Álvaro Morata voltou à Espanha. O Atlético de Madrid anunciou nesta segunda-feira a contratação do atacante, por empréstimo inicial de um ano e meio e com opção de compra junto ao Chelsea. É uma aposta para os dois lados. Para o Atlético de Madrid, a contratação de um jogador que não conseguiu se provar como um titular confiável no Chelsea e foi melhor como um jogador de elenco na Juventus e Real Madrid. Para Morata, é a aposta em voltar a um ambiente que conhece melhor, a Espanha, mas sob um técnico que exige muito, talvez mais até do que Maurizio Sarri, o comandante no Chelsea, e ser o centroavante que se espera. Os dois lados precisam disso.

LEIA TAMBÉM: Higuaín chega para tentar resolver problema da camisa 9 no Chelsea e recuperar seu futebol

 

Com isso, Morata coloca um fim a sua passagem pelo Chelsea, um ano e meio depois da sua chegada. O jogador, de 26 anos, chegou a Londres contratado junto ao Real Madrid por € 66 milhões em julho de 2017. Fez 72 jogos pelos Blues, marcou 24 gols e deixa a equipe com a sensação de não ter chegado nem perto de atingir a expectativa mínima sobre ele, que fosse um centroavante confiável para o time que tem Roman Abramovich como dono.

Depois de vestir a camisa 9 na temporada 2017/18, pediu para mudar para a 29, por superstição – há quem diga que pela maldição da camisa 9, por seus integrantes normalmente falharem no clube. No começo do mês de janeiro, pediu ao técnico Maurizio Sarri para ser negociado, como o próprio treinador revelou em entrevista na última semana. Faltava encontrar um substituto e este nome foi Gonzalo Higuaín, que inclusive já estreou no fim de semana na Copa da Inglaterra.

Morata chegou a jogar nas categorias de base do Atlético de Madrid, antes de migrar para o rival de cidade, Real Madrid. Por quatro anos, foi jogador das categorias de base do Atlético, atuando pelo Cadete B (sub-15). Nessa categoria, jogou com Koke, que se tornou um dos principais jogadores do rojiblanco. Saiu do Atlético de Madrid em 2007, foi para o Getafe e depois para o Real Madrid, em 2008, onde ficou até se profissionalizar na temporada 2010/11, sob o comando de Mourinho.

Sempre como reserva, Morata se transferiu para a Juventus em 2014. Foi importante por duas temporadas pelo clube de Turim, com 93 jogos e 27 gols e participação importante na campanha dos bianconeri rumo à final da Champions League de 2014/15. Na semifinal, aliás, foi dele o gol que eliminou o Real Madrid. Na final, porém, o time acabou derrotado pelo Barcelona.

Voltaria ao Real Madrid em 2016, com o clube merengue ativando a cláusula de recompra por € 30 milhões (tinha vendido por € 20 milhões dois anos antes). Novamente, no Real Madrid foi apenas um reserva, ainda que um reserva bastante importante especialmente na conquista do Campeonato Espanhol em 2016/17. Queria jogar mais e, assim, novamente saiu do clube, desta vez rumo ao Chelsea. Sem conseguir brilhar, acerta o retorno à Espanha, ao clube que defendeu na base, para tentar retomar o bom futebol que fazia muita gente questionar se ele não deveria ser o titular no lugar de Karim Benzema, na época de Real Madrid.

Álvaro Morata vestirá a camisa 22 no Atlético de Madrid (Foto: reprodução)

O desenlace da contratação de Morata se deu com a chegada de Gonzalo Higuaín ao Chelsea. Havia opção de Morata ir para o Milan, como uma contrapartida. O Sevilla também gostaria de contar com o jogador, assim como se especulou uma ida ao Barcelona, para que ele fosse o reserva de Luis Suárez e retomar o que era no Real Madrid, um reserva do time principal. Talvez até por isso ele tenha optado por outro caminho. Só que será que no Atlético de Madrid de Diego Simeone será muito diferente, considerando que o clube tem Diego Costa, em tese?

“Estou muito contente e orgulhoso de estar aqui. Não vejo a hora de treinar, estar com os companheiros e jogar”, disse Morata. “As pessoas que sempre estiveram comigo sabem como me sinto hoje, como tem sido os últimos dias. É normal que as pessoas tenham os seus pensamentos, sei o que posso fazer. Comecei jogando no Atleti, as pessoas que sabem de onde venho sabem a minha história, o que significa para mim isso. O passado é o passado, estou orgulhoso disso”, afirmou o jogador ao chegar em Madri.

Morata tem até 2020 para provar ao Atlético de Madrid que ele é uma boa escolha. Há especulações sobre a saída de Diego Costa, que está fora do time por uma cirurgia no pé desde o final de novembro. O atacante hispano-brasileiro tem sofrido por lesões nesta temporada e tem perdido espaço também na seleção espanhola. Agora, a concorrência será interna, no clube. Com a chegada de Morata, Nikola Kalinic está disponível e deve deixar o clube. Emprestado pelo Milan, o croata não conseguiu agradar na sua passagem no clube, desde agosto de 2018.

O Atlético de Madrid é uma ótima chance para Morata mostrar que pode ser mais que um reserva. Também é uma oportunidade para o Atlético conseguir um atacante com fome de mostrar serviço, com um técnico que sabe fazer isso com os jogadores.


Os comentários estão desativados.