A cada compromisso do Gimnasia de La Plata no Campeonato Argentino, há duas atrações: a partida dentro de campo e a presença de Diego Maradona no banco de reservas. Em parte das vezes, a recepção preparada à lenda é bem mais interessante do que o desenrolar do jogo. E, neste sábado, o Independiente ofereceu uma das recepções mais grandiosas ao craque durante sua visita ao Estádio Libertadores de América. Nas arquibancadas, bandeira e muita cantoria. Já no gramado, além de um novo trono para o treinador (como fez antes o Newell’s), o Rojo também entregou uma réplica do troféu Copa do Mundo. Alegria completa para Maradona, que ainda festejou uma agônica vitória por 1 a 0 do Gimnasia, com gol aos 48 do segundo tempo.

Tamanho carinho do Independiente por Maradona tem uma explicação. Diego nunca escondeu que seu grande ídolo no futebol é Ricardo Bochini, o maior jogador da história do Rojo. Durante a juventude, o garoto costumava frequentar La Doble Visera apenas para ver El Bocha jogar. Desta maneira, o clube de Avellaneda exaltou Maradona como se ele tivesse vestido a própria camisa vermelha durante a carreira. Bochini, é claro, esteve presente para conduzir Diego até o campo. Também compareceram outros veteranos – incluindo Daniel Bertoni, Miguel Ángel Santoro e Ricardo Pavoni. Bertoni e Bochini disputaram Mundiais ao lado do camisa 10.

“Obrigado ao Independiente por essa homenagem. Continuarei dizendo ao mundo que Bocha foi meu professor, não tive outro. Não tinha televisão para ver, quando me traziam eu assistia ao Independiente. Bocha é o maior do mundo”, declarou Maradona, emocionado. O treinador do Gimnasia também fez campanha para que o Estádio Libertadores de América seja rebatizado como “Ricardo Enrique Bochini”, conforme pretende a diretoria. Diego ganhou uma camisa enquadrada do Independiente, com seu nome e o número 10. Entretanto, o ponto alto da festa aconteceu mesmo quando a réplica da taça conquistada em 1986 surgiu, para que o capitão carregasse em seus braços. Todo um show.

Sentado em seu trono, Maradona viveu emoções plenas durante os 90 minutos. Em uma partida com chances para os dois lados, o Gimnasia afundou o Independiente em sua crise. O Lobo conquistou a vitória nos acréscimos do segundo tempo. Erik Ramírez recebeu a bola de Franco Mussis e arriscou o chute de dentro da área. A bola bateu na marcação e encobriu o goleiro Martín Campaña. Mesmo com dificuldades de locomoção, Diego foi muito festejado pelos colegas de comissão técnica após o tento decisivo.

Com três derrotas consecutivas, o Independiente ocupa o 15° lugar no Campeonato Argentino 2019/20. Já o Gimnasia é o 20° colocado entre os 24 participantes da Superliga. Esta foi a primeira vitória do Lobo em 2020, após três empates e uma derrotada. Neste momento, o clube se agarra à calculadora para buscar sua permanência na elite através do promédio. Atualmente, está na última posição da zona vermelha, mas ainda tem chances remotas de salvação. O problema é a tabela: nas duas últimas rodadas, o Gimnasia recebe o Atlético Tucumán e visita o Boca Juniors, antes de também tentar somar pontos na Copa da Superliga. Ao menos, o fim da campanha marcará a apoteose de Diego dentro da Bombonera.