Sem clube desde o fim da temporada passada, quando deixou a Juventus, Massimiliano Allegri espera voltar a trabalhar já em junho, logo após o fim da atual campanha europeia. Em entrevista ao L’Équipe, o hexacampeão italiano, cinco vezes pela Juventus e uma pelo Milan, falou sobre sua vida neste ano sabático, analisou a reta final da Champions League e falou com empolgação sobre os jovens jogadores que têm surgido para a sucessão do reinado de Messi e Cristiano Ronaldo.

Allegri revelou que tem aproveitado o período longe do futebol sobretudo para passar tempo com a mulher, os filhos e os amigos e também para explorar algumas de suas paixões, como o esqui, o tênis e cuidar de seus cavalos. Viu também um jogo de basquete em Milão, e de vez em quando ainda assiste a futebol “para ver se ainda estou lúcido”. Durante os confrontos de oitavas de final da Champions League nesta semana, no entanto, tinha outras prioridades.

“Não vi o Dortmund x PSG, cheguei tarde a Milão. Eu estava no restaurante, e eles estavam transmitindo Atlético de Madrid e Liverpool, e eu não vi quase nada”, contou. Porém, isso vai mudar em breve.

“A partir das quartas de final, vou começar a seguir a Liga dos Campeões, porque espero encontrar um clube em junho. Estou me habituando a não fazer nada. Mas é preciso voltar logo antes que a parada (na carreira) seja definitiva.”

Por falar em Champions League, Allegri não vê um claro favorito para levar o troféu nesta temporada, como no passado houve o “Real Madrid e o Barcelona”, por exemplo. O treinador aponta que resta ainda um mês para as quartas de final, e que muita coisa pode mudar neste intervalo. “Veremos daqui a um mês quem estará em boas condições. O Paris Saint-Germain está entre os favoritos, como as outras grandes equipes. Não vejo um favorito claro”, avaliou.

Como hexacampeão da Serie A, Allegri sabe identificar vencedores – e também conhece bem a receita para ser um. Mais do que técnica ou inteligência tática, o técnico considera a força mental o diferencial entre um campeão e o restante: “É preciso se manter concentrado e querer vencer a Liga dos Campeões, a Bola de Ouro, é isso que faz a diferença. E ninguém te dá de mãos beijadas esses troféus. Você os ganha no campo, trabalhando todos os dias”.

Com isso em mente, o italiano já começa a projetar as estrelas do futuro, os herdeiros dos tronos de Cristiano Ronaldo e Lionel Messi como futuros vencedores do prêmio de melhor do mundo, incluindo na relação dois brasileiros. “Acho que tem uma mudança geracional. Quando os veteranos Cristiano Ronaldo e Messi pararem, jogadores jovens muito bons vão se tornar muito importantes: Neymar, Mbappé, Dybala, Haaland, do Borussia Dortmund, e Sancho, que são muito bons jogadores. E Valverde e Vinícius Júnior, do Real Madrid.”

Especialmente no caso de Mbappé, Haaland, Sancho e Vinícius Júnior, a constatação de Allegri faz saltar os olhos para o quão mais cedo os atletas estão estourando no futebol mundial. Especialmente nos casos de Mbappé, Haaland e Sancho, a impressão é de que já temos um produto pronto – o que por sua vez aumenta ainda mais as expectativas sobre o que poderão oferecer uma vez que estejam mais desenvolvidos.