Bundesliga

Diante de 62 mil, Munique 1860 é rebaixado à terceirona e causa revolta na Allianz Arena

Dono da segunda maior torcida da Baviera e principal rival do Bayern, o Munique 1860 atinge o pior momento de sua história recente. O clube tradicionalíssimo foi rebaixado à terceira divisão do Campeonato Alemão nesta terça. Antepenúltimos da segundona, os Leões tiveram que disputar os playoffs contra o terceiro colocado da terceirona. E viveram uma frustração imensa, após o empate por 1 a 1 fora de casa na ida. Em plena Allianz Arena, com mais de 62 mil torcedores celestes presentes, a equipe acabou derrotada pelo Jahn Regensburg por 2 a 0 e confirmou a sua queda. O resultado gerou enorme revolta nas arquibancadas, provocando a paralisação do jogo por cerca de 15 minutos. Cenas lamentáveis, que aumentaram a melancolia em torno do clube.

VEJA TAMBÉM: Depois de 36 anos, o clube mais dinamarquês da elite alemã ressurge na segundona

Campeão alemão em 1966 e vice da Recopa Europeia uma temporada antes, o Munique 1860 já passou pela terceira divisão em outros momentos de sua história. A última vez que esteve em um degrau tão baixo da pirâmide do futebol alemão foi no início da década de 1990. Contudo, uma guinada naqueles anos, com dois acessos consecutivos, recolocou os Leões em seu último período duradouro na elite, até 2004. Desde então, os bávaros não conseguiram mais sair da segundona. E a tragédia já vinha se prenunciando ao longo das últimas temporadas, com o time flertando o rebaixamento.

A queda não aconteceu em 2014/15 por um milagre. Antepenúltimo na segunda divisão, o Munique 1860 se safou justamente no jogo dos playoffs. Após empatarem com o Holstein Kiel por 0 a 0 na ida, os Leões buscaram a necessária virada após ficarem em desvantagem até os 33 do segundo tempo. O gol salvador saiu nos acréscimos, proporcionando cenas de puro delírio na Allianz Arena. Bem diferente do que aconteceu nesta terça.

Ao longo da atual temporada, aliás, o Munique 1860 até parecia que se manteria ileso. O time atravessou a campanha na parte inferior da tabela, dando uma pequena guinada em meados de março. Contudo, despencou de produção desde abril, com uma vitória nas últimas oito rodadas. Assim, afundou-se rumo aos playoffs. E depois do empate por 1 a 1 na ida com o Jahn Regensburg, resultado razoável fora de casa, a confiança aumentou para o reencontro na Baviera. O que ninguém esperava é que os celestes teriam um gol anulado logo nos primeiros minutos, além de permitirem dois tentos dos adversários antes do intervalo. Então, o milagre só aconteceria com a virada.

O passar dos minutos sufocou o pouco inventivo time dos bávaros, até que a torcida perdesse a paciência nos instantes finais. Tentou invadir o campo e arremessou vários objetos, sem ouvir sequer Daniel Bierofka, ídolo histórico que atualmente trabalha como assistente técnico. “Nós somos Leões, vocês não”, era o principal grito. Quando a situação foi parcialmente contornada pelo policiamento, com cerca de mil oficiais deslocados para fazer um cordão de proteção, o árbitro retomou a partida. Minutos derradeiros que se esvaíram no nervosismo e confirmaram o desastre.

Dono de uma média de 25 mil torcedores por jogo, o Munique 1860 provavelmente levará a Allianz Arena para a terceira divisão. E precisará contar com a sua torcida se quiser o retorno imediato, além de confiar em suas prolíficas categorias de base. Julian Weigl, Kevin Volland e Bobby Wood foram as principais revelações dos últimos anos. Entretanto, por mais que seguissem confiando em jovens, os bávaros se deram mal justamente quando investiram alto para uma guinada. Gastaram consideravelmente em reforços para esta temporada – incluindo os experientes Ivica Olic, Sascha Mölders e Stefan Aigner, além dos jovens brasileiros Victor Andrade e Ribamar. Além disso, trouxeram em janeiro o técnico Vitor Pereira, com passagens por Porto, Olympiacos e Fenerbahçe. Nada que tenha dado resultado. A diretoria terá que se replanejar com um orçamento menor na equilibradíssima terceira divisão.

Por outro lado, cabe elogiar também o trabalho do Jahn Regensburg. Os vizinhos da Baviera estavam na segundona até 2013 e caíram para a quarta divisão na temporada retrasada. Desde então, acumularam dois acessos consecutivos, fazendo um excelente segundo turno na terceirona para ultrapassar o favorito Magdeburgo. Seu treinador é Heiko Herrlich, atacante de passagem notável pelo Borussia Dortmund na virada do século. Já em campo, mesmo sem jogadores tão renomados, os alvirrubros se impuseram sobre o Munique 1860. Impuseram a maior tristeza recente a um dos clubes mais tradicionais do país.

Mostrar mais

Leandro Stein

É completamente viciado em futebol, e não só no que acontece no limite das quatro linhas. Sua paixão é justamente sobre como um mero jogo tem tanta capacidade de transformar a sociedade. Formado pela USP, também foi editor do Olheiros e redator da revista Invicto, além de colaborar com diversas revistas. Escreve na Trivela desde abril de 2010 e faz parte da redação fixa desde setembro de 2011.

Conteúdos relacionados

Botão Voltar ao topo