A Inter conseguiu uma vitória importante nesta segunda rodada de Champions League. A virada sobre o PSV no Phillipns Stadion, por 2 a 1, dá ao time uma ótima posição para dois jogos muito complicados diante do Barcelona. Mauro Icardi foi decisivo para o time, mas essa não é uma notícia nova. Ele é o principal jogador da Inter há pelo menos três anos. O que foi importante para o time depois de um início de temporada turbulento e de tropeços foi o desempenho de jogadores contratados nesta temporada: Radja Nainggolan e Mateo Politano. Os dois foram muito bem na vitória sobre o PSV na Holanda.

LEIA TAMBÉM: Um recital de Messi permitiu ao Barcelona reviver seus melhores delírios em Wembley

O jogo começou muito equilibrado, com o PSV igualando as ações e abrindo o placar, em um golaço de Pablo Rosario de fora da área, aos 27 minutos. A Inter manteve o jogo equilibrado e tentou avançar o time para pressionar mais. O gol de Nainggolan é fruto disso. Asamoah chutou de longe, o goleiro defendeu, Icardi acreditou no lance, conseguiu ficar com a bola, fez o giro sobre a marcação e chutou, foi bloqueado, e a bola sobrou para Nainggolan finalizar muito bem: 1 a 1, aos 43 minutos.

O jogo continuava bastante igual e no início do segundo tempo, os dois times criaram boas chances. Icardi perdeu uma boa oportunidade ao cabecear no meio do gol para defesa do goleiro. Depois, foi a vez do PSV chegar perto em uma chance com Pereiro. O jogo permaneceu equilibrado, mas a Inter do técnico Luciano Spalletti ao menos melhorou em um aspecto nos jogos mais recentes: passou a ser mais mortal quando o adversário concede espaços. E foi em um lançamento longo de Matías Vecino para Icardi que o golpe fatal veio. O centroavante recebeu, tirou do goleiro e marcou 2 a 1, aos 15 minutos do segundo tempo.

O PSV teve chances para empatar, mas a Inter foi bastante consistente. Politano, atuando pela ponta direita, era uma opção perigosa a cada descida. Ao contrário do que o time vinha tendo na última temporada com Antonio Candreva, usual titular pelo lado direito do ataque. Perigoso nos chutes de fora da área e hábil para conduzir contra-ataques, o atacante, ex-Sassuolo, tem se firmado como a melhor opção do time naquele lado do ataque.

Por sua vez, Nainggolan atuou pelo centro em um 4-2-3-1 que Spalletti tem usado desde a última temporada. No lugar onde Rafinha atuava na temporada passada, Nainggolan dá força, criatividade e chutes perigosos. O time é menos habilidoso, mas é mais forte. Ainda falta afinar a competência ofensiva, porque o time fez 24 chutes a gol ao longo da partida, mas apenas oito deles foram no alvo.

Em compensação, tem controlado mais o jogo, ficando com cerca de 60% da posse de bola. Mais do que isso, teve Marcelo Brozovic e Matías Vecino como os principais passadores, um indício do controle da bola que o time passou a ter. E isso, claro, ajudou a manter o time um pouco mais seguro defensivamente. Ofensivamente, o time ainda deve, mas tem melhorado nos últimos jogos. Comparado aos primeiros jogos da temporada, em que passou até a se questionar a melhora da Inter em relação à temporada passada, o time mostra evolução.

Com Spalletti, dificilmente será um time encantador. Porém, é possível esperar um time organizado e capaz de ser competitivo. Os jogos contra o Barcelona, nas duas próximas rodadas, serão o grande teste para o time. Já o PSV começa a ficar em uma situação complicada depois de duas derrotas em dois jogos e enfrentando um Tottenham a perigo, também com duas derrotas. Os ingleses precisam vencer os holandeses se quiserem a vaga nas oitavas de final.