Com quatro vitórias consecutivas, o Flamengo deixa para trás o início instável no Campeonato Brasileiro e ocupa a posição que a maioria dos prognósticos apontava: a parte superior da tabela, na vice-liderança. Se o Fluminense ao longo do ano incomodou os rivais, com jogos duros em sequência pelo Carioca, desta vez os rubro-negros se impuseram sem questionamentos sobre os tricolores. A vitória por 2 a 1 acaba se tornando um tanto quanto enganosa, considerando o domínio do Fla no Maracanã e a maneira como o Flu pouco ameaçou, descontando apenas nos acréscimos. O que vale, de qualquer maneira, são os três pontos na conta e uma confiança cada vez mais visível no que desenvolve Domènec Torrent.

O Flamengo começou a partida com um bom trabalho no meio-campo, recheado de jogadores criativos. E uma trama pela direita resultou no primeiro gol logo aos sete minutos. Mauricio Isla deu outro cruzamento açucarado e a cabeçada de Arrascaeta parou em Muriel. Filipe Luís se apresentava pela esquerda da área e emendou um balaço. Com a vantagem em mãos, o Fla imporia sua estratégia com tranquilidade. Os laterais subiam bastante e contribuíam ao ataque, paciente para rodar a posse. Enquanto isso, a marcação compacta dificultava bastante as saídas do Fluminense.

Não era uma partida sufocante do Flamengo, mas o controle estava nas mãos dos rubro-negros. As oportunidades começaram a aparecer um pouco mais por volta dos 30, primeiro em cabeçada de Gabigol para fora. Logo depois, o artilheiro se redimiu para ampliar. Muriel não pegou em cheio na tentativa de afastar o cruzamento e a sobra ficou limpa a Gabigol, que chutou com precisão. Muriel voltaria a ser exigido em chute de Everton Ribeiro antes do intervalo. A superioridade técnica do Fla ficava expressa, especialmente por sua movimentação e pela participatividade dos jogadores, contra um adversário que mal acionou o ataque.

Odair Hellmann botou Fred em campo na volta do intervalo, mas o veterano nada pôde fazer se a bola não chegava. O Flamengo seguia fechando muito bem os espaços, deixando a bola um pouco mais com o Fluminense, e passou a buscar os contra-ataques. Mas nem era a versão mais letal dos rubro-negros, com muitas jogadas individuais e pouco esmero para concluí-las. Aos 15, Everton Ribeiro teve um gol anulado por impedimento de Isla, pouco antes de queimar a bola para fora. E o roteiro da etapa complementar seguiria assim: enquanto faltavam ideias ao Flu, os erros do Fla no setor ofensivo impediam um placar mais elástico.

Vitinho e William Arão saíram do banco, perdendo boas chances. Gabigol também poderia ter anotado o terceiro aos 29, mas Muriel realizou boa intervenção. Parecia um clássico em ritmo de treino, entre um lado confortável com a vantagem e a o outro se afogando em sua própria falta de possibilidades. Michael foi outro a sair do banco para dar ares de pelada de luxo, rabiscando a defesa tricolor algumas vezes, embora seus lances não tenham dado em nada. Só nos acréscimos que o Fluminense despertou. Yago Felipe arriscou de longe, para Gabriel Batista espalmar à linha de fundo. Na cobrança de escanteio, Digão subiu sozinho e descontou de cabeça. Mas nada que realmente ameaçasse a vitória do Fla.

O Flamengo chega aos 17 pontos, na segunda colocação, ainda aguardando o jogo do Internacional e podendo ser igualado pelo Vasco. Depois da desconfiança sobre o início de trabalho de Domènec Torrent e das condizentes críticas às escolhas do comandante, o Fla indica encontrar um novo estilo e cresce. Um pouco mais de contundência seria interessante nesta quarta, mas nada que tenha atrapalhado a vitória construída logo cedo. Já o Flu é que liga o sinal de alerta. Na nona colocação, acumula três rodadas sem vencer. Num elenco limitado, a falta de agressividade facilitou a vida dos rubro-negros.

Classificação fornecida por SofaScore LiveScore