilheiro Darío Benedetto, serviu para embalar a galera. Depois do jogo, os refletores se apagaram, com o estádio inteiro iluminado apenas pelas luzes dos celulares. Revelou-se, então, um relógio digital para contar as horas sem rebaixamentos dos xeneizes, em nova provocação ao River Plate, assim como as 66 estrelas cintilantes deram a volta olímpica no campo.

Na entrega da taça, uma massiva invasão de campo. E é interessante notar também como são resistentes as traves da Bombonera. Diversos jogadores xeneizes se penduraram no travessão, diante das arquibancadas. Depois, saíram em desfile pelas ruas de Buenos Aires, acompanhados por milhares de torcedores. Festa digna para demonstrar, mais do que a grandeza da conquista, a grandeza do Boca Juniors.

Mostrar mais

Leandro Stein

É completamente viciado em futebol, e não só no que acontece no limite das quatro linhas. Sua paixão é justamente sobre como um mero jogo tem tanta capacidade de transformar a sociedade. Formado pela USP, também foi editor do Olheiros e redator da revista Invicto, além de colaborar com diversas revistas. Escreve na Trivela desde abril de 2010 e faz parte da redação fixa desde setembro de 2011.

Conteúdos relacionados

Botão Voltar ao topo