Al Sadd

Sadd Sports Club

Estádio: Jassim Bin Hamad (15.000 lugares)
Fundação: 1969
Títulos: 2 Ligas dos Campeões da Ásia, 12 Campeonatos Catarianos, 13 Copas Emir do Catar, 5 Copas Coroa do Príncipe do Qatar, 12 Copas Jassem, 1 Copa Estrelas do Qatar, 1 Liga dos Campeões Árabes, 1 Copa do Golfo
Grandes nomes da história: Ali Daei, Karim Bagheri, Abédi Pelé, José Clayton, Mamadou Niang

Como chegou lá
O Al Sadd chegou ao seu segundo título da Liga dos Campeões da Ásia em 2011 com um reforço que fez toda a diferença. O senegalês Mamadou Niang, que veio do Fenerbahçe, foi fundamental para a conquista e ainda participou daquele que será um dos lances mais lembrados do torneio. O Suwon Bluewings jogou a bola para fora para um de seus jogadores ser atendido. O Al Sadd não devolveu a posse de bola e, mais do que isso, Niang aproveitou a falta de concentração do time sul-coreano e marcou o gol, decretando o placar de 2 a 0.

Plano de jogo
O técnico do time é o uruguaio Jorge Fossati, que mantém o esquema-base 4-4-2 clássico, com duas linhas de quatro, na defesa e no meio-campo, e dois atacantes. Na defesa, o sul-coreano Lee Jung-Soo, no centro, e o argelino Nadir Belhadj, na lateral esquerda, são os nomes mais importantes. No meio, Abdul Kader Keita, marfinense, é um destaque, que pode jogar também como atacante. Khalfan Ibrahim, de 23 anos, é o meia atacante que se destaca no time e na seleção do Catar. No ataque, Mamadou Niang é o principal nome. O senegalês é o jogador com maior capacidade de decidir uma partida em favor da equipe. E é nisso que aposta o técnico.

Quem pode complicar
O problema é que o time, com o capitão Abdullah Koni, ainda tem problemas na marcação do meio-campo, o que pode complicar o time em partidas contra equipes mais fortes. Além disso, jogando fora de casa, o time nunca conseguiu se impor. Tanto que, durante a temporada, sofreu uma derrota que poderia ter mudado sua história na Liga dos Campeões da Ásia, quando perdeu para o Sepahan por 1 a 0, mas os iranianos escalaram um jogador irregularmente e foram punidos com uma derrota por 3 a 0 no tapetão. Assim, venceu o segundo jogo, fora de casa, por 2 a 1, mas acabou eliminado. No Mundial, essa dificuldade pode voltar a ser determinante.

Curiosidade
O Al Sadd é único time que Romário vestiu a camisa e nunca balançou as redes. Em sua curtíssima passagem pelo Qatar em 2003, Romário disputou três jogos durante seus três meses no clube, mas em nenhum deles marcou gols.

Se fosse um personagem do Guerra nas Estrelas, seria…
…BOBA FETT. Não está preocupado com a causa em jogo. Quer é ganhar seu dinheiro, não importa defendendo quem ou o que.