Uma conquista histórica. Assim foi denominado pela imprensa do Catar o título continental conquistado pelo Al Sadd no último sábado, quando, diante de mais de 41 mil torcedores, o time calou o Jeonju World Cup Stadium, em Jeonju, na Coreia do Sul, ao derrotar, nos pênaltis, o Jeonbuk Hyundai Motors por 4 a 2, depois de um empate em 2 a 2 no tempo normal e 0 a 0 na prorrogação.

Foi o segundo título continental do Al Sadd – o primeiro no atual formato da Liga dos Campeões da Ásia – em uma campanha que começou ainda na fase preliminar, já que o time entrou no torneio como vice-campeão do Catar na temporada 2009/10. Depois de passar por Al-Ittihad, da Síria; e Dempo, da Índia, o time chegou à fase de grupos.

O Al Sadd foi primeiro de seu grupo, se mantendo invicto nesta fase; e passou pelo confronto único nas oitavas de final. O momento de maior tensão para os torcedores – e que acabou definindo a sequência do time dirigido pelo uruguaio Jorge Fossati, ex-técnico do Internacional, na competição – foi a fase de quartas de final.

O time perdeu o primeiro jogo para o Sepahan por 1 a 0, no Irã. No entanto, como o adversário escalou um adversário de forma irregular (o jogador tinha uma suspensão por acúmulo de cartões amarelos a cumprir), o comitê disciplinar da AFC deu a vitória para o Al Sadd por 3 a 0. Mesmo com a boa vantagem, no segundo jogo, em Doha, o Sepahan chegou a fazer 2 a 0 ainda no primeiro tempo, mas o atacante senegalês Mamadou Niang, um dos destaques do time, fez o gol da classificação para as semifinais.

Matador de sul-coreanos

 

Na semifinal, o Al Sadd enfrentou o Suwon Samsung Bluewings na semifinal. A expectativa na Coreia do Sul era por uma final entre dois times do país, já que na outra parte do confronto, o Jeonbuk Hyundai Motors encarava o Al Ittihad, da Arábia Saudita.

Já no jogo de ida, em Suwon, o Al Sadd tratou de acabar com o sonho de uma final sul-coreana. Niang fez os dois gols da vitória por 2 a 0.  O segundo gol foi controverso: o time sul-coreano colocou a bola para fora para atendimento de um jogador de sua equipe. Na volta, o Al Sadd não devolveu a posse de bola. Niang aproveitou-se do relaxamento dos zagueiros sul-coreanos para fazer o gol, o que revoltou os adversários. No fim do jogo, o atacante foi expulso e, depois da partida, jogadores das duas equipes deram início a uma briga generalizada.

No jogo de volta, em Doha, o Al Sadd levou 1 a 0 logo no início, mas segurou a pressão dos Bluewings e foi para a final enfrentar o Jeonbuk, que venceu duas vezes o Al Ittihad (3 a 2 em Jeddah e 2 a 1 em Jeonju).

Na final, o time do Catar – apelidado pela imprensa sul-coreana de “Al Badd” (um trocadilho tosco em inglês com o nome do time e “todos maus”) – levou 1 a 0 com um gol do brasileiro Eninho. Um gol contra de Sim Woo-Yeon, ainda no primeiro tempo, empatou o jogo. O marfinense Kader Keita fez 2 a 1 para o Al Sadd aos 16 minutos do segundo tempo e a pequena torcida do Catar já comemorava o título quando Lee Seung-Hyun empatou o jogo aos 47 minutos, levando o jogo para a prorrogação.

Sem gols no tempo extra, a decisão do título da Liga dos Campeões da Ásia ficou para os pênaltis pela primeira vez no atual formato da competição, iniciado na temporada 2002/03. Curiosamente, as três cobranças desperdiçadas aconteceram em seguida e foram de jogadores sul-coreanos. Com o placar em 2 a 1 para o Al Sadd (Mamadou Niang, Hassan Al Haidos e Eninho converteram), Kim Dong-Chan desperdiçou o segundo pênalti do Jeonbuk. Depois foi a vez de Lee Jung-Soo errar o pênalti para o Al Sadd. Park Won-Jae teve a chance de empatar para os donos da casa, mas também perdeu. Ibrahim Majid fez 3 a 1 para o Al Sadd. Kim Sang-Sik manteve as esperanças do Jeonbuk, colocando 3 a 2 no placar. Coube ao argelino Nadir Belhadj executar a quinta cobrança, dando o título ao Al Sadd.

A conquista interrompe uma sequência de cinco títulos consecutivos do Extremo Oriente na competição. O Jeonbuk Hyundai Motors foi campeão em 2006. Em 2007 e 2008, o Japão ficou com os troféus, respectivamente com Urawa Red Diamonds e Gamba Osaka. Nos dois últimos anos, Pohang Steelers e Seongnam Ilhwa Chunma levaram a hegemonia para a Coreia do Sul. A última vez que um time do lado ocidental do continente foi campeão asiático foi em 2005, com o Al Ittihad, da Arábia Saudita.

O Al Sadd se junta a Auckland City, Monterrey, Santos e Barcelona na disputa do Mundial de Clubes da Fifa. Os dois representantes que faltam ser apontados são o campeão africano e o campeão japonês, que entra como representante do país-sede do torneio.

Semana decisiva nas Eliminatórias da Copa do Mundo

 

Duas rodadas, na sexta-feira (11) e na terça-feira (15), praticamente definem a sorte das 20 seleções asiáticas que ainda sonham em participar da Copa do Mundo de 2014, no Brasil. Ao final destas duas rodadas, restará apenas mais uma, e é bastante provável que das 10 vagas para a fase final das eliminatórias, restem apenas duas ou três.

Austrália e Jordânia são as únicas seleções com 100% de aproveitamento até o momento e se classificam se vencerem já na sexta-feira. A Austrália joga fora de casa contra Omã, lanterna do grupo D. A Jordânia pega Cingapura em casa.

Em situação confortável estão Coreia do Sul, Japão, Uzbequistão e Irã, todos com 7 pontos ganhos. Sul-coreanos, japoneses e iranianos lideram seus grupos. Os uzbeques são vice-líderes no grupo do Japão. Aliás, Japão e Uzbequistão também se classificam na sexta, se ambos passarem por Tadjiquistão e Coreia do Norte, respectivamente. Já a Coreia do Sul e o Irã precisam vencer e contar com tropeços de rivais para garantir vaga com duas rodadas de antecipação. Favoritos em seus grupos, devem se classificar sem sustos no dia 15.

Das seleções mais tradicionais do continente, a Arábia Saudita é quem está em pior situação no momento, apesar de ainda depender somente de suas forças. Os sauditas não venceram no primeiro turno do grupo D (dois empates e uma derrota para a Austrália) e recebem a Tailândia em Riad precisando da vitória a qualquer custo. Um empate já seria desastroso para o time saudita.

A China joga contra o Iraque em Doha também precisando da vitória. O time comandado por José Antonio Camacho tem apenas três pontos, e uma derrota diante da equipe dirigida por Zico praticamente liquida as chances de classificação. O Iraque mandará o jogo no Catar por decisão da Fifa.

Alguns jogos serão interessantes pelo confronto direto para a classificação. Destaco, além de Iraque x China e Arábia Saudita x Tailândia, Kuwait x Líbano (também na sexta-feira) e Catar x Bahrain (na terça-feira).

CURTAS

No fim de semana de datas-FIFA, a A-League tem rodada normalmente. A sexta rodada começa na sexta-feira com Adelaide United x Gold Coast United. Líder invicto com 13 pontos de 15 possíveis, o Brisbane Roar joga no domingo, recebendo o Wellington Phoenix.

Também tem bola rolando no fim de semana na Nova Zelândia, pela terceira rodada do campeonato local. Menos mal que lá, jogam só times semiprofissionais – o Wellington Phoenix, principal time do país e base da seleção, disputa a A-League.

Nas principais ligas do continente, a bola só rola no outro final de semana. Mas na quarta-feira que vem tem rodada pela Copa do Imperador. Vou escrever sobre o torneio mais antigo do continente na próxima semana.

Na Coreia do Sul, definidos os confrontos do playoff que aponta o segundo semifinalista da K-League. O Seoul FC recebe o Ulsan, enquanto o Suwon Samsung Bluewings joga em casa contra o Busan I’Park.

Seoul e Suwon empataram na terceira colocação em pontos ganhos (55) e no saldo de gols (18). Como fez cinco gols a mais (56 a 51), o time da capital ficou à frente na tabela.
O vencedor do playoff pega o Pohang Steelers na semifinal. Quem passar, joga pelo título contra o Jeonbuk Hyundai Motors, campeão da fase regular.

De volta à liga local, depois de ter seus jogos adiados pela participação na fase decisiva da Champions, o Al Sadd joga contra o Lekhwiya no dia 19. O duelo pode aproximar os campeões asiáticos da liderança da Qatari Stars League – o time tem quatro pontos e um jogo a menos que o adversário.

Falando ainda na conquista do Al Sadd, é a primeira vez em oito edições da Liga dos Campeões que um clube fica com o título saindo da fase preliminar.

O atacante Lee Dong-Gook, do Jeonbuk Hyundai Motors, foi o artilheiro da Liga dos Campeões da Ásia, com nove gols. O jogador foi escolhido também o craque do torneio.
Para terminar, o espanhol Quique Sanchez Flores, campeão da Liga Europa na temporada 2009/10 foi anunciado como novo técnico do Al Ahli, dos Emirados Árabes, em substituição a Ivan Hasek. O Al Ahli está na antepenúltima colocação na liga local, com apenas 3 pontos em três partidas.