O Al Arabi nunca teve um treinador de renome internacional e por esta razão havia apostado em Roberto Carlos, que aos 42 anos acumulava boas passagens em times médios da Turquia e procurava uma nova oportunidade para continuar se desenvolvendo como técnico. Os catarianos confirmaram a contratação do brasileiro em junho de 2015, com vínculo de três temporadas, mas dias depois Roberto Carlos informou que vai jogar e ser o treinador do Delhi Dynamos (Índia), um dos participantes da segunda edição da Indian Super League.

LEIA TAMBÉM: Conheça Salah Hasarma, o primeiro palestino a comandar um time judeu israelense na história

Se o ex-craque de Real Madrid e seleção brasileira preferiu se divertir um pouco mais ao invés de focar no futuro, outro ex-atleta de envergadura internacional aceitou conduzir o Al Arabi. Técnico desde 2008, três anos depois da aposentadoria no Cagliari, Gianfranco Zola, 49 anos, assinou por dois anos com o time do Catar e tinha propostas de times menores de Inglaterra e Itália, mas preferiu a Ásia apenas com o intuito de não se queimar no mercado europeu e conseguir mais experiência antes de desafios maiores.

Até porque Zola ainda está longe de repetir o sucesso da bola nos pés com a prancheta nas mãos. Seu primeiro trabalho, em setembro de 2008, foi no West Ham United e começou com festa por parte dos torcedores. Porém, tudo desandou na segunda temporada à frente do clube. Em 2009/10, o West Ham se salvou do rebaixamento por apenas cinco pontos e houve problemas de comunicação entre técnico e dirigentes: Gianfranco Zola revelou que não havia sido consultado sobre a compra de Graham Dorrans junto ao West Bromwich Albion e nem mesmo sobre a definição do presidente David Sullivan de colocar à venda quase todo o elenco ao fim da temporada.

Dois dias depois do último jogo pela Premier League, Zola foi demitido do West Ham United com quase dois anos no cargo, extinguindo-se o vínculo de quatro temporadas. Uma nova oportunidade só surgiu no Watford, que disputava a segunda divisão inglesa. Na temporada 2012/13, a equipe terminou na terceira posição, a dois pontos de ser promovida. O jeito foi jogar os playoffs de promoção e o Watford alcançou a final diante do Crystal Palace, perdendo o acesso na prorrogação graças a um pênalti. Zola continuou na temporada 2013/14, mas em dezembro de 2013 preferiu pedir demissão, deixando o Watford em 13º lugar, vindo de cinco derrotas seguidas em casa.

Somente um ano depois é que Zola voltou a comandar um time, desta vez no país natal. Porém, sua passagem pelo Cagliari, cerca de nove anos depois de lá se aposentar, durou menos de três meses. A estreia foi com goleada de 5 a 0 a favor do Palermo, em casa, mas tudo se encerrou em 9 de março de 2015, depois de 11 partidas e derrota de 2 a 0 para a Sampdoria, fora de casa. Naquela época (26ª rodada), o Cagliari estava na 18ª posição, o primeiro time da zona de rebaixamento, mas mesmo após a saída de Zola não houve chance de evolução, com o Cagliari sendo rebaixado à segunda divisão nacional.

Gianfranco Zola sabe que trabalhar no Catar é um risco, mas na opinião do italiano está tudo calculado. É verdade que o Al Arabi não tem grandes aspirações no Campeonato Catariano 2015/16, a começar no final de agosto, pois tem jogadores desconhecidos no mercado internacional e findou a última temporada no oitavo lugar, dentre 14 equipes, com 35 pontos em 26 rodadas (9v, 8e, 9d), longe da Liga dos Campeões da Ásia 2016.

Zola sabe que não precisará se classificar para o torneio asiático, que o Al Arabi jogou pela última vez em 2012, caindo na fase de grupos com seis derrotas, quatro gols a favor e 16 contra, atrás de Al Ittihad (Arábia Saudita), Baniyas (Emirados Árabes Unidos) e Pakhtakhor (Uzbequistão). Pode ser um bom teste para o jovem treinador, que tenta evoluir na carreira e ganhar experiência, enquanto Roberto Carlos vai se divertir na Índia.

Curtas

– Gianfranco Zola precisa melhorar muito seu aproveitamento geral no Al Arabi. Desde que passou a comandar o West Ham United, o treinador italiano acumula apenas 34,75% dos pontos disputados, com 167 partidas, 58 vitórias, 38 empates e 71 derrotas. No Cagliari foram apenas duas vitórias, dois empates e sete derrotas. No melhor trabalho, na primeira temporada à frente do Watford, Zola conseguiu 48% dos pontos, rendimento baixo.

– Zola vai comandar dois brasileiros no Al Arabi: os atacantes Júnior Dutra, 27 anos (Santo André, futebol japonês e belga e no Catar desde 2015), e Paulinho, 29 (Juventude, futebol italiano, principalmente Livorno, e no Catar desde 2015; seleção brasileira sub-20 em 2005).

– O primeiro time da carreira de Gianfranco Zola foi o Nuorese, que na época (1984/85) disputava a Série C2, a quarta divisão. Após 34 rodadas, o time foi rebaixado à quinta divisão com a segunda pior campanha do grupo A – Zola jogou quatro partidas. Atualmente, o Nuorese está na Serie D, equivalente ao quarto nível nacional.