Alemanha

Klose sobre o atacante moderno: “Habilidade aérea e um sólido pé direito não são mais suficientes”

Miroslav Klose aposentou-se, em 2016, e vem trabalhando como assistente do setor ofensivo da seleção alemã sob o comando do treinador Joachim Löw. O maior artilheiro das Copas do Mundo prepara-se para disputar mais uma edição do torneio, agora no banco de reservas, com um novo olhar. Especialista da posição, disse em entrevista ao site da Fifa qual estilo de jogador considera o atacante ideal.

LEIA MAIS: Bem-vindo, Klose: 15 anos do dia em que o maior artilheiro das Copas eclodiu no Japão

“Pessoalmente, eu sempre acho que jogadores como Diego Forlán são fantásticos. Ele era o atacante completo, e isso é muito importante hoje em dia. Lewandowski, por exemplo, tem algo especial, um pouco de tudo e um grande cardápio de forças. Você constantemente precisa se adaptar porque pode enfrentar três, quatro ou cinco jogadores atrás. Isso significa que sempre tem que jogar de maneira um pouco diferente e ter muitas qualidades diferentes para ser imprevisível. Habilidade aérea e um sólido pé direito não são mais suficientes”, disse.

Klose marcou seu 16º gol, o que o tornou o maior artilheiro das Copas, superando Ronaldo, na goleada da Alemanha por 7 a 1, contra o Brasil, na semifinal do último torneio. Afirmou que a ocasião tornou o momento ainda mais especial e que nunca imaginou que colocaria tantas bolas na rede no palco máximo do futebol de seleções.

“Foi fantástico. Sempre me perguntam porque eu precisei de duas tentativas para fazer o gol. O goleiro do Brasil fez uma grande defesa na primeira vez, mas o rebote entrou. Foi uma partida muito especial”, disse. “Eu não me vejo como um ícone, mas (o recorde) é definitivamente incrível. Fazer 16 gols na Copa do Mundo é algo que eu geralmente só sonhava”.

O ex-jogador não acredita que será recordista de gols em Copas do Mundo para sempre. O mais próximo da sua marca em atividade é o compatriota Thomas Müller, seis gols atrás. “Há alguns jogadores fantásticos por aí, então acho que existe uma boa chance de que o recorde será quebrado algum dia, mas vou apenas esperar e ver o que acontece. Não vou ressentir ninguém por conseguir isso. Não sou alguém que se apega aos recordes”, encerrou.

Mostrar mais

Bruno Bonsanti

Como todo aluno da Cásper Líbero que se preze, passou por Rádio Gazeta, Gazeta Esportiva e Portal Terra antes de aterrissar no site que sempre gostou de ler (acredite, ele está falando da Trivela). Acredita que o futebol tem uma capacidade única de causar alegria e tristeza nas mesmas proporções, o que sempre sentiu na pele com os times para os quais torce.

Conteúdos relacionados

Botão Voltar ao topo