AlemanhaEurocopa

É impressionante a dominância de Toni Kroos a cada partida desta Eurocopa

Eleito o melhor em campo contra Ucrânia, Toni Kroos não recebeu o prêmio novamente diante da Irlanda do Norte. De fato, o meio-campista não teve uma atuação tão boa como as anteriores, em uma tarde na qual a Alemanha pecou nos arremates. Ainda assim, a dominância do camisa 18 impressiona. Se a equipe de Joachim Löw funciona na base do toque de bola e da qualidade técnica, Kroos é a peça mais importante da engrenagem. A organização ofensiva, invariavelmente, passa pelos pés do jogador do Real Madrid. E, neste sentido, a vitória por 1 a 0 contra os norte-irlandeses foi emblemática.

Kroos acertou 121 passes Parc des Princes, com um aproveitamento de 92%. O time inteiro da Irlanda do Norte não foi além de de 110. Sua marca é a segunda melhor da história da Euro (contabilizando desde 1980), atrás apenas dos 127 passes que Xavi completou diante da Irlanda na fase de grupos de 2012. Considerando também os dois primeiros jogos desta edição, o alemão é um dos dois únicos com média superior a 100 passes por partida. Mas supera Granit Xhaka no quesito.

A conexão de Kroos com Khedira, Hector, Hummels e Özil, sobretudo, é o que dita o ritmo da Alemanha. E, ainda que muitos de seus passes sejam para o lado, o camisa 18 permanece como uma das principais fontes criativas do Nationalelf. No time, o volante só aparece atrás de Özil em chances de gol criadas, enquanto está entre os 10 primeiros no fundamento nesta Euro. Na estreia, seu cruzamento para Mustafi mudou a história da partida.

A Alemanha ainda deixa a desejar em alguns aspectos, especialmente pela quantidade de chances perdidas contra a Irlanda do Norte – embora o goleiro McGovern tenha fechado o gol. Contudo, a imposição sobre seus adversários é clara. Algo que diz muito sobre a excelente fase de Toni Kroos. Nos mata-matas, esta capacidade de controlar o tempo e o jogo será fundamental. Ainda que, diante de desafios maiores, o poder de decisão do camisa 18 em suas enfiadas de bola e lançamentos será mais exigido. Como aconteceu na Copa do Mundo de 2014, e ele brilhou, entre os melhores do torneio.

kroos

Mostrar mais

Leandro Stein

É completamente viciado em futebol, e não só no que acontece no limite das quatro linhas. Sua paixão é justamente sobre como um mero jogo tem tanta capacidade de transformar a sociedade. Formado pela USP, também foi editor do Olheiros e redator da revista Invicto, além de colaborar com diversas revistas. Escreve na Trivela desde abril de 2010 e faz parte da redação fixa desde setembro de 2011.

Conteúdos relacionados

Botão Voltar ao topo