A seleção brasileira voltará a usar um uniforme que foi considerado maldito há quase 70 anos. A derrota na Copa de 1950 foi um trauma enorme na história do futebol brasileiro e causou muitas mudanças. Uma delas, visual. O uniforme mudou. Até ali, o Brasil jogava inteiro de branco. Por superstição, a camisa da derrota foi abandonada. Depois de vencer um concurso em 1953, Aldyr Schlee foi autor do uniforme com camisas amarelas, calções azuis e maiões brancos. A Seleção voltará a jogar de branco na Copa América 2019, que será justamente no Brasil. Os uniformes foram mostrados pela Nike, fornecedora e patrocinadora do Brasil, neste dia 9, quando Rogério Caboclo tomou posse como presidente da CBF.

Havia esse rumor sobre a camisa branca da CBF há algum tempo. Podemos lembrar quando o Brasil jogou com um uniforme branco em um jogo comemorativo com a França, em 2004. Falamos sobre esse rumor da volta da camisa branca da Seleção em abril de 2018, quando citamos esse duelo com a França no Stade de France.

A confirmação do uniforme veio na apresentação da Nike, que trouxe Vinícius Júnior como um dos protagonistas do lançamento. A camisa branca, porém, não será a camisa principal, como era até 1950. Será uma camisa reserva, embora a sua estreia esteja marcada para acontecer em um jogo como mandante e de grande visibilidade: a estreia da Copa América, no Morumbi, contra a Bolívia no dia 14 de junho.

Segundo a Nike, a camisa celebra os 100 anos do título da primeira Copa América do Brasil, em 1919. Foi a primeira vez que o Brasil sediou o evento, que acabaria no primeiro título da competição para a Seleção. “Para celebrar este marco na história do esporte, a Nike se inspirou no centenário da primeira Copa América disputada no Brasil para criar a Coleção da Seleção Brasileira para esta edição do torneio, que retorna novamente ao país. Composta por um uniforme branco comemorativo, itens casuais para o dia-a-dia e um novo uniforme principal, a coleção une o clássico visual retrô do futebol daquela época ao estilo moderno do esporte contemporâneo”, afirma o diretor de Marketing da Nike, Daniel Paz.

A camisa será branca, com calções e meiões azuis. Os números nas camisas serão em azul, enquanto nos calções os números aparecem em branco. A gola será pólo, clássica, azul, com detalhes em azul também na manga da camisa. O meião azul será mais escuro que o calção.

A camisa amarela é inspirada no modelo de 1989, outro título do Brasil em Copa América, outra vez em casa. Foi a quarta vez que o Brasil sediou uma Copa América e sempre acabou campeão: 1919, 1922, 1949 e 1989. A edição de 2019 será, portanto, a quinta vez que o país sedia a principal competição de seleções da América do Sul. A camisa amarela terá pólo, verde, com detalhes também em verde nas mangas. O tom de amarelo muda um pouco em relação ao modelo de 2018, usado na Copa do Mundo da Rússia. Nas fotos, a camisa parece mais clara.

Vale lembrar que a segunda camisa segue sendo a mesma: camisa azul, calções brancos e meiões azuis. Este modelo não muda em relação ao usado no último ano, com uma marca d’água com estampa de mosaico na camisa, com as estrelas que fazem parte do escudo – que, a vem da verdade, aparece pouco em campo.

A nova coleção da Seleção já está à venda na loja online da Nike e também na loja do Museu da CBF. A partir do dia 12, a coleção estará também em todas as lojas físicas da Nike e nas lojas Centauro. Nas demais lojas, a coleção chega no dia 15.

Veja como ficaram os uniformes: