Quase 36 anos nas costas, em uma liga de menor dificuldade, sem ser convocado desde a Copa de 2014. A trajetória grandiosa de David Villa pela seleção espanhola parecia fadada ao passado. O maior artilheiro da história da Roja possui um currículo invejável. Ainda assim, nada que justificasse sua presença no elenco durante as últimas temporadas. Porém, a vida na seleção não acabou para o eterno camisa 7. Ele estará de volta ao grupo na próxima Data Fifa, chamado por Julen Lopetegui para os duelos contra Itália e Liechtenstein pelas Eliminatórias. O reconhecimento merecido a quem não perdeu o seu faro de gol.

O retorno de Villa soa como ocasional. Vem para ocupar o lugar de Diego Costa, que sequer fez a pré-temporada da melhor maneira. Ainda assim, a chance ao veterano representa demais, em meio às alternativas possíveis a Lopetegui. Entre a péssima fase de Paco Alcácer ou a presença de área de Aritz Aduriz, o treinador achou melhor apostar na ótima sequência do camisa 7 no New York City. Pode não apenas ser útil na rotação, como também agregar experiência em um ambiente no qual os novatos ganham cada vez mais espaço.

“Sempre dissemos que não fechamos as portas a ninguém e acompanhamos David. Entendemos que, neste momento, era necessária a sua volta. Ele vai nos ajudar. Está fazendo atuações magníficas, com a atitude necessária, e por isso o incorporamos. Pode trazer o de sempre: qualidade, intuição, vontade e coletividade. Esperamos que nos ajude”, avaliou Lopetegui, durante entrevista coletiva nesta sexta.

A princípio, Álvaro Morata deve assumir o comando do ataque, com Iago Aspas servindo de alternativa no elenco. Poderão absorver bastante de Villa. E, mesmo que a exigência na Major League Soccer seja bem menor, a sequência do velho ídolo o referenda. São 11 gols marcados nas últimas dez partidas pela liga, artilheiro isolado da competição com 19 tentos. Além do mais, é alguém que não vai sentir o peso da responsabilidade diante do confronto decisivo contra a Itália no Bernabéu. Os italianos têm a mesma pontuação nas Eliminatórias, mas aparece atrás pelo saldo de gols.

Lopetegui segue em frente o processo de renovação da Espanha. A convocação inclui cinco jogadores abaixo dos 23 anos, entre eles Marco Asensio e Saúl Ñíguez, destaques no último Campeonato Europeu Sub-21. Isco, Thiago e Koke são outros três nomes prontos para liderar este novo momento da Roja. Mas isso não significa abrir mão de velhos craques, como Andrés Iniesta e David Silva. E assim, consequentemente, não significa prescindir dos serviços de David Villa por sua idade ou pelo atual estágio de sua carreira. Os 59 gols na conta do Guaje podem aumentar ainda mais.

convocação