Nico Shulz tem 25 anos e havia disputado apenas cinco partidas pela seleção alemã, todas desde o ano passado. É emblemático, portanto, que tenha sido dele o gol da vitória por 3 a 2 contra a Holanda, neste domingo, aos 45 minutos do segundo tempo, no momento em que a Alemanha busca se renovar, depois de campanhas trágicas na Copa do Mundo e na Liga das Nações.

LEIA MAIS: Torcedores x Federação: Seleção da Alemanha é recebida com protestos contra a DFB em Wolfsburg

A Holanda, que passa por um processo parecido, após ficar fora das últimas duas grandes competições internacionais, esboçou mais uma grande reação ao empatar o jogo em 2 a 2, depois de estar perdendo por 2 a 0, mas, diferente da Liga das Nações, quando o empate valeu a classificação às semifinais, desta vez a Alemanha arrancou os três pontos com o gol do lateral esquerdo do Hoffenheim.

Com três zagueiros e Kimmich no meio-campo, a renovada Alemanha brilhou nas rápidas transições e poderia ter aberto o placar mais cedo, não fosse uma boa defesa de Cillessen, em finalização de Gnabry. Aos 15 minutos, Sané aproveitou um escorregão de De Ligt e pegou mandou o cruzamento de Schulz para as redes holandesas. No outro lado, Ryan Babel obrigou Neuer a fazer duas boas defesas.

Gnabry, um dos poucos jogadores que se salva na temporada do Bayern de Munique, ampliou para 2 a 0 com um golaço. Recebeu o lançamento, avançou em direção a Van Dijk, buscou o meio e acertou o ângulo de Cillessen.

No dia em que a morte de Johan Cruyff completa três anos, em um estádio batizado em homenagem à maior lenda do futebol holandês, o time da casa não queria passar por um vexame. E conseguiu a reação. Logo aos três minutos do segundo tempo, De Ligt redimiu-se e descontou, com uma cabeçada em cruzamento de Depay. O jogador do Lyon, o mais importante da passagem de Ronald Koeman pela Holanda até agora, empatou, pegando a sobra de um bate e rebate dentro da área.

A partida seguiu empatada até os minutos finais, quando Gündogan achou Reus, que emendou para Schulz bater com a perna direita e garantir a vitória da Alemanha, a primeira dos tetracampeões nas Eliminatórias da Eurocopa. E, também, de uma nova era.

.