AlemanhaBundesliga

Já imaginou ganhar a vida jogando Fifa bancado por um clube? Este inglês conseguiu

Os eSports, competições profissionais de videogames, têm crescido a cada ano, e jogos como League of Legends têm tido cobertura de evento esportivo gigantesco, com premiações que alcançam as casas dos milhões. No caso da série Fifa, da EA Sports, o dinheiro não chega a esse patamar, mas o crescimento de importância da competição é inegável. Tanto é que, pelo segundo ano seguido, o Wolfsburg foi atrás de um jogador profissional de Fifa para fortalecer sua equipe de eSports, criada em maio de 2015.

VEJA TAMBÉM: Por pouco Wendell Lira não teve a chance de voltar a mais uma festa de gala da Fifa

O inglês David “Bytheway”, de 22 anos, assinou com os Lobos no mês passado e, em entrevisdta à BBC, afirmou acreditar que o time da Bundesliga está abrindo um precedente muito forte, que muito provavelmente será seguido por outras equipes europeias. “Os eSports estão crescendo muito a cada ano, com todos os espectadores que têm gerado. O Wolfsburg viu o potencial e então quer ser o primeiro a fazer isso”, avaliou David. Para o garoto, hoje não é possível avaliar seu acordo com o clube alemão como histórico, mas, dentro de alguns anos, este momento poderá ser observado como o início de algo grandioso: “Em cinco anos, quando olhar para trás, para isso, pensaremos: ‘Nossa, eles realmente começaram algo ali’”.

David “Bytheway” participa profissionalmente de torneios de Fifa desde os 17 anos, e essa é a primeira vez que assina com algum clube. No ano passado, o rapaz representou a Inglaterra na Fifa Interactive World Cup e, nos cinco anos em que joga o simulador virtual como profissional, já esteve a diversas outras cidades para competições, entre elas Nova York, Las Vegas e Rio de Janeiro. Uma trajetória que se torna ainda mais especial a partir de agora.

“É absolutamente enorme para mim o fato de que um time como o Wolfsburg tenha se envolvido com jogos. Para começar, era apenas algo que eu fazia em casa, e, de repente, sou parte de um clube de futebol”, comparou o inglês, que também explicou sua rotina de preparação: “Eu não chamaria de um calendário de treinos, mas eu sempre tento jogar pelo menos de quatro a seis jogos por dia. Você precisa jogar com pessoas do seu nível, mas não contra muitas pessoas, senão você entrega seus segredos. Então você se apega a enfrentar um ou dois e fica esperando eles ficarem online”.

No Wolfsburg, David será o segundo jogador profissional de Fifa a fazer parte da equipe de eSports dos Lobos. Em maio, o clube contratou outros dois jogadores, que representaram o time em uma competição oficial local de Fifa, em que os participantes defendiam apenas equipes da Bundesliga. Desta vez, com a contratação do inglês, mostram querer expandir seus planos, e o caminho observado pelos alemães não é único. Na Turquia, o Besiktas, por exemplo, conta com seu time de League of Legends, enquanto no Brasil o Santos viu a possibilidade de se aproximar ainda mais do público jovem, criando também sua equipe de eSports, com jogadores em diversos games, como LoL, Battlefield, Counter-Strike e Crossfire.

O crescimento constante desta categoria indica que, de fato, o Wolfsburg esteja acertando em sua aposta e, quem sabe, sendo um dos pioneiros em algo que tem condições de se estabelecer em breve. A maneira como a série Fifa tem se relacionado com futebol só tem crescido nos últimos anos, ganhado relevância dentro do esporte, sobretudo pela influência que o game teve na infância e adolescência de jogadores que hoje estão defendendo clubes por todo o mundo. David “Bytheway” espera que os próximos a seguirem a corrente sejam os times da Premier League. Considerando a relevância da competição, que inclusive tem forte parceria com a EA, a impressão é de que, se este momento chegar, é aí que a tendência decolará mesmo.

Mostrar mais

Leo Escudeiro

Apaixonado pela estética em torno do futebol tanto quanto pelo esporte em si. Formado em jornalismo pela Cásper Líbero, com pós-graduação em futebol pela Universidade Trivela (alerta de piada, não temos curso). Respeita o passado do esporte, mas quer é saber do futuro (“interesse eterno pelo futebol moderno!”).

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo