A passagem de Paco Alcácer pelo Borussia Dortmund guardou um turbilhão de impressões em apenas um ano e meio. O centroavante emprestado pelo Barcelona chegou sob desconfiança em 2018, mas não demorou a justificar o negócio com um início arrasador. Em novembro, os aurinegros já estavam convencidos e fecharam sua compra em definitivo. Porém, o espanhol caiu de rendimento no segundo turno da Bundesliga passada e, apesar de uma excelente sequência no começo da atual temporada, perdeu espaço. A vinda de Erling Haaland indicou que não havia mais lugar para Alcácer. Assim, nesta quinta, ele assinou sua transferência ao Villarreal.

O negócio cobre os gastos do Borussia Dortmund com Alcácer. O Villarreal pagou €25 milhões pela transferência, pouco a mais em relação ao que os aurinegros desembolsaram na temporada passada – entre os €2 milhões iniciais pelo empréstimo e os €21 milhões pelo acerto definitivo com o Barcelona. Com bônus, o acordo junto ao Submarino Amarelo pode subir para €30 milhões. O alívio na folha salarial, além do mais, pode ajudar os alemães na contratação de Emre Can durante as próximas horas.

Não dá para dizer que a passagem de Alcácer pelo Signal Iduna Park foi um fracasso, longe disso. O centroavante refez sua imagem, depois de permanecer escanteado no Barcelona. Todavia, os 12 gols anotados durante o primeiro turno da Bundesliga passada superestimaram sua capacidade. Vale lembrar que o espanhol ainda costumava ficar no banco nesta época e resolveu jogos em que tudo parecia dar certo aos aurinegros, com uma precisão absurda. Durante o segundo turno, quando entrou mais vezes como titular e o time precisava de seus serviços durante uma fase difícil, o artilheiro pecou na hora de matar os jogos. Também não apresentava o melhor condicionamento físico para a intensidade que a equipe pedia.

O recomeço na atual temporada revigorou Alcácer. Balançou as redes nas seis primeiras partidas do Dortmund, o que indicava sua recuperação. Entretanto, uma lesão no tendão de Aquiles que o tirou de ação por um mês e a preferência de Lucien Favre por um ataque com mais mobilidade custaram o seu espaço. Fazer gols não vinha sendo exatamente o problema do Dortmund ao final do primeiro turno da Bundesliga e os parcos minutos dados ao centroavante indicavam a falta de confiança. A lesão no joelho sofrida nos 3 a 0 parciais ao Paderborn dentro do Signal Iduna Park, em novembro, seria a gota d’água. E, então, chegou Haaland – por uma pechincha e com uma mobilidade que se encaixa bem mais naquilo que pede Favre.

Aos 26 anos, não restava outra alternativa a Alcácer a não ser procurar novos rumos, até pelo sonho de disputar a Eurocopa. O Atlético de Madrid surgiu como primeiro rumor, enquanto o Valencia entrou na disputa diante da possível venda de Rodrigo Moreno ao Barcelona. O Villarreal, contudo, atendeu as demandas do Dortmund e estabeleceu seu recorde no mercado de transferências, com a compra mais cara de sua história. Ainda que atravesse um momento de recuperação no Espanhol, o Submarino Amarelo parece um bom destino ao jogador.

Nascido e crescido na Comunidade Valenciana, Alcácer voltará para casa. Chegará a uma equipe que procura seu centroavante titular, sem que Carlos Bacca e Karl Toko Ekambi realmente emplacassem na atual temporada – o camaronês, já até emprestado ao Lyon. Além disso, o novo homem de referência estará muito bem servido por Santi Cazorla, Samuel Chukwueze e Gerard Moreno na armação. Pode até se encaixar melhor no estilo do time.

O Villarreal, que também cresceu de produção nas últimas rodadas, vem de quatro vitórias nos últimos cinco compromissos pelo Campeonato Espanhol. Já ronda a zona de classificação à Liga Europa. Além disso, também avançou às quartas de final da Copa do Rei. Entre os negócios possíveis, Alcácer é um acréscimo útil para fazer o time se alavancar no segundo turno. E ante a história que se encerra, mesmo que não seja completamente feliz, prevalece uma ponta de gratidão do Dortmund a Alcácer e de Alcácer ao Dortmund.