A transmissão da Premier League colocou na tela, quase no fim da partida: 13 chances criadas pelo Manchester City no segundo tempo, nenhuma do Arsenal. A estatística ilustra a diferença abissal de desempenho entre as duas equipes na partida deste domingo, em que os homens de Guardiola venceram por 3 a 1 e colocaram pressão para cima do líder Liverpool.

LEIA MAIS: Pogba e Rashford combinam para mais uma vitória do United de Solskjaer

Contra o Newcastle, o City demorou 25 segundos para abrir o placar. O Arsenal resistiu mais. Quase o dobro. Iwobi errou na saída de bola, Laporte fez o desarme e cruzou. Agüero se jogou para cabecear e, aos 48 segundos, os donos da casa já estavam em vantagem no placar.

O domínio do City era completo, e o placar poderia ter sido ampliado ainda nos primeiros dez minutos. Houve até gol anulado. No entanto, aos 11, Torreira cobrou escanteio, Monreal desviou na primeira trave e Koscielny completou às redes.

Ainda antes do intervalo, o City voltou à frente, com um golaço. Fernandinho inverteu para Sterling, que tocou para Gündogan. O meia alemão devolveu de primeira para Sterling que, também com apenas um toque, emendou para Agüero completar: 2 a 1.

A situação do Arsenal ficou pior no segundo, ainda mais desequilibrado do que o primeiro. Aos 15 minutos, Sterling cruzou da esquerda e Agüero finalizou de carrinho, com polêmica porque o Arsenal reclama de toque de mão do atacante.

A vitória deixa o City com 59 pontos, dois atrás do Liverpool, que enfrenta o West Ham, nesta segunda-feira. Com a derrota, o Arsenal caiu para o sexto lugar, a um ponto do Manchester United e a dois do Chelsea, quarto colocado.