O presidente do Paris Saint-Germain, Nasser Al-Khelaïfi, foi indiciado pela justiça suíça por incitar o ex-secretário-geral da Fifa Jérôme Valcke a cometer má gestão criminal agravada. O catariano, entretanto, não é mais acusado de suborno.

O indiciamento faz parte de uma investigação de suborno ligada a direitos de televisão da Copa do Mundo. Se por um lado Al-Khelaïfi foi indiciado pela acusação acima, a de suborno caiu por terra. A Fifa, depois de três anos de investigação, chegou a um acordo com o executivo no mês passado para retirar a queixa criminal de suborno na aquisição dos direitos de transmissão das Copas do Mundo de 2026 e 2030 pela BeIN Sports, emissora de propriedade do Catar.

A acusação que permanece sobre Al-Khelaïfi é por ter oferecido a Valcke o usufruto de uma residência de luxo na Sardenha sem a necessidade de pagar aluguel. O valor deste aluguel é avaliado em até € 1,8 milhão. Valcke, por sua vez, segue sendo acusado de aceitar suborno, além das várias acusações de má gestão criminal agravada e falsificação de documentos.

Em comunicado, Al-Khelaïfi disse que está confiante de que a segunda acusação também seja retirada. O presidente do PSG inclusive foi para a ofensiva: “Embora eu tenha cooperado com todas as autoridades durante o processo legal, a investigação de três anos tem sido marcada por vazamentos constantes, desinformação e uma agenda aparentemente implacável para manchar a minha reputação nos meios de comunicação, independentemente dos fatos e da ideia de um processo justo. Por esse motivo, solicitei às autoridades suíças competentes que abrissem um inquérito criminal sobre a condução da investigação”.

Embora ainda seja uma possibilidade, seria uma surpresa ver Al-Khelaïfi condenado, visto seu envolvimento cada vez maior no mundo do futebol. Mesmo sob investigação, o dirigente foi inserido no comitê executivo da Uefa, representando clubes europeus, no ano passado. Ele está também presente no conselho da Associação de Clubes Europeus, órgão com papel importante na discussão dos rumos do futebol no continente.