Bundesliga

Eintracht Frankfurt terá a primeira olheira mulher da história da Bundesliga

Helena Costa não é estranha ao pioneirismo. Em 2014, foi contratada pelo Clermont para ser a primeira mulher a comandar um time masculino nas duas primeiras divisões de uma grande liga europeia, embora essa experiência tenha sido tão curta quanto desgastante. Nesta segunda-feira, seu novo emprego foi anunciado pelo Eintracht Frankurt: ela se tornará a primeira olheira feminina da história da Bundesliga, confirmado pelo próprio site do Campeonato Alemã.

LEIA MAIS: Vale ver este mini-documentário sobre o Eibar, um clube comandado por mulheres

Costa será a representante do Frankfurt em Portugal na prospecção de novos jogadores, utilizando a extensa rede de contatos que estabeleceu durante seus 13 anos de trabalho nas categorias de base do Benfica. Sua experiência anterior como olheira foi no Celtic, entre 2008 e 2011. Além do Clermont, ela treinou as seleções femininas do Irã e do Catar e equipes femininas de Portugal, como a Sociedade União, com a qual foi campeã portuguesa de 2008.

“Ela tem muito conhecimento sobre futebol e já tem uma vasta experiência no esporte. Queremos olheiros que vivem e conhecem os países onde estamos procurando talento”, afirmou o diretor de futebol do Frankfurt, Fredi Bobic. O time finalista da última Copa da Alemanha tentará reforçar seu elenco com talentos portugueses identificados pela treinadora de 39 anos, que possui a licença A da Uefa, a segunda maior qualificação da entidade europeia. Permite ao profissional treinar na segunda divisão, equipes jovens até sub-18 e times reservas.

Foi com ela que Costa assumiu o comando do Clermont, mas nem chegou a dar um treinamento para os jogadores. Afirmou que a diretoria havia contratado jogadores e organizado amistosos sem o seu conhecimento. Quando questionou o presidente Claude Michy, por e-mail, foi ignorada. Ao insistir, finalmente recebeu uma resposta do dirigente: “Você está me cansando com essas mensagens”. Sua percepção é que foi contratada para ser o “rosto do clube”, sem nenhum poder ou controle. “Houve uma série de eventos que nenhum treinador toleraria e uma total falta de respeito, assim como amadorismo”, afirmou.

Na Bundesliga, deve encontrar um ambiente mais favorável às mulheres, infelizmente ainda raro no mundo machista do futebol. A liga alemã feminina é uma das mais fortes da Europa e há um histórico de pioneirismo. O Bayern de Munique tem Kathleen Krüger nos bastidores, o “coração” do clube, responsável pela maioria das tarefas administrativas. Na próxima temporada, Bibiana Steinhaus será a primeira mulher a apitar jogos da Bundesliga masculina. E, agora, a turma receberá Helena Costa.

Mostrar mais

Bruno Bonsanti

Como todo aluno da Cásper Líbero que se preze, passou por Rádio Gazeta, Gazeta Esportiva e Portal Terra antes de aterrissar no site que sempre gostou de ler (acredite, ele está falando da Trivela). Acredita que o futebol tem uma capacidade única de causar alegria e tristeza nas mesmas proporções, o que sempre sentiu na pele com os times para os quais torce.

Conteúdos relacionados

Botão Voltar ao topo